De todas as mazelas sociais, talvez a mais cruel seja a fome. Uma família, ao se deparar com a falta de comida, perde toda e qualquer dignidade enquanto ser humano. Em todo o mundo a segurança nutricional é discutida e diversos organismos impulsionam governos para que desenvolvam políticas públicas com vistas a reduzir esse déficit. As causas são diversas: escassez, pouca capacidade produtiva, clima e superpopulação são algumas delas, mas no Brasil, nenhuma dessas alternativas explica o nefasto fenômeno.

A fome não é natural, é na verdade, um projeto! Não existe outra explicação para a volta da fome no Brasil, a não ser a opção política a que fomos submetidos e é flagrante, que após 10 anos de interrupção, o projeto Natal Sem Fome retornou suas atividades em 2017, não coincidentemente, ano posterior ao golpe que Dilma Rousseff sofreu. Esse lapso temporal – a imagem de um Brasil sem fome – durou apenas uma década e isso é muito significativo, pois, estamos falando de uma questão histórica.

Desde a pré-história a escassez de alimentos é um problema para a sobrevivência do Homo Sapiens, a inventividade e persistência humana foram responsáveis por alcançar uma variedade nutricional que poucas espécies conhecem, mas além de fatores naturais, um dos elementos presentes ao longo dessa jornada é a concentração de riquezas nas mãos de alguns poucos. As mais diversas sociedades experimentaram revoltas sociais ocasionadas pela escassez de alimentos para os mais pobres, contrastando com a fartura e desperdício dos mais ricos.

Em Roma, diversas vezes a plebe se levantou contra os patrícios como resultado da fome. Nessas ocasiões, políticos eram considerados culpados pela alta dos preços e atacados com bastante violência. Existia a ideia de que o povo tinha o direito de se alimentar e que a garantia do acesso à comida era uma responsabilidade da glamurosa Roma. Isso movia o sentimento generalizado de indignação e provocava revoltas difíceis de se sufocar, porque não tinham lideranças fixas, eram focos rebeldes difusos. As rebeliões nasciam do entendimento coletivo de que a alimentação era um direito e deveria ser garantido pelo poder central.

Na Era Moderna, o boato de que Maria Antonieta proferiu aquelas infelizes palavras “se não tens pão, comam brioches” impulsionou o processo revolucionário que mais à frente foi cooptado pelos interesses burgueses, o que acarretou no fim do absolutismo monárquico francês e consolidou a burguesia como classe social dirigente. Na França pré-revolucionária o povo morria à míngua, enquanto a nobreza se satisfazia em luxos e banquetes. Pouco importa se Maria Antonieta realmente disse ou não a famigerada frase, o que devemos entender é que o Terceiro Estado acreditava que ela, ou qualquer membro do Segundo Estado, poderiam sim dizer algo dessa natureza. O boato lhe custou a cabeça, literalmente, quando em 1793 foi decapitada na guilhotina.

O Historiador E.P. Thompson analisou diversos eventos ocorridos na Inglaterra ao longo do século XVIII e demonstrou que além de revoltas do estômago vazio, existia uma “economia moral da multidão”, ou seja, não eram indignações pontuais em períodos de escassez, mas sim consciência de que a dificuldade de adquirir itens básicos para compor sua alimentação (principalmente o trigo) se dava pela ganância de comerciantes, que elevavam o preço de acordo com a flutuação da relação oferta X demanda, sem levar em consideração a miséria e infortúnios da classe trabalhadora, isso com a proteção e aquiescência do Estado Inglês.

No Brasil, a fome é regra desde o período colonial. Não temos como falar desse tema sem observar que as condições naturais de nosso país poderiam erradicar qualquer lampejo de desnutrição. Temos clima propício, terra fértil, e a não ser no semiárido nordestino, qualquer canto que se jogue uma semente, ali irá nascer uma árvore frutífera, isso aliado a uma população pequena e disponibilidade de terras cultiváveis. Possuímos também técnicas de produção agrícola que nos deu a alcunha de “celeiro do mundo”. Então com tantas condições favoráveis, por que a fome volta a nos assolar?

