“Querer ser livre é também querer livres os outros.” Simone de Beauvoir

.

Medo. Essa tem sido uma das palavras mais repetidas pelos meus amigos em suas timelines. Rolo a tela do celular e vejo postagens carregadas de um forte sentimento de desesperança. Textos feitos com o coração nos dedos na tentativa de causar o despertar naqueles que, sem pudor, apresentam sua predileção pelo horror. Sem falar nos diversos links de matérias sobre como o mundo avalia este momento, ignorados por vídeos torpes e montagens mal feitas no whatsapp.

Tento buscar em mim alguma força para enfrentar estes dias, mas principalmente ajudar meus amigos a não perder o brilho no olhar. Sinto-me resistente, porém ao mesmo tempo triste em presenciar tal realidade. Jamais imaginei experimentar um cenário distópico como nos filmes e, apesar de conhecer o roteiro básico destas narrativas não sei dizer como ou o que fazer nestes casos. Talvez a vida tenha extrapolado os limites.

Acompanho outras pessoas eleitoras do Bolsonaro. Sim, direi o nome dele porque a ameaça já não é mais uma sombra. É real e datada. Bolsonaro. A boca amarga quando a palavra sai, os dedos embolam, mas é preciso dizer. É preciso entender como essa criatura chegou ao lugar de destaque de modo tão avassalador.

Seu eleitorado não é homogêneo em sua composição. Nem todos são fascistas, mas todos estão tomados pelo medo. Quer dizer, todos estamos. Do lado de lá há os que temem a falta de segurança nas ruas, os que temem o diferente, as mudanças. Tem aqueles que estão cansados de tanta corrupção, especialmente as relacionadas e midiatizadas em torno do PT.

É comum em momentos de crise surgirem a figura do vilão e do mocinho. Hoje o antipetismo alimentou-se do medo e criou um novo Messias. Essa figura messiânica é bem diferente da outra. Nada de amor ao próximo, ao dar aos pobres e acolher aos aflitos. Para ele a máxima é que se dane o próximo, que se virem as minorias e viva aqueles que eles julgarem ser “de bem”.

A quantidade de pessoas com deficiência a favor do Bolsonaro é assustadora, mas resume muito bem a condição do nosso movimento no país. Somos fragmentados e presos em nossas realidades. Não nos vemos no outro. Não há representações consistentes. A maioria das pessoas com deficiência ainda não se veem como cidadãos, entendem seus direitos como favores e sua condição como penitência. Seu corpo é para ser escondido e assim vivem uma vida de lamentações e ausência total de amor próprio.

Claro que temos diversas outras realidades que atravessam esse cenário, a falta de educação de qualidade desde o ensino infantil, a falta de socialização, o super protecionismo familiar e a ausência de infraestrutura arquitetônica e sociais contribuem para essa apatia de muitos.

Porém, como disse, eleitores do Bolsonaro não são homogêneos. E considero de suma importância fazer esta distinção, pois se defendemos a diversidade devemos aprender a enxergá-a no próximo também. Principalmente se este possuir ideias diferentes. Se queremos e precisamos lutar pela nossa democracia, precisamos estar dispostos a enfrentar o embate de ideias.

Contudo, há uma diferença entre ser ingênuo e agir com sabedoria. Ser ingênuo é considerar que devemos tentar conversar com quem não está interessado em ouvir. É perder tempo com aquele colega fascista que tem prazer em falar mal de minorias.

Agir sabiamente é observar com quem estamos relacionando, tentar identificar o que motiva as ideias daquela pessoa tão diferente de você. É saber a hora de não dizer nada. Às vezes, por mais que doa admitir, existem aqueles que apoiam esse candidato por gostar das ideias dele.

Dói demais quando descobrimos alguém bacana apoiando e fazendo campanha para Bolsonaro. A gente perde a admiração, há um lamento miúdo e uma decepção única. É como se vivêssemos o bolsoluto.

Primeiro nos tiraram a alegria e nos deram medo. Acredito que nesse momento perdemos bem mais que as eleições porque perdemos a empatia. Tiraram a capacidade de se importar com o outro e deram o egoísmo. Aquele estado de “tudo bem ele ser (insira aqui algum preconceito), pelo menos vai (insira aqui alguma fake news).

Entretanto, não é mais tempo de luto. É tempo de resistir. Seja qual for o resultado do segundo turno precisaremos agir em conjunto, alinhados com um mesmo pensamento de mudança e preservação dos nossos direitos.

Encontre seus amigos, renove suas energias, cuide de sua saúde mental, de sua integridade física e se prepare. Podem nos chamar de minorias, mas juntos somos muito mais fortes.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Bruno Ramos

Um ano do massacre de Paraisópolis

NINJA

Para Ver a Luz do Sol. 40 anos de reexistência cosmopolítica no Bixiga

Jorgetânia Ferreira

São Paulo merece Erundina

Bancada Feminista do PSOL

Do #EleNão ao Boulos e Erundina sim!

Fabio Py

Dez motivos para não votar no Crivella: às urnas de luvas!

História Oral

O Mitomaníaco e os efeitos eleitorais da Pós-Falsidade

Márcio Santilli

Bolsonaro-Frankenstein: cara de pau, coração de pedra e cabeça-de-bagre

Cleidiana Ramos

O furacão de tristezas que chegou neste 20 de novembro insiste em ficar

Tatiana Barros

Como nasce um hub de inovação que empodera pessoas negras

História Oral

Quando tudo for privatizado, o povo será privado de tudo e o Amapá é prova disso

Colunista NINJA

LGBTI+ de direita: precisamos de representatividade acrítica?

Juan Manuel P. Domínguez

São Paulo poderia ser uma Stalingrado eleitoral

Colunista NINJA

A histórica eleição de uma bancada negra em Porto Alegre

Bancada Feminista do PSOL

Três motivos para votar na Bancada Feminista do PSOL

Carina Vitral da Bancada Feminista

Trump derrotado nos Estados Unidos, agora é derrotar o bolsonarismo na eleição de domingo no Brasil