Ao longo do último mês de junho, abordei em minhas colunas a temática da educação brasileira. É impossível não concordar que no Brasil, a educação é cada vez mais sucateada, como já dizia Sid. Quando imaginamos que estudantes e pesquisadores brasileiros correriam o risco de perderem suas bolsas de estudo e incentivo a educação e a pesquisa? É catastrófico.

Estudantes e pesquisadores de todo o Brasil estão há meses sendo impedidos de ingressar em países Europeus por questões explicitamente diplomáticas e políticas.

Já é fato, a pandemia não foi levada a sério, vidas foram perdidas, famílias destruídas, e tudo poderia ter sido evitado com a compra de vacinas e a não invalidação de métodos científicos por parte do governo federal. Negacionismo, disseminação de fake news e minimização da pandemia por parte do governo e ministério brasileiro. Isso ocasionou o fechamento das fronteiras para os brasileiros em muitos países europeus.

Nos últimos dois anos foram aceitos mais de 500 brasileiros em instituições de ensino e pesquisa espanholas para o ano letivo 2021-2022. Com bolsas de estudos podendo ser comprometidas, esses estudantes e pesquisadores enfrentam hoje o medo de perderem a oportunidade que conquistaram com muito esforço acadêmico.

Não está autorizada a emissão de vistos para entrada nos países e nem mesmo está sendo considerada a autorização por não ser considerado um motivo imperioso, necessário ou importante.

Em junho, foram criados movimentos com estudantes, pesquisadores e trabalhadores com bolsas na Itália, Dinamarca, França, Espanha, Alemanha e Bélgica para tentar contestar a decisão dos países para não permitirem.

Durante a primeira metade do mês de julho, a França e a Dinamarca, a partir da movimentação causada pelos movimentos estudantis nas mídias e internet, começaram a permitir a emissão dos vistos para a entrada nos países.

Apesar disso, mais de 1000 estudantes ainda seguem sem previsão de quando poderão solicitar seus vistos e viajar para os países onde irão estudar e criar pesquisas dos mais diversos campos de estudo

Espanha

“No dia 7 de junho de 2021, a Espanha liberou a entrada de turistas vacinados em seu território, com a exclusão daqueles brasileiros. Consequentemente, a Orden PCM/79/2021, que teve sua primeira publicação em fevereiro, foi prorrogada pela 10° vez e estendida até o dia 6 de julho, data na qual provavelmente será prorrogada mais uma vez. Este documento estabelece restrições rígidas ao Brasil, estabelecendo que só podem sair voos do território brasileiro portanto pessoas de nacionalidade espanhola e algumas outras nacionalidades.

Sabemos que, muito além de uma questão sanitária, a problemática também se dá por questões políticas. É fato que a pandemia do SARS-CoV-2 não tem sido levada a sério pelo governo atual e isso reflete nas relações com outros países.

Dos mais de 200 estudantes bolsistas, alguns já deveriam estar lá e outros precisam chegar ao país em agosto deste ano. Com a restrição de voos, consequentemente se deu uma suspensão de emissão de vistos em solo brasileiro e os estudantes têm ficado à mercê da situação.

Destaca-se também que o país tem permitido a entrada de pessoas provenientes de outros países com situação crítica e variáveis, como por exemplo, Índia e Inglaterra. Os estudantes já buscaram auxílio no Itamaraty e em outros setores do governo, mas tiveram suas investidas sem retorno.”

Itália

“Somos um grupo de mais de 180 estudantes brasileiros aceitos em universidades italianas para os anos letivos de 2021 e 2022. Devido à pandemia da Covid-19 nossos processos de vistos junto aos consulados estão paralisados, e a nossa entrada em território italiano está proibida. Diante do iminente risco de perdermos nossas matrículas e bolsas de estudos, nos organizamos com o objetivo de alcançar autoridades brasileiras e italianas em prol da liberação das fronteiras para os estudantes.

Desde 16.01.2021, por meio de decretos de urgência e após o Decreto do Presidente do Conselho dos Ministros (DPCM), de 2.03.20211 , e da Portaria do Ministério da Saúde italiano, do dia 14.05.20212 , está proibida a entrada na Itália das pessoas que, nos 14 dias precedentes à viagem, tenham permanecido ou transitado no Brasil.“

Bélgica

“O Movimento Étudier est Nécessaire trata-se de um grupo de 90 estudantes, pesquisadores e/ou trabalhadores brasileiros, já admitidos nas principais universidades e empresas belgas que estão impedidos de ocupar estas vagas devido às novas restrições impostas ao Brasil.