Talvez a mais retumbante contribuição que os governos sociais-democratas de Luís Inácio Lula da Silva e Dilma Vana Rousseff nos deram foi a erradicação da fome. Lula transformou a questão em uma orientação política constante. O Presidente não admitia que se pudesse imaginar um lar sem as refeições mínimas diárias e, a partir disso, desenvolveu um conjunto de medidas para alcançar o objetivo de tirar o país do Mapa da Fome, como a valorização real do salário mínimo, o programa Fome Zero, o Bolsa Família e a política de geração de emprego e renda. Ao ponto que o projeto Natal Sem Fome se tornou obsoleto.

O Natal Sem Fome foi criado pelo sociólogo Betinho em 1993, com o objetivo de mobilizar a população no combate à fome, seu slogan principal era “Quem tem fome, tem pressa”. Talvez a maior contribuição dessa iniciativa – além de milhões de pessoas tendo acesso mínimo à comida – tenha sido atentar a população de que a escassez de alimentos pode e deve ser combatida como um compromisso de solidariedade que envolve a todos e todas, em um amplo pacto social contra a fome.

A reivindicação foi ouvida, e depois de séculos o Brasil viveu uma década longe dessa triste realidade. Aqui está a chave da questão: erradicar a fome perpassa, necessariamente, por diminuição de privilégios, redução das desigualdades sociais, soberania nacional, investimento em agricultura familiar e consolidação de direitos sociais e difusos, visando proteger os interesses da classe trabalhadora e das minorias, além de uma defesa sistemática do meio ambiente.

Tudo isso atinge diretamente os interesses do agronegócio e do sistema financeiro, além de se opor, frontalmente, às premissas básicas do capitalismo, que conta com a miséria como componente essencial para a manutenção do sistema. Não podemos esquecer também que a fome opera dentro da lógica racista e machista, e de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) 80 milhões de brasileiras (os) passaram algum grau de insegurança alimentar. Dessas(es), 10,3 milhões sofreram privação severa de alimentos, mais da metade dos domicílios eram chefiados por mulheres e a fome atingiu, em sua maioria, mulheres e pretos.

O retorno do Natal Sem Fome é consequência do avanço neoliberal. Não existe qualquer possibilidade de justiça social, sem o recrudescimento dessas opções políticas sustentadas por falácia vendida como ciência. Em plena noite de Natal, momento de grande expectativa de acalento e mensagens de esperança, o presidente da república tripudiou na dor dos mais vulneráveis, oferecendo armas a quem tem dificuldade de comprar um pacote de arroz, que chega a quase 40 reais.

O povo precisa introjetar a ideia de que o acesso à alimentação é dever do Estado. A particularização das mazelas sociais e o individualismo permitem que gente como FHC e Bolsonaro continuem impondo miséria e fome a quem produz e trabalha. A fome é um projeto que conta com rascunho, começo, meio e fim; bem por isso, em cinco séculos de ocupação dessa terra Brasilis, apenas durante uma década o povo soube o que era viver sem a presença constante do demônio da fome.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

William Filho

Maconha no Brasil: o que esperar de 2021?

Djeff Amadeus

Cabe desobediência civil para impedir o Enem no Domingo

Camarada Gringo

Com a invasão do Capitólio, o imperialismo chega em casa

Gabriel RG

Assange está mais longe da extradição, mas o jornalismo segue perto do fim

Dríade Aguiar

Feliz ano novo com velhos problemas (para as mulheres)

Tatiana Barros

Artista faz streaming na Twitch TV para ensinar tudo que aprendeu gratuitamente usando várias tecnologias, principalmente a impressora 3D

Márcio Santilli

A ciência e o capital contra a pandemia

Dríade Aguiar

Uma sentença, uma celebração e uma promessa

Márcio Santilli

A resistência dura e vitoriosa dos Ashaninka do Rio Amônia

Márcio Santilli

O resgate da esperança

Cleidiana Ramos

Precisamos desarmar nossas bombas de ódio

Bernardo Gonzales

Fotos 3x4, transexualidade e as violências cisheteronormativas

Jorgetânia Ferreira

Manifesto das mães contra a volta às aulas presenciais em Uberlândia

Bancada Feminista do PSOL

Por que o MBL tem medo dos mandatos coletivos?