Bolsonaro é o maior experimento da necropolítica contemporânea: desafia a morte produzindo morte!

 

Eu me impressiono com toda a cena! Esse vídeo foi postado por Bolsonaro com a legenda : “Na praia com o povo, 01/01. Praia Grande/São Paulo”. Estamos no primeiro dia do ano de 2021.

E o que vemos é um homem desajeitado pulando no mar com a camisa 10 do Santos fazendo um esforço a cada braçada, seguido de seguranças esbaforidos e uma entourage descoordenada. Nada em direção aos banhistas que gritam “mito”, “mito”, todos aglomerados, sem máscaras, expostos e excitados com a bravata do seu líder, mas quem não ficaria aparvalhado vendo o Presidente da República se atirar no mar e nadar na direção de banhistas?

Muita água vai rolar, mas já sabemos como Bolsonaro age e como usa essas “imagens-atos” para produzir comandos silenciosos e que alimentam seu eleitorado e produzem mídia. É tosco, é primário, mas por isso mesmo memético e viraliza em todos os meios.

Bolsonaro age com uma subcelebridade  ou um YouTuber em campanha permanente e que ligou o “foda-se” (não acho palavra melhor e nem mais educada) e resolveu queimar a vela pelas duas pontas ao mesmo tempo. Há algo de desesperado em cada um desses atos, em cada braçada!

E ele faz isso com um instinto de sobrevivência política perversa e marketing calculado, diante de uma crise humanitária com 190 mil brasileiros mortos que ele quer tirar das suas costas. Bolsonaro quer se livrar dos mortos e de uma narrativa de sofrimento e dor de todo um país não com empatia ou políticas públicas, mas com atos de bravata individuais rindo dos mortos e fazendo pouco da morte.

Terceirizar as Mortes

É perverso, é genocida, é infame cada ato em que autoriza e chancela o negacionismo diante da pandemia e da morte. Cada ato em que produz aglomeração, desautoriza uso das máscaras, tripudia da gravidade da pandemia, do isolamento social, da quarentena, da vacina, da ciência e de todos os brasileiros que morreram.

Bolsonaro é o maior experimento da necropolitica contemporânea: desafia a morte produzindo morte! O Presidente da República quer terceirizar a morte para a “esquerda”, para os cientistas, para os jornalistas, para os coveiros, os prefeitos, os governadores, o Dória, a OMS, a China, etc.

O comportamento suicida e negacionista de quem ligou o foda-se une Bolsonaro com o fatalismo e obscurantismo popular, religioso: vai morrer quem Deus quiser, vamos tocar a vida ! Vamos para a praia, vamos para a festa, “não somos um país de maricas”, não vamos nos curvar a uma “gripezinha” , somos os machos suicidários da nação, somos os “lokos”.

Bolsonaro, com sua agenda de bravatas, pauta o discurso de toda sua equipe e ministros. Vimos esse discurso caricatural na boca de uma atriz, Regina Duarte, quando nomeada Secretária de Cultura, ela também apostou no histriônico, na cena com doses de canastrice:

“Não quero arrastar um cemitério de mortos nas minhas costas” e ainda: “Sou leve, estou viva. Para que olhar para trás? Que horrível ficar arrastando cordéis de caixões. O covid está trazendo uma morbidez insuportável.”

Bolsonaro presidente foi a materialização da síndrome dos impostores na política, podemos chamar de antisistêmico ou disruptivo também que é mais bonito. A cada novo ministro ou autoridade nomeada temos a mesma sensação de impostura.

O que está fazendo um militar no Ministério da Saúde? Um terraplanista adepto de conspirações no Ministério das Relações Exteriores? Um defensor da bancada do boi e do agronegócio no Meio Ambiente? Um extremista liberal na Economia? O projeto é um só: destruição do aparato do Estado e uma espécie de caos-construtor de um novo mundo conservador: apocalipse e redenção.

Até 2022, cada ato de Bolsonaro será para desgrudar os 190 mil mortos e os que vierem de suas costas, o que poderia fazer agindo como Presidente da República justamente: através do Ministério da Saúde, comprando vacina, seringas suficientes, apoiando as campanhas de uso de máscaras e anti aglomerações, investindo em ciência, etc Tudo o que centenas de países e estadistas estão fazendo e que Bolsonaro sabota  e se nega a fazer.

Fatalismo, Mística e Catarse

Mas a cena em Praia Grande ecoa entre seus apoiadores, os mesmos que estão morrendo sem leitos, os mesmos que enchem as covas nos enterros coletivos, que são obrigados a se expor no transporte público e que têm a Praia Grande para ligar o “foda-se”.  É uma catarse macabra!

Os eleitores de Bolsonaro lêem seus atos meméticos de forma cristalina: “O presidente liga o foda-se e vai pra galera. Ele mostra pro povo que a liberdade está acima da sua integridade física e incentiva a população a não se render”, leio no Twitter em resposta a memética presidencial na Praia Grande.

O populismo suicidário ecoa nas redes como “homem do povo”, “loko”, um autêntico, o tosco mais verdadeiro, o valentão que representa todo um inconsciente empobrecido e sofrido:  “mostra que um presidente tem que ir ao encontro do povo”. O déficit cognitivo, a celebração dos machos, o darwinismo social aceita que “triunfem os mais fortes”. Esse raciocínio fatalista e torto e o comportamento grosso produz identificação.

