.

Os que foram presos e mortos em 1964 poderiam ser qualquer um de nós! Em novembro de 1965, o cineasta Glauber Rocha foi preso. Participava de um protesto contra o regime militar perto do Hotel Glória, célebre e histórico hotel (demolido por Eike Batista) no Rio de Janeiro.

Glauber foi preso com outros jovens amigos, o escritor Antonio Callado, o cineasta Joaquim Pedro de Andrade, o fotógrafo Mário Carneiro, o escritor Carlos Heitor Cony, o jornalista Márcio Moreira Alves, Flávio Rangel e Jaime Rodrigues. O protesto era em meio a uma reunião da Organização dos Estados Americanos (OEA) e teve repercussão internacional o que fez os militares recuarem e soltarem os oito. Nem todos tiveram a mesma sorte!

Esses eram os terríveis comunistas que ameaçavam o país! Além de Glauber forma presos: Caetano Veloso, Gilberto Gil, Paulo Coelho, etc. Milton Nascimento sofreu perseguição e racismo e o impediram de falar com o filho por 20 anos. Fora a censura as músicas, filmes, peças teatrais, novelas, jornais, etc. E o obscurantismo e ignorância dos censores diante de obras que não entendiam sequer o sentido!

Foram presos e sofreram torturas pessoas de todos os campos culturais e artístico. E não só artistas, mas estudantes, ativistas, pessoas anônimas e comuns, trabalhadores, sindicalistas, políticos, pessoas pobres no interior do país que subitamente se tornaram “inimigos públicos” de um Estado militar de exceção. Foram perseguidos, presos, torturados, mortos, sofreram distúrbios psicológicos, tiveram suas vidas destruídas.

Muitos deles fazem parte hoje da história da cultura brasileira, mas poderiam ter sidos mortos ali mesmo!

Eles poderiam ser você ou qualquer um de nós que pensa diferente do governo Bolsonaro. Qualquer um poderia ser o “terrorista”, “subversivo”, “comunista”. Como hoje qualquer pessoa pode ser o “esquerdopata”, “vitimista”, o que tem “viés ideológico”, o “comunistinha”, a “feminazi”, a “feminista”, o “doutrinador” etc, etc

Neste dia 31/03 não há nada a comemorar ! Os militares além das torturas, deixaram o país 20 anos sem eleições e o Congresso fechado! Se hoje vemos os que tentam “negar” o óbvio, a estratégia de ver o “inimigo” na cultura, nas artes, nos direitos humanos, na diversidade dos corpos e pensamentos, tem uma multidão de redes e vozes que vão conectar essas duas páginas vergonhosas do Brasil: a ditadura militar e o bolsonarismo.

#ditaduranuncamais #ditaduramilitar

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Juca Ferreira

Democracia e Genocídio

XEPA

O Veganismo Popular não comemora o aumento do preço da carne

Ivana Bentes

De novo a barbárie

Renata Souza

Um mês da chacina do Jacarezinho — Pelo fim do regime de exceção nas favelas

Ivana Bentes

"Nem de esquerda, nem de direita". Se isentar é delirante!

Juliana Cardoso

Não podemos mais esperar por programas sérios contra a gravidez na adolescência

Tatiana Barros

Live coding e o mundo do DevRel

Juan Manuel P. Domínguez

As bombas que não mataram. O que fazer sob regime fascista?

Amanda Pellini

E @ palhaç@ o que é... uma figura que se posiciona! A posição do riso na rede, um manifesto!

Daniel Zen

O golpe tava aí. Caiu quem quis...

Colunista NINJA

Ancestralidade de jovens da Chapada Diamantina juntam do-in antropológico de Gil à Lei Aldir Blanc

Daniel Zen

A mentira como método de (des)construção política

Bancada Feminista do PSOL

Mês do meio ambiente: é hora de garantir nosso futuro

Márcio Santilli

A crise institucional do Exército 

Moara Saboia

Contagem no clima: é urgente e necessária a transição ecológica da cidade