Por Carla Luã Eloi

Crítica com spoiler

Forte, emocionante, potente, educativo, poético, inspirador. Essas seriam algumas palavras para começar a descrever os sentimentos que atravessam o coração de quem assiste o documentário Femininação, de Victoria Helena.

Trazendo o depoimento marcante de Solange Revoredo, sobre as inúmeras formas de violência doméstica que sofreu, o filme apresenta falas tocantes, que passam por um lugar de sincera tristeza e dor, mas a linha narrativa consegue trilhar uma história de vida inspiradora, ou como diria Hannah Gadsby “não há nada mais forte do que uma mulher destruída que se reconstruiu”.

Combinando depoimentos reais de Solange com a poesia de Patrícia Pacheco, sob o olhar sensível de Victoria Helena, o documentário constrói um caminho sobre feminismo e sororidade, sobre a importância das redes de apoio à mulheres para além da denúncia, especialmente porque, como a própria Solange revela em um trecho, às vezes, quem vive a violência não reconhece sua própria dor.

Após anos de abuso, Solange conseguiu se reerguer e fundou o Grupo de Apoio à Mulher (GRAM), uma rede formada por várias parcerias de profissionais liberais e instituições, que oferecem suporte jurídico, apoio psicológico e social para mulheres em situação de violência doméstica.

Solange e as outras mulheres do GRAM se chamam de vagalumes, pois uma ilumina a outra. E nesse processo de união gerando força feminina, o documentário também perpassa a importância de educar meninos dentro do feminismo.

Abordando uma pauta extremamente atual e relevante, Femininação toca a pessoa espectadora em níveis diferentes, desperta lágrimas, sorrisos, empatia, mas acima de tudo, esperança.

Carla Luã Eloi escreveu esta crítica em colaboração ao FOdA Fora do Armário, editoria LGBT+ da Mídia NINJA, a partir da exibição do filme no Festival AudioTransVisual.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Movimento dos Pequenos Agricultores

Agricultura no estado do Rio de Janeiro pede socorro

Renata Frade

Lusofonia, diversidade e inclusão de gênero marcam nova comunidade feminina tecnológica  

Talles Lopes

Cultura: o que fazer diante do tsunami Omicron… 

Aquiles Marchel Argolo

Confinada: um diário obrigatório

Amanda Gondim

Desastres ambientais e a violação dos direitos humanos

Colunista NINJA

BBB e racismo

Colunista NINJA

2022: Estado de Emergência Cultural

Colunista NINJA

A imagem que revela outro Brasil possível

Campanha em Defesa do Cerrado

Dor, indignação e admiração: forças-correntezas presentes na Audiência das Águas

NINJA

O extremo como banalização da vida

Márcio Santilli

Bolsonaro quer pretexto para escapar da derrota

Juan Manuel P. Domínguez

U'wa, guardiões da nossa mãe terra

Amanda Pellini

O tecnicismo da medicina atual e os cuidados paliativos

Bruno Trezena

Não olhe para cima! (versão Brasil)

Márcio Santilli

Chegou a hora da verdade climática