Imagem: Divulgação

Vocês já devem ter visto vídeos como esses circulando nos for yours ou repostado no Instagram.

Quando foi pro Twitter, acabei percebendo que, ao invés de uma avaliação crítica, o que veio foi uma enxurrada de julgamento, um monte de gente dizer que esse tipo de comportamento não é “normal”, que essa pessoa tem um “problema” e que “precisa de tratamento”. 

Para essas pessoas, sinto informar – a maior parte das mulheres passa por essas experiências na nossa sociedade. Surpresa ou não, o mundo não é a nossa bolha identificadora de relacionamentos tóxicos que acreditamos ser.

E, em sentido de “normose”, sim, isso é o normal.

Quando assisto a esses vídeos, o que eu vejo são mulheres (em sua maioria brancas) adoecidas por séculos de heteronormatividade e monogamia compulsória + distúrbio de autoimagem que gera inseguranças + sociedade do espetáculo, entre tantos outros elementos que nos levaram à paranoia coletiva e permitida.

Ao invés disso, respostas que vi rodar na internet estão a um passo de corroborar com a cultura do “minha ex é louca”. Então todas as mulheres compartilhando esse conteúdo na internet são loucas? Suas mães, suas tias, irmãs, primas, melhores amigas – todas são doidas patéticas?  E NADA DISSO É CULPA DA ENTIDADE HOMEM BRANCO?

Eu também acho que esse tipo de conteúdo não serve a ninguém, mas negar que são um resultado da sociedade patriarcal pra mim beira o negacionismo.

Essas mulheres desenvolveram ferramentas para alcançar o que a nossa sociedade entende como sucesso: um relacionamento hétero monogâmico.

Tá certo? não.

É raro? não.

É resultado do feat patriarcado + capitalismo + racismo? Com certeza.

Chimamanda Ngozi Adichie já perguntou: “Por que ensinamos as meninas a aspirar ao casamento, mas não fazemos o mesmo com os meninos?”. Este é um dos resultados.

Quer dizer que casar é bom? Não. 

Quer dizer que temos que acabar com a união estável monogâmica? Não também.

Mas não dá pra ver cenas como essas e não pensar que se o feminismo é sobre nos emancipar, é pra emancipar a todas nós. Nós e elas. 

Não queremos ser mais estas mulheres, mas não também queremos criar um mundo onde elas sejam julgadas como “loucas anormais”.

Normalizem nossos problemas – é o primeiro passo para uma solução coletiva.

E esta é uma boa resolução do ano novo.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

William Filho

Maconha no Brasil: o que esperar de 2021?

Djeff Amadeus

Cabe desobediência civil para impedir o Enem no Domingo

Camarada Gringo

Com a invasão do Capitólio, o imperialismo chega em casa

Gabriel RG

Assange está mais longe da extradição, mas o jornalismo segue perto do fim

Dríade Aguiar

Feliz ano novo com velhos problemas (para as mulheres)

Márcio Santilli

A resistência dura e vitoriosa dos Ashaninka do Rio Amônia

Márcio Santilli

O resgate da esperança

NINJA

La Veneno - a representação e as memórias visuais de Cristina Ortiz em série da HBO

História Oral

A Fome é um projeto, a campanha Natal Sem Fome confirma isso

História Oral

A vacinação precisa ser politizada SIM!

Jorgetânia Ferreira

Manifesto das mães contra a volta às aulas presenciais em Uberlândia

Bancada Feminista do PSOL

Por que o MBL tem medo dos mandatos coletivos?

Ivana Bentes

Vovô viu a Vulva! Por que uma vagina ainda é capaz de causar tanto escândalo?

Bernardo Gonzales

Um minuto de silêncio para tanto silenciamento: trajetórias esportivas transmasculinas