Barraco Brasil! Eu queria escrever um textão sobre as elites e a classe média alta do nosso Brasil, mas por ora o que mais me impressiona nos dois casos que animaram nosso confinamento (veja os vídeos abaixo) é a diferença entre as formas de ostentação e de exibição dos personagens: os “barracos” do Rio e de São Paulo.

No Gero paulista “azelites” disputam “quem tem mais berço”, quem “tem CRM”, quem é filho de médico, quem tem delegado particular, quem conhece o cara da Polícia Federal, quem tem “educação americana, europeia”, quem vai “pegar a plaquinha da sua Mercedes”.

Uma cafonália sem fim e delírio de onipotência e de poder econômico, o “sabe com quem você está falando” de ricos e classe média com problemas de ego. O corinho pelo CRM, CRM, CRM é o auge da cena, além do “bercismo” de todos e o depoimento final. “Eu tenho berçooooooooo” é o grito retrógado de uma elite que acha que está na corte.

Pausa Dramática. A confusão parece ter começado porque “o irmão do dono do Rubaiyat”, outro restaurante pra quem ter “berçooooo”, faz escândalo ao não ser atendido. O rico e a classe média esperam serviçais ao seu dispor em qualquer situação. Na cena, vale destacar a elegante loura que continua tomando seu vinho, como se nada!

Corta para o Rio. Aqui, a afronta são os corpos de biquíni numa gozolândia ostentatória que incomoda a “cidadã de bem” que joga uma garrafa de água na desinibida do Leblon.

Eu tenho minhas simpatias pelas moças do conversível, que estariam em um filme de Fellini, “A Doce Vida Pandêmica” . Aliás, absurdo um homem puxar o biquíni da moça no final e os xingamentos misóginos. Fariam o mesmo se fosse um homem de sunga, geralmente com sonzão nas alturas, como vemos frequentemente? Duvido!

Nas duas cenas não se vê ninguém com máscaras! Só os garçons, claro!

O que me interessa é que com a cultura digital a gente vai vendo a cara das “elites” econômicas (“o que comem, onde vivem, como se reproduzem” e como se comportam) e não só as imagens dos pobres que sempre estiveram expostos por todos os meios.

Falta um Fellini, um jornalista, um documentarista pra mostrar que “está cada vez mais down no high-society”, como cantava Elis Regina, fazer a crônica dos ricos do Brasil! As redes sociais servem pra isso!

Fora isso, viva o Rio! : ) Porque se for pra ter barraco e baixaria que seja com a popozuda felliniana sambando na cara da sociedade de bem da Dias Ferreira.

P.S. Essa balançada de tetas final da moça do Leblon me conquistou! Depois de séculos de homens balançando suas genitálias! Achei tendência!

https://twitter.com/silvinha_jpn/status/1310266697769607169

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Marielle Ramires

De braços dados com a alegria

Bella Gonçalves

Uma deputada LGBT na Assembleia de MG pela primeira vez em 180 anos

Célio Turino

Precisamos retomar os Pontos de Cultura urgentemente

Design Ativista

Mais que mil caracteres

SOM.VC

Uruguai musical

Estudantes NINJA

Não existe planeta B: A importância das universidades nas mudanças climáticas

Colunista NINJA

Carta a Marielle Franco: ‘Quem mandou te matar, Mari? Aí do além é mais fácil enxergar?'

Luana Alves

Justiça por Marielle, mais urgente do que nunca. Sem anistia

Design Ativista

Feminismos, sem medo de ser plural

Márcio Santilli

Opção bélica

André Menezes

Saúde mental ainda é um desafio, afirmam especialistas

Célio Turino

Leis Paulo Gustavo e Aldir Blanc 2

Design Ativista

Afinal, qual o papel da moda? Uma reflexão de vivências

Juan Espinoza

Quando o silêncio entre mulheres é quebrado