É estarrecedor a lista de detratores produzida pelo Governo a cargo de uma empresa de Comunicação terceirizada, conforme revelado na última semana. Entre parlamentares de oposição, passando por influenciadores digitais e jornalistas, mais de 100 pessoas constam no documento que mais parece um relatório do SNI da brutal década de 70 do que um mero clipping jornalístico doméstico.

O valor do negócio, segundo o contrato público, é aparentemente baixo: R$ 36 mil, dentro de um montante de R$ 2,7 milhões. Mas as sombras da dúvida que pairam sob seu valor de função são incalculáveis. Para que o ministro da Economia, Paulo Guedes, se interessaria numa lista que dita quem critica ou não o Governo? Talvez a resposta esteja no que ocorreu nas últimas semanas. Afinal, o bolsonarismo não dorme quando o assunto é perseguir e difamar seus opositores com as mais variáveis e criminosas fake news.

Em menos de 24 horas que um dos “detratores”, o economista Eduardo Moreira, se movimentou para denunciar a listagem em suas redes, mensagens anônimas contra sua família começaram a surgir. Seus pais chegaram a receber pedido de dinheiro e assédio moral. Como se sabe, Eduardo é um dos nomes mais fortes contra o desmonte previdenciário de Guedes e sua turma extremista.

Num passado não tão distante, outro “detrator”, o blogueiro Felipe Neto, teve seu nome alinhado à pedofilia através de uma chuva digital orquestrada pelo conhecido “Gabinete do Ódio”. O influenciador, que critica diariamente o Governo – e corretamente – precisou ir ao Jornal Nacional, da TV Globo, fazer o contraponto público.

Sabemos como o bolsonarismo age no submundo digital. Sem escrúpulos ou honestidade alguma com os fatos, espalham fake news mirando seus adversários. E essa lista pode ser parte, sim, desse modus operandi bolsonarista.

A integridade física e moral dos relacionados e suas famílias estão ameaçados em movimentos como esse. E pior, amparados pelo Estado brasileiro. É por isso que começamos a coletar assinaturas para a instalação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito na Câmara dos Deputados que investigue os envolvidos e descubra até onde essa lista permitiu ir. A mando de quem? E quem teve acesso? E por que? Há muito o que se descobrir.

Não se pode cruzar os braços diante de qualquer evidência de rasgo democrático. Como se sabe, esse Governo está sujeito a tudo quando o assunto é destruir nosso futuro e todos aqueles que o tentam impedir. CPI JÁ!

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

William Filho

Maconha no Brasil: o que esperar de 2021?

Djeff Amadeus

Cabe desobediência civil para impedir o Enem no Domingo

Camarada Gringo

Com a invasão do Capitólio, o imperialismo chega em casa

Gabriel RG

Assange está mais longe da extradição, mas o jornalismo segue perto do fim

Dríade Aguiar

Feliz ano novo com velhos problemas (para as mulheres)

Tatiana Barros

Artista faz streaming na Twitch TV para ensinar tudo que aprendeu gratuitamente usando várias tecnologias, principalmente a impressora 3D

Márcio Santilli

A ciência e o capital contra a pandemia

Dríade Aguiar

Uma sentença, uma celebração e uma promessa

Márcio Santilli

A resistência dura e vitoriosa dos Ashaninka do Rio Amônia

Márcio Santilli

O resgate da esperança

Cleidiana Ramos

Precisamos desarmar nossas bombas de ódio

Bernardo Gonzales

Fotos 3x4, transexualidade e as violências cisheteronormativas

Jorgetânia Ferreira

Manifesto das mães contra a volta às aulas presenciais em Uberlândia

Bancada Feminista do PSOL

Por que o MBL tem medo dos mandatos coletivos?