O masculinismo e a virilidade podem sim ser apropriados e transformados pelas mulheres! Lendo e relendo em looping: Teoria King Kong, de Virginie Despentes, o manifesto mais ácido para um outro feminismo que chuta uma quantidade extraordinária de baldes e lugares comuns sobre as mulheres e reivindica para si as vantagens inerentes a masculinidade e a virilidade Leiam! O que nos diz Virginie é que temos:

O direito de ser desagradáveis. “O exercício direto do poder é aquele que nos permite chegar a qualquer lugar sem ter que sorrir para três fulanos quaisquer, esperando que nos contratem para tal posto ou que nos confiem alguma coisa. O poder que permite ser desagradável, exigir ir direto ao ponto. E esse poder não é mais vulgar se exercido por uma mulher do que por um homem. Espera-se que renunciemos a esse tipo de prazer em função do nosso sexo.”

O direito de comercializar e negociar nossos “encantos”. “O pacto da prostituição, “eu te pago você me satisfaz” é a base de toda relação heterossexual. Fingir que esse pacto é estranho a nossa cultura é uma hipocrisia. Muito pelo contrário essa relação é um contrato saudável e claro entre sexos. não precisa nem complicá-lo e nem culpabilizá-lo.”

O desafio de abandonar a “arte do servilismo” que diz que as mulheres não devem falar alto; não devem se expressar em tons categóricos; não devem sentar com as pernas abertas se for mais cômodo; não devem se expressar num tom autoritário; não devem falar de dinheiro; não devem conquistar poder; não devem ocupar um posto de autoridade; não procurar prestígio; não rir muito alto; não ser muito engraçada.” A lista de Nãos é infinita!

Enfim, as mulheres podem e devem se apropriar do masculinismo e da virilidade e que os estereótipos e caricaturas que proíbem e interditam essa operação são sim estratégias de dominação e assujeitamento. Não sejamos “compreensivas” com todxs os que diminuem nossas potências. Nem aceitar que nos elogiem pelo nosso servilismo (as mulheres sempre na base dos holofotes masculinos).

Pulei a parte da maternidade abnegada, mas a visão de Virginie Despentes é demolidora, e diz que se os homens parissem já tinham inventado algo equivalente a Ikea ou a Macintosh para cuidar de crianças e resolver a vida doméstica. : ) Também pulei a parte da vida punk, do estupro, dos sofrimentos, leiam o livro!

P.S. E mesmo que você não concorde, leia, porque novos pactos estão sendo fabulados e parece mesmo que são as mulheres que estão produzindo as melhores reflexões, inclusive sobre os homens e sobre a masculinidade.

P.S.2. Frase lapidar: “É ao mesmo tempo surpreendente e antiquado que um dominador venha choramingar que o dominado não faz direito a sua parte” (VD).

#feminismos

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

William Filho

Maconha no Brasil: o que esperar de 2021?

Djeff Amadeus

Cabe desobediência civil para impedir o Enem no Domingo

Camarada Gringo

Com a invasão do Capitólio, o imperialismo chega em casa

Gabriel RG

Assange está mais longe da extradição, mas o jornalismo segue perto do fim

Dríade Aguiar

Feliz ano novo com velhos problemas (para as mulheres)

Tatiana Barros

Artista faz streaming na Twitch TV para ensinar tudo que aprendeu gratuitamente usando várias tecnologias, principalmente a impressora 3D

Márcio Santilli

A ciência e o capital contra a pandemia

Dríade Aguiar

Uma sentença, uma celebração e uma promessa

Márcio Santilli

A resistência dura e vitoriosa dos Ashaninka do Rio Amônia

Márcio Santilli

O resgate da esperança

Cleidiana Ramos

Precisamos desarmar nossas bombas de ódio

Bernardo Gonzales

Fotos 3x4, transexualidade e as violências cisheteronormativas

Jorgetânia Ferreira

Manifesto das mães contra a volta às aulas presenciais em Uberlândia

Bancada Feminista do PSOL

Por que o MBL tem medo dos mandatos coletivos?