Bruna Brelaz – Presidenta da UNE.

Por Bruna Brelaz, estudante e ativista do movimento estudantil brasileiro, atual presidenta da União Nacional dos Estudantes.

O governo Bolsonaro retrocede a educação e barra o desenvolvimento do país

Não é simplesmente negligência. Por mais que pareça. O negacionismo na condução da pandemia é um disfarce – evidentemente muito mal feito – à necropolítica que permeia todas as escolhas e prioridades de Bolsonaro.

É preciso ficar atento – e forte: o Governo cria narrativas fantasiosas para tentar empurrar seu verdadeiro projeto.

E o mesmo acontece na forma como conduz a educação. Parece que estamos cercados, pura e simplesmente de uma gestão incompetente, sem conhecimento dos valores, necessidades e importância de políticas a área.. Claro, trata-se de incompetência, sim. Mas não apenas.

Há um projeto em curso – e avançando rapidamente – de desmonte da educação pública e democrática e ele está sendo anunciado pelo ministro da Educação, Milton Ribeiro, em diversas declarações e ações. E, não nos enganemos: as recentes atrocidades ditas pelo ministro, reforçam o que já estava sendo realizado no MEC ( Ministério da Educação).

Existe algo de muito podre acontecendo no MEC. A pasta que deveria conduzir a educação no país, colocar condições para o seu desenvolvimento, está sem direção, sendo apenas uma extensão
do pensamento conservador e de sucateamento público.

A “Universidade deve ser para poucos”, fala indefensável do ministro em entrevista e acrescentando, dias depois, de que não é indicado fazer universidade porque não tem emprego, são acompanhadas – claramente sem qualquer coincidência – de cortes nas bolsas do ProUni e nas vagas para o Fies.

A UNE protocolou um pedido de audiência com o Ministro Milton Ribeiro para levar as urgentes reivindicações dos estudantes brasileiros e cobrar ações para que não ocorra um “apagão no ensino superior” a partir desse ano.

Mesmo diante de tantas urgências, coloca a pauta de regulamentação do Homeschooling como prioridade . E, por outro lado, temos um ENEM com menos inscritos da história, desde que tornou-se o meio de acesso às universidades, que por conta de regras injustas e que não ponderam a grave crise que atravessamos,deixaram de fora milhões de estudantes de baixa renda que não obtiveram isenção, por terem ficados isentos – em meio a um momento de “segunda onda” arrasadora no país.

A UNE, a UBES, a Educafro e partidos políticos estão lutando para reverter a situação no STF e reabrir as inscrições. Nosso lema é “nenhum estudante fica para trás”

Na educação, tenta criar essa narrativa mentirosa de que não vale a pena ser universitário – sendo que o Brasil tem menos de 20% de jovens no ensino superior – atrás de países vizinhos como Chile, Colômbia e Argentina, tomando como justificativa por outra incompetência do governo: o crescente desemprego.

O governo Bolsonaro representa a decadência, a desigualdade, o desemprego e a fome. Sem apresentar, propor e debater saídas.

Pelo contrário, cria o caos, “cortinas de fumaça”, ameaça a democracia, tenta passar “boiadas” em todas as áreas e cria um cenário de incertezas para o futuro.

Não deixaremos que os sonhos de milhares de estudantes sejam destruídos, nem assistiremos o país retroceder, por isso a UNE chama o Brasil para atentar seus olhos ao desmonte da educacão, sabemos que existem saídas, e nenhuma delas ocorrerá por meio de um governo que odeia o conhecimento, o pensamento crítico, a cultura e estudantes. Vamos jogar esse projeto e esse governo na lata de lixo da história.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Renata Frade

Lusofonia, diversidade e inclusão de gênero marcam nova comunidade feminina tecnológica  

Talles Lopes

Cultura: o que fazer diante do tsunami Omicron… 

Aquiles Marchel Argolo

Confinada: um diário obrigatório

Amanda Gondim

Desastres ambientais e a violação dos direitos humanos

Ivana Bentes

Estranhas no Paraíso

Colunista NINJA

2022: Estado de Emergência Cultural

Colunista NINJA

A imagem que revela outro Brasil possível

Campanha em Defesa do Cerrado

Dor, indignação e admiração: forças-correntezas presentes na Audiência das Águas

NINJA

O extremo como banalização da vida

Márcio Santilli

Lula e os males do Brasil

Amanda Pellini

O tecnicismo da medicina atual e os cuidados paliativos

Bruno Trezena

Não olhe para cima! (versão Brasil)

Márcio Santilli

Chegou a hora da verdade climática

Kelly Batista

Da literatura a filosofia: 19 curiosidades e referências sobre Matrix

Jorgetânia Ferreira

Por um Feliz Ano Novo