Contudo, por decorrência da pandemia do COVID-19, em 28 de abril de 2021, o governo belga anunciou novas restrições de viagem que incluíam o Brasil como “zona de alto risco e proibindo a entrada de todas as pessoas que estiveram em nosso país nos 14 (quatorze) dias anteriores à chegada na Bélgica”. Essas novas restrições, atualizadas semanalmente, acarretaram na paralisação da emissão de visto de longa duração (tipo D) que abrange estudantes, intercambistas e pesquisadores, colocando em cheque o início dos estudos e pesquisa no país.”

Alemanha

“Desde 19 de Janeiro deste ano, a Alemanha tem considerado o Brasil como área de risco de variante e com isso as viagens para a Alemanha estão proibidas, a não ser por poucas exceções listadas no site do Consulado Alemão. Há, no entanto, um grupo de aproximadamente 300 brasileiros, dentre eles estudantes, cientistas e trabalhadores, que não conseguem a permissão de entrada na Alemanha mesmo que suas atividades não estejam relacionadas de modo algum com turismo. Muitas dessas pessoas estão planejando a ida para o país desde 2019 e alguns já tiveram o visto aprovado, mas não conseguem embarcar devido a esta restrição de entrada.

O movimento “Barred from Germany” (Barrados da Alemanha) já realizou diversas tentativas de contato com várias instituições e autoridades alemãs, mas a resposta é sempre muito pouco esperançosa e não traz nenhuma perspectiva de resolução. É sabido que aos poucos a Alemanha está se restabelecendo e inclusive o turismo já reabriu em algumas cidades. Vale destacar que a entrada de jogadores de futebol (incluindo os vindos do Brasil) foi liberada pela Alemanha durante a Eurocopa.

A partir de um levantamento com dados da ANAC, foi constatado que entre Fevereiro e Junho de 2021 em média 2561 pessoas viajaram, por semana, em voos comerciais saindo de São Paulo com destino a Alemanha. Atualmente, apenas alemães e residentes são autorizados a entrar na Alemanha saindo do Brasil, não importando sua finalidade. Enquanto isso, cerca de 300 estudantes e requerentes de vistos de longa duração não conseguem autorização para emitir visto e entrar no país a fins de trabalho, pesquisa e estudo.”

Em função do desenvolvimento de ciência e tecnologia, perdem-se oportunidades profissionais únicas na formação de pessoas cada vez mais qualificadas e avanços de todas as áreas do conhecimento que beneficiam toda a humanidade. Além disso, são enfraquecidas as fortes relações acadêmicas entre o Brasil e todos os países do mundo, não apenas europeus. Além disso, ressalta-se a importância da internacionalização no desenvolvimento de atividades acadêmicas e científicas.

Devemos olhar para a educação e avanços científicos de forma comum a toda humanidade, não exclusiva de países e governos. Por isso é tão importante que os países mantenham as fronteiras abertas para os estudantes.

Estudar é necessário, imperioso, importante e vital.

Agradecimentos pela ajuda no texto a Gabriela Vasconcelos Araujo, Walmir Henrique Silva , Luísa C. Credi-Dio, Bárbara Magalhães, Vanessa Alvarez

Agradecimentos pelos materiais aos Movimentos

#EtudierEstNecessaire #EstudiarEsEsencial #EtudierEstImperieux #StudyIsAWorthyPurpose #StudiareEUnaNecessita #BarredFromGermany

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Estudantes NINJA

Paulo Freire e o encontro com bell hooks: Um diálogo transformador de celebração do amor e da liberdade crítica

Tatiana Barros

Artistas digitais criam NFTs criticando atos antidemocráticos

Márcio Santilli

Amazônia sem lei

Márcio Santilli

Ato bolsonarista no 7 de setembro é comício

Observatório das Eleições 2022

Cada plataforma, um universo: a pluralidade de temas do bolsonarismo e do lulismo no Twitter e no YouTube

Observatório das Eleições 2022

Por que o Auxílio Brasil turbinado não ajudou Bolsonaro entre os mais pobres?

Renata Frade

Lançamentos em Tecnologia por incríveis autoras brasileiras

Márcio Santilli

Estertores do bolsonarismo

Observatório das Eleições 2022

Globalização das eleições? Protestos de brasileiros no exterior

Observatório das Eleições 2022

Os Presidenciáveis e as Cidades

Renata Souza

O crescimento do PSOL é negro, feminista e popular

Observatório das Eleições 2022

Bolsonaro: o presidente-candidato ou o candidato-presidente?

Márcio Santilli

A abstenção pode influir no resultado da eleição?

Marielle Ramires

Um ecocídio em curso

Observatório das Eleições 2022

Ciro e Tebet somam 14% no Datafolha. E agora?