Por Mariana Rosa

Por que é preciso reivindicar educação inclusiva em pleno século XXI? A resposta é simples: porque, por muito tempo, a escola foi para poucos.

Primeiro, os indígenas foram submetidos ao processo de evangelização e instrução, para que abandonassem sua forma “primitiva” de viver e se integrassem à “civilização”. Daí em diante, as primeiras escolas de que temos notícias no Brasil, desde a época da colônia, eram destinadas às famílias abastadas, de pessoas brancas. Apenas os meninos tinham direito a frequentá-las. As meninas vieram a ter acesso tempos depois, mas separadas dos meninos. A população pobre e majoritariamente negra, em razão de nossa herança escravocrata, só veio a ter esse direito centenas de anos depois.

E as pessoas com deficiência? Bem, esses foram os últimos a terem acesso à escola comum, há pouco mais de trinta anos. Se colocarmos reparo, nossa sociedade se constituiu com muito mais experiência em segregação e exclusão do que em equidade e inclusão. Isso explica por que pensar a educação inclusiva significa passar a escola a limpo, pensar o currículo, as práticas pedagógicas, a avaliação, os tempos, os recursos, de modo que ela possa vir a corresponder aos anseios e aos marcos civilizatórios da sociedade do século XXI. Segregar o aluno com deficiência é puni-lo pela incompetência do Estado. É preciso mudar a escola, e não mudar de escola.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

NINJA Esporte Clube

Brazilian Storm: Brasileiros chegam às finais da WSL, têm título inédito consagrado e estão entre os melhores do mundo

Movimento dos Pequenos Agricultores

O povo quer feijão e não fuzil: o Rio de Janeiro também produz feijão agroecológico

NINJA Esporte Clube

Corinthians supera Palmeiras e sai com vantagem pelo título do Brasileirão Feminino

Fred Maia

Correio deselegante de um flerte golpista

Renata Frade

Brasileiras combatem preconceito e racismo no sistema de saúde dos Estados Unidos 

Márcio Santilli

A peça que falta

Renata Lima

Aumento da pornografia infantil nas redes sociais e jogos online durante a pandemia

Juca Ferreira

O golpe virou tiro no pé

Márcio Santilli

Terras Indígenas: dá para resolver

Ana Claudino

Visibilidade lésbica é um direito humano!

Jorgetânia Ferreira

Assistam Valentina: a força do interior de Minas trans

William Filho

Por que tantas pessoas estão cultivando maconha?

Juca Ferreira

O tigrão golpista virou um gatinho democrático?

Luana Alves

Vacinação, segunda dose e defesa da vida nas periferias!