Dória, Lula e Silvio Santos são citados em pesquisa de opinião nas periferias de São Paulo.

Dória, Lula e Silvio Santos são citados em pesquisa de opinião nas periferias de São Paulo.

O MBL foi o primeiro a comemorar: “Pesquisa do PT mostra que periferia é de direita”; seguido por páginas, sites e comentaristas das mídias conservadoras que usaram a pesquisa da Fundação Perseu Abramo, “Percepções e valores políticos nas periferias de São Paulo”, para explicar a derrota do PT na prefeitura de São Paulo e o impeachement, que seriam a expressão de uma “periferia liberal” que emergiu nos últimos anos e que só o PT ainda não tinha se dado conta dessas mudanças.

E numa primeira leitura, a hipótese inicial da pesquisa parece mesmo “um tiro no pé” afirmando que “as camadas populares passaram a se identificar mais com a ideologia liberal que sobrevaloriza o mercado”, o que explicaria a vitória de João Dória Júnior em São Paulo, o prefeito gestor, o empreendedor, o “não-político”. Só que não!

O que torna a pesquisa interessante, em um momento de geleia geral da nação e incertezas de todo lado, é justamente o que as respostas têm de aparentemente paradoxais: Nem esquerdista e nem liberal! O pragmatismo popular brasileiro não cabe nas polarizações e está em disputa.

Estado é coisa para os muito pobre!

Uma primeira revelação: A pesquisa mostra que o morador das periferias “vê o Estado como inimigo”. Dito de forma mais explícita: “O Estado não cumpre o seu papel. Só demanda dos cidadãos (impostos) e não devolve em serviços de qualidade. É ineficaz!” Ou quando “funciona” é como a máquina de morte na guerra contra os pobres nas periferias, poderíamos completar.

Mas a pesquisa avança e o que vemos não é uma demanda de Estado mínimo, mas de Estado eficaz.

Ou seja, a periferia quer serviços gratuitos e bons! Mas o Estado só funciona nas pracinhas dos bairros ricos ou defendendo o patrimônio dos poucos. O Estado só funciona ou para os muito ricos ou serve, na ausência de outra alternativa, para os muito pobres! Quem pode migra, até para se distinguir, para os serviços privados, alguns de qualidade duvidosa. Ou seja, quem pode se diferencia dos ainda mais pobres, que só podem recorrer ao Estado.

Consumo sem Consumismo e o Poder Jovem

E mais surpresas vão aparecendo: “O consumo é uma dimensão importante da vida do trabalhador, mas não há consumismo”. Ou seja, a pesquisa mostra que as pessoas se endividam para pagar um carro onde não tem transporte público, para comprar eletrodomésticos, para pagar TV a cabo, tudo que traz qualidade de vida, essa é a fala principalmente dos mais velhos.

Para os mais jovens o consumo é uma forma de distinção. É o consumo que singulariza e faz com que muitos se vejam como cidadãos. Fora que a periferia inventa moda, roupa, cabelos da hora, música, linguagens, estéticas. Uma produção e “consumo” cultural muito além do discurso redutor do consumismo.

Aqui temos um dado importante, a potência dos jovens, os novos formadores de opinião na família e nas comunidades, com o aumento da renda e do poder de compra, com a inserção na educação formal, inserção nas rede de informação e tecnologias.

A opinião dos jovens, que têm níveis de escolaridade mais elevados do que os dos seus pais, conta e muito, disputando até mesmo com a televisão.

A Periferia não quer ter Patrão

Outra questão decisiva, que as esquerdas tem dificuldade em elaborar, é o desejo de autonomia e liberdade, expressos na super valorização do empreendedorismo, seja os que se identificam com os empresários, ou com a figura do autônomo.

O empreendedorismo popular é fortíssimo: os que abrem oficina mecânica, cabeleireiro, borracharia, padaria, se tornam camelôs, fazem marmita, tudo na informalidade.

Vamos encontrar, com diferenças de contexto, o discurso do empreendedorismo na classe média cult, que fala das startups, de inovação social, cultural, coletivos, laboratórios.

Aqui temos não só o embrião do “self made man”, mas todo um novo cooperativismo, coletivismo, “brodagem”. Demanda de infra-estrutura pública de novo tipo. A precarização é tanto perda de direitos quanto oportunidades para os overqualificados desempregados, os batalhadores e os “correria”.

Trabalho vivo e o declínio da figura do “trabalhador” clássico

O que diz a pesquisa: “Como muitos entrevistados vivem experiências precárias de trabalho e remuneração, o contrato com carteira assinada ainda é valorizado, em função da segurança que traz: rendimentos fixos, direitos trabalhistas e uma série de benefícios e direitos considerados importantíssimos para todos”.

