Protesto contra o governo indiano

Por Julia Vieira e Sameeksha Khare

Pelo último mês, a Índia vem sendo envolvida em protestos em todo o país, que foram recebidos com uma brutalidade horrível do Estado. Recentemente, o parlamento indiano adotou o Citizenship Amendment Act (CAA) ou Lei de Emenda à Cidadania, e o governo atual prometeu implementar um Registro Nacional de Cidadãos (National Register of Citizens – NRC) e um Registro Nacional de População (National Population Register – NPR) em todo o país. A CAA, juntamente com o NRC e o NPR, tem o potencial de criar uma cidadania em camadas baseada na religião, com a exclusão específica de muçulmanos.

Dada a história do atual governo, as evidências da implantação do NRC no estado de Assam e a brutal repressão a manifestantes, principalmente muçulmanos, deixa muito clara a intenção do governo: perseguição de muçulmanos em uma escala sem precedentes. Portanto, protestos de âmbito nacional contra o NRC, NPR e CAA eclodiram para proteger o secularismo e a democracia na Índia. 

A Índia está vendo restrições crescentes em reuniões públicas, desligamentos generalizados da Internet, detenções ilegais, apreensão aleatória de propriedades pertencentes às minorias, uso de granadas de efeito moral contra manifestantes desarmados e aumento da brutalidade policial nas últimas semanas, que levou à tortura de crianças e à morte de mais de 20 civis – com a vítima mais jovem a partir dos 8 anos de idade. Tais táticas autoritárias para suprimir a dissidência democrática não são adequadas à maior democracia do mundo. 

Nós brasileiros precisamos observar que o presidente Bolsonaro vai à Índia nesse janeiro de 2020 como principal convidado do Republic Day / Dia da República (26 de janeiro). A proximidade dos dois, o que alguns podem chamar de governos de extrema direita, foi aparente, mas essa visita será a aceitação aberta do Brasil das atrocidades que estão em andamento na Índia. Enquanto isso, as Nações Unidas e vários grupos de direitos humanos condenaram a lei, enquanto alguns legisladores americanos pediram sanções. 

Esse artigo do NYT é ótimo para entender melhor a situação: https://www.nytimes.com/2019/12/20/world/asia/india-muslims-citizenship.html

Julia Vieira e Sameeksha Khare são estudantes do Mestrado de Políticas Públicas na Universidade Columbia, em Nova York.

 

Protesto contra o governo indiano

Protesto contra o governo indiano

 

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

André Barros

Vetos genocidas do Bolsonaro

Boaventura de Sousa Santos

A universidade pós-pandêmica

Juan Manuel P. Domínguez

“O lugar do artista é na luta”. Diálogos de quarentena com Rael

Renata Souza

Stonewall Inn.: orgulhar-se é transgredir

Cleidiana Ramos

O dia em que meu nariz me definiu como negra - notas sobre o racismo à brasileira

Jandira Feghali

Diga-me o que vetas...

afrolatinas

Contato com meu “Eu”

SOM.VC

RAP BR: Murica canta com sede de dignidade em novo álbum produzido por MK

Márcio Santilli

Sociedade civil se levanta contra Bolsonaro mesmo sob isolamento e penúria

André Barros

Operações racistas nas favelas

Colunista NINJA

O vírus e as trabalhadoras sexuais na Guaicurus, em Belo Horizonte

Juan Manuel P. Domínguez

"O DJ é um dos elementos pilares da cultura Hip Hop". Diálogos de quarentena com DJ Erick Jay

Randolfe Rodrigues

O Brasil que queremos no pós-pandemia

Jussara Basso

A cultura na periferia em tempos sombrios

Juan Manuel P. Domínguez

O demônio branco esteve infiltrado nos protestos pela morte de George Floyd