Por Simone Nascimento*

São Paulo, terra de arranha-céu, cidade-negócio que joga a juventude para o desemprego. Só que a quebrada me ensinou que periferia é lugar de sonho e batalha. E nós vamos virar esse jogo.

Nasci e cresci na quebrada, em Pirituba, distrito da Zona Noroeste de São Paulo. Mais especificamente na Vila Zatt, brincando na rua com os vizinhos.

A vista cabulosa de todos os dias (e, também o friozinho) é por conta do Pico do Jaraguá, ponto mais alto da cidade, lugar de fazer trilhas, piqueniques, de contato com a natureza e de luta indígena na capital.

É aqui também que fica a casa da melhor boleira da Vila Zatt, Dona Elaine, minha mãe. Foi por aqui que eu me criei e aprendi o que é ser uma mulher negra, periférica que reivindica as suas raízes.

Somos 163 mil habitantes que acordam cedo para trabalhar nas regiões mais centrais da cidade. Todo dia o ritual é pegar a perua, descer no Terminal, depois ônibus que vai pelo corredor ou o trem. Para voltar, se você for mulher, esquece o trem: sem iluminação pública, é perigoso andar sozinha da estação até o terminal de ônibus.

E, por falar em perigo, Pirituba tem a maior taxa de feminicídio de São Paulo. Jolie, Leila, Juliana e tantas outras tiveram suas vidas ceifadas pelo simples fato de serem mulheres. O país que fundou suas bases na cultura do estupro, da miscigenação forçada “à laço” das mulheres indígenas e negras, ainda não rompeu a ideia de que amor não combina com violência. E continua esse ciclo de dor cultivando a LGBTQIfobia, sendo o país que mais mata pessoas trans no mundo –  80% mulheres trans e travestis negras.

O desemprego, a fome e a miséria aumentaram muito na cidade de São Paulo, especialmente com a pandemia do novo Coronavírus. E a violência policial e o extermínio da juventude negra também. É revoltante que um jovem negro seja assassinado a cada 23 minutos no Brasil.

O modelo de cidade-negócio dos que governam é incapaz de controlar a pandemia e colocou em xeque o futuro de toda uma geração. Não salvaram vidas e nem a economia: a juventude tem o dobro da média de desemprego na cidade e vê cada vez menos possibilidade de continuar seus estudos.

Mas, se engana quem acredita que na periferia só tem história triste. É daqui que pulsa a esperança de um outro mundo possível, fundado em um profundo sentimento de solidariedade e de resistência.

Foi no aperto da pandemia, quando começou o distanciamento social, que a quebrada se uniu para juntar cestas básicas para as famílias que mais precisavam. A cada batida de funk, forró e de reggae, em cada batalha de MC’s, a cada slam, em cada roda de samba, passinho de dança de rua e rima de hip hop a história da população negra e periférica resiste, ainda que a política e a polícia nos criminalize.

São tempos difíceis, mas o sentimento de esperança brota, regado pelas recentes derrotas ao autoritarismo na Bolívia, no Chile, até nos Estados Unidos. Em São Paulo, a luta para retomar a cidade dos negócios para as pessoas está cada vez mais próxima.

Precisamos de um projeto que carregue a esperança das e dos jovens! Uma alternativa de incentivo ao emprego na juventude, que priorize a educação pública, a cultura e o lazer nos bairros, com inclusão digital e participação democrática. No lugar de reprimir é preciso descriminalizar, incentivar e reconhecer como patrimônio histórico a produção artística, intelectual e cultural das periferias. É urgente interromper o genocídio pelo direito à vida, promover empregos para garantir o presente, investir em educação e cultura para devolver o futuro! A juventude negra e da quebrada quer viver!

A periferia é lugar de gente de fibra e eu tenho muito orgulho de ter vindo de onde eu vim. É inaceitável que na Câmara Municipal, dos 55 vereadores, apenas nove sejam mulheres e não haja NENHUMA mulher negra, enquanto a maioria da população brasileira é negra e feminina.

É hora de virar o jogo! Quero representar na Câmara de Vereadores, com meu corpo e a minha consciência negra, a luta pela existência digna de toda uma juventude, das mulheres trabalhadoras, a luta por uma São Paulo humanizada e para as pessoas.

Eu divido este sonho com mais milhares. Com Guilherme Boulos e Luiza Erundina somos três gerações que sonham e lutam por uma uma revolução solidária em São Paulo. E aí, vamos juntos virar o jogo?

Simone Nascimento é jornalista, formada pela PUC-SP via Prouni. Jovem negra, moradora de Pirituba, quebrada de São Paulo, está candidata a vereadora pelo PSOL. Ajudou a fundar o movimento RUA – Juventude Anticapitalista e faz parte da coordenação estadual do Movimento Negro Unificado (MNU) em São Paulo.

A colunista Isa Penna cede o espaço de sua coluna na Mídia NINJA a Simone Nascimento nas próximas semanas.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Jorgetânia Ferreira

São Paulo merece Erundina

Bancada Feminista do PSOL

Do #EleNão ao Boulos e Erundina sim!

Fabio Py

Dez motivos para não votar no Crivella: às urnas de luvas!

Dríade Aguiar

Se matarem meu pai no mercado

transpoetas

Mês da Consciência Transnegra

Márcio Santilli

Bolsonaro-Frankenstein: cara de pau, coração de pedra e cabeça-de-bagre

Cleidiana Ramos

O furacão de tristezas que chegou neste 20 de novembro insiste em ficar

Tatiana Barros

Como nasce um hub de inovação que empodera pessoas negras

História Oral

Quando tudo for privatizado, o povo será privado de tudo e o Amapá é prova disso

Fabio Py

Derrotar Crivella para destronar o falso messias

Colunista NINJA

LGBTI+ de direita: precisamos de representatividade acrítica?

Juan Manuel P. Domínguez

São Paulo poderia ser uma Stalingrado eleitoral

Colunista NINJA

A histórica eleição de uma bancada negra em Porto Alegre

Bancada Feminista do PSOL

Três motivos para votar na Bancada Feminista do PSOL

Carina Vitral da Bancada Feminista

Trump derrotado nos Estados Unidos, agora é derrotar o bolsonarismo na eleição de domingo no Brasil