Entretanto “ser empregado”, o trabalho “morto”, não combina com ter singularidade e ambição, com esse trabalho vivo do empreendedor. Não atiça o desejo.

A meritocracia, que aparece supervalorizada pelos entrevistados, é o reconhecimento da singularidade, da individualidade, do esforço pessoal.

Mais um paradoxo: Os entrevistados “não negam a importância de políticas públicas e garantia de acesso a oportunidades, mas rejeitam aquelas que parecem ‘duvidar’ das capacidades individuais, como as cotas.”:

“Políticas feitas pelo PT, Bolsa Família, em especial Prouni e Fies, são valorizadas e consideradas necessárias. No entanto, são vistas como insuficientes frente ao déficit na Educação; e falhas existentes, pois podem beneficiar quem não precisa – precisa de mais fiscalização para conter ‘injustiças’ (principalmente no caso do Bolsa Família).

A pesquisa não diz isso, mas temos a impressão que diante desse Estado insuficiente para todos, os beneficiários da Bolsa Família, das cotas raciais e sociais que melhoraram de vida são vistos como “privilegiados” que “não fizeram nada” para merecer os benefícios.

O que se reflete no profundo ressentimento expresso contra os mais pobres nas redes sociais e discursos de desmerecimento que circulam. Se eu não tenho benefícios, melhor que ninguém tenha!

O Voto religioso não é necessariamente conservador

Outra questão importante é a constatação que “o voto religioso não é necessariamente conservador”. A igreja neopentecostal tem influência nas periferias, e a “teologia da prosperidade” está sintonizada com os valores do empreendedorismo, da super valorização da família.

Mas, como na política, a periferia migra, muda de igreja numa alta rotatividade, mudam de pauta, mudam de pastores, mesclam religiões. Ou seja, o que importa é certa “religião de resultados” e principalmente o acolhimento e pertencimento a uma comunidade de proteção.

Uma síntese diabólica

A pesquisa traz outras questões instigantes, preocupantes, provocadoras desse “liberalismo” popular brasileiro, que ao final emerge como uma colcha de retalhos e práticas de uma periferia em disputa.

Um discurso que pode soar liberal, mas cujas práticas vão muito além, e incluem a comunidade, a solidariedade, o acolhimemto, a empatia como valores do cotidiano ao lado desse individualismo meritocrático. A pesquisa não avança muito sobre machismo, feminismo, questões de comportamento.

Uma influência direta da mídia e dos processo de criminalização da política aparecem na pesquisa. A política é vista como algo sujo, sinônimo de corrupção, onde não se faz distinção entre os partidos.

Ou seja, a periferia está em disputa! O pragmatismo popular brasileiro tem efeitos imprevisíveis. Basta olhar para a figura do ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva, que está muito além das políticas sociais do seu governo, seus erros e acertos. Ele encarna perfeitamente a figura do batalhador brasileiro que “chegou lá”. As referencias de figuras públicas mais citados na pesquisa foram Lula, Sílvio Santos e Dória. Eis uma síntese diabólica do inconsciente popular brasileiro.

Leia a análise completa em artigo publicado na Revista Cult.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Bruno Ramos

Um ano do massacre de Paraisópolis

NINJA

Para Ver a Luz do Sol. 40 anos de reexistência cosmopolítica no Bixiga

Jorgetânia Ferreira

São Paulo merece Erundina

Bancada Feminista do PSOL

Do #EleNão ao Boulos e Erundina sim!

Fabio Py

Dez motivos para não votar no Crivella: às urnas de luvas!

Filipe Saboia

Recapitulando

Márcio Santilli

O que esperar de um próximo mandato presidencial

História Oral

O Mitomaníaco e os efeitos eleitorais da Pós-Falsidade

Márcio Santilli

Bolsonaro-Frankenstein: cara de pau, coração de pedra e cabeça-de-bagre

Cleidiana Ramos

O furacão de tristezas que chegou neste 20 de novembro insiste em ficar

Colunista NINJA

LGBTI+ de direita: precisamos de representatividade acrítica?

Juan Manuel P. Domínguez

São Paulo poderia ser uma Stalingrado eleitoral

Colunista NINJA

A histórica eleição de uma bancada negra em Porto Alegre

Bancada Feminista do PSOL

Três motivos para votar na Bancada Feminista do PSOL

Carina Vitral da Bancada Feminista

Trump derrotado nos Estados Unidos, agora é derrotar o bolsonarismo na eleição de domingo no Brasil