Mas além, muito além da Praia Grande, Bolsonaro é um subproduto de um mundo em desconstrução, que agoniza e precisa de testosterona na veia pra se manter, precisa da fábrica memética que serve ao negacionismo com figuras célebres, influenciadores, pastores,  ideólogos como Olavo de Carvalho para quem a pandemia é, na verdade, uma “historinha de terror” criada para “acovardar a população”, ou conspiração política das esquerdas globalistas para impor medidas restritivas, implantar o comunismo, implantar chips controladores, produzir cidadãos-zumbis, tirar a liberdade, etc.

Sádico de Massas

Bolsonaro é um catalizador de todo uma mística popular brasileira messiânica, fatalista e violentíssima. Mas o Capitão é antes de tudo um sádico de massas. Tem prazer em infringir sofrimento, tem um lógica de torturador que quer ver o estrago, não se sensibiliza com os mortos da Covid ou dá tortura militar: “traz o raio-X da fratura na mandíbula, o calo ósseo”  disse se referindo a tortura sofrida pela ex-presidenta Dilma Roussef  tirada da presidência por um impeachment/golpe de Estado com elogios de Bolsonaro ao seu torturador de bolso, Coronel Ustra.

O sádico de massas, o macho das bravatas que matam , encontrou a parte fatalista, conformista, masoquista de uma população sofrida e anestesiada e também outros machos alfa igualmente sádicos e triunfalistas, “meu presidente é foda, macho, raçudo, vida loka”.

É como se a esquerda fosse os “maricas”, os fracos, os medrosos e quisesse mais austeridade e sofrimento: cancelar Natal, máscara, isolamento, “vachina” ideológica, etc e não entendesse a “sabedoria popular”  fatalista que o populismo primário, o messianismo de almanaque ensina. Bolsonaro não se importa de nadar de braçada torta em um mar de sangue.

Eu tenho visto os filmes e relido Glauber Rocha na sua intuição monumental do inconsciente explodido dos brasileiros pobres, beatos, líderes religiosos, políticos sádicos, lido sobre o messianismo histórico,  do qual Bolsonaro é uma espécie de cosplay de Messias, lido sobre a revolta da vacina de 1904 com tantos medos e loucuras irracionais que retornam. Não se inventa imaginários do nada, o lodo que emergiu tem um fundo.

Um imaginário brasileiro antiiluminista e violento ou ‘tradicionalista” que se massificou, que encontrou os algorítimos, as fábricas de memes, as plataformas, o whatsapp, um submundo das redes, uma idade mídia obscurantista que não tem mais fronteiras de classes ou de grupos sociais, globalizou. É o que apontam Angela Nagle em Kill All Normies: Online Culture Wars From 4Chan And Tumblr To Trump And The Alt-Right, é o que mostra a brilhante análise do Capitalismo Gore, da mexicana  Sayak Valencia, ou a análise de Benjamin Teitelbaum em Guerra Pela Eternidade: o Retorno do Tradicionalismo e a Ascensão da Direita Populista.

Para entender o Brasil contemporâneo vale mergulhar na história de brutalidades, misticismo, revoltas populares (Canudos, a Revolta da Vacina, etc) que trazem uma energia vital que pode ser redirecionada, capitalizada como temos visto com os avanços no campo dos comportamentos, no cotidiano, no combate ao racismo e as desigualdades.

O Brasil vive um apocalipse em meio a uma floração que também está aí! São esses anos verdes e sombrios onde também tem invenção, resistência numa linha igualmente grandiosa de uma cultura brasileira extraordinária que inventou mundos e imaginários outros, de resistência e criação: a linha antropofágica, tropicalista, pop-filosófica, afrofuturista, dos influenciadores negros, das mulheres, dos novos corpos LGBTQI+, das periferias.

Quis a história e os eleitores de 2018 que o messianismo brasileiro extremista e fundamentalista aparecesse na sua forma patética: o bolsonarismo.  Um meme-presidente caricatural com um projeto de destruição, ao lado de outras subcelebridades alçadas a lugares de comando: políticos, astrólogos,  youtubers, conspiradores negacionistas, uma extrema-direita nacional em uma onda global. A disputa é pelo inconsciente, pelo imaginário, por mundos possíveis.

Olho para Bolsonaro como esse profeta sem profecia, um Zelig troncho tentando se adaptar a mutações velozes, meio gamer, caricatural, meme hilário e por isso altamente midiático e eficaz. O apocalipse que chegou abastardado por  um clown.

Por isso acredito que uma política pop, mística, massiva, memética também será decisiva para explodir a caricatura. Bolsonaro desaparecendo nas tripas do povo para ser vomitado adiante por ele.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

William Filho

Maconha no Brasil: o que esperar de 2021?

Djeff Amadeus

Cabe desobediência civil para impedir o Enem no Domingo

Camarada Gringo

Com a invasão do Capitólio, o imperialismo chega em casa

Gabriel RG

Assange está mais longe da extradição, mas o jornalismo segue perto do fim

Dríade Aguiar

Feliz ano novo com velhos problemas (para as mulheres)

Tatiana Barros

Artista faz streaming na Twitch TV para ensinar tudo que aprendeu gratuitamente usando várias tecnologias, principalmente a impressora 3D

Márcio Santilli

A ciência e o capital contra a pandemia

Dríade Aguiar

Uma sentença, uma celebração e uma promessa

Márcio Santilli

A resistência dura e vitoriosa dos Ashaninka do Rio Amônia

Márcio Santilli

O resgate da esperança

Cleidiana Ramos

Precisamos desarmar nossas bombas de ódio

Bernardo Gonzales

Fotos 3x4, transexualidade e as violências cisheteronormativas

Jorgetânia Ferreira

Manifesto das mães contra a volta às aulas presenciais em Uberlândia

Bancada Feminista do PSOL

Por que o MBL tem medo dos mandatos coletivos?