Arte por Vincent Bal

Dois fatos havidos no Congresso Nacional nessas últimas duas semanas antes do recesso parlamentar chamaram a atenção, pela contradição que encerram consigo.

A Câmara dos Deputados aprovou  o chamado regime especial para as empresas do setor petrolífero (RePetro), que terá vigência já a partir de janeiro de 2018, prevendo a suspensão do Imposto de Importação (II), do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), do PIS/Pasep-Importação e da Cofins-Importação. Segundo o texto aprovado na Câmara e que seguiu para o Senado, todo o dinheiro investido em produção de óleo poderá ser deduzido da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) e do Imposto de Renda de pessoa jurídica (IRPJ); além disso, a importação de equipamentos para o setor passa a ser livre de impostos. Só ano que vem a renúncia fiscal chegará a R$ 18 bilhões, que deixarão de ingressar nos já combalidos cofres públicos. Aqui no Acre, três dos oito Deputados Federais votaram a favor da MP 795, a chamada “MP do Trilhão”: Flaviano Melo (PMDB), Jessica Sales (PMDB) e Alan Rick (DEM).

Já o Senado Federal aprovou a PEC que cria o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Segurança Pública – FNDSP, proposta do conjunto de Governadores reunidos no dia 28 de outubro, aqui no Estado do  Acre, sob a liderança do Governador Tião Viana, materializada na Carta de Rio Branco.

A PEC prevê que o IPI e o ICMS devido pelas empresas do setor bélico/armamentista será destinado ao Fundo. Um passo decisivo para que as políticas públicas da área de segurança pública tenham mecanismos semelhantes de co-financiamento às áreas de educação e saúde, com o FUNDEB e o SUS, respectivamente.

Porém, tal proposta poderia ser ainda melhor, não fosse pelo destaque apresentado pela bancada do PMDB: é que a redação original da PEC previa que, além dos tributos das indústrias bélicas, 3% do Lucro Líquido (LL) dos bancos e financeiras, bem como uma parcela do ISS devido pelas empresas de segurança privada também fossem destinados ao fundo.

E é aqui, na intersecção entre os dois temas,aonde residem as contradições: o Governo Temer e todos as forças que o sustentam, dentre elas as corporações da grande mídia familiar, tradicional, conservadora e sonegadora de impostos do país, tem propagado que, para conter a crise econômica e o déficit fiscal, são necessários sacrifícios de todos; que o Estado precisa reduzir o seu tamanho, para economizar em seu custeio; que é preciso cortar privilégios dos servidores públicos, como os super-salários e outros benefícios; que é necessário fazer a reforma da previdência e a reforma trabalhista, tornando mais rígidos ou mesmo suprimindo o acesso ao exercício de direitos de há muito consagrados e pacificados; que foi necessário aprovar a EC n. 95, que limita o crescimento do orçamento (limitando assim novos investimentos públicos, sobretudo em programas sociais de geração de emprego, distribuição de renda e redução das desigualdades) pelos próximos vinte anos e assim por diante.

O Estado é, de fato, agigantado, precisa  reduzir seu tamanho. A crise econômica existe, é verdadeira, e tem impactado negativamente o orçamento público; o déficit fiscal, daí advindo, também é verdadeiro, existe e medidas devem ser tomadas para ele ser contido.

Contudo, por que querer que apenas as camadas menos favorecidas da população, os pequenos e médios empresários e industriais, os pequenos e médios produtores da agricultura familiar e os trabalhadores em geral paguem essa fatura? Por que deixar de fora da reforma da previdência juízes e promotores, justamente as categorias que mais gozam de privilégios no serviço público? Por que, na contramão do sacrifício imposto aos mais pobres, com preços públicos, taxas e tarifas de gás de cozinha, combustível e energia elétrica nas alturas, se concede benefícios para os mais ricos e poderosos, como esse pacote de isenções fiscais para empresas e bancos multinacionais, que estão entre as maiores e mais lucrativas corporações do mundo?

Se a crise impacta e aflige a todos, por que apenas os que mais precisam da força do Estado estão sendo chamados a pagar essa conta, enquanto aqueles que menos precisam do Estado estão sendo convidados a se isentar de sua parcela de responsabilidade?

A resposta é simples: porque foram esses, cujos privilégios estão sendo mantidos às custas dos desvalidos e despossuídos que financiaram o impeachment. Uma hora, a fatura ia ser cobrada, ainda que as consequências sejam a destruição da economia nacional, com todos os recursos orçamentários destinados para comprar deputados, se manter no poder e continuar beneficiando os ricos e poderosos.

Espero, sinceramente, que os batedores de panela, integrantes do MoroBloco, seguidores de pato inflável e outros inocentes úteis estejam vendo e percebendo isso. Não cobro que eles vão às ruas novamente: foram enganados, traídos, por aqueles que tanto ajudaram.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Bruno Ramos

Um ano do massacre de Paraisópolis

NINJA

Para Ver a Luz do Sol. 40 anos de reexistência cosmopolítica no Bixiga

Jorgetânia Ferreira

São Paulo merece Erundina

Bancada Feminista do PSOL

Do #EleNão ao Boulos e Erundina sim!

Fabio Py

Dez motivos para não votar no Crivella: às urnas de luvas!

Filipe Saboia

Recapitulando

Márcio Santilli

O que esperar de um próximo mandato presidencial

História Oral

O Mitomaníaco e os efeitos eleitorais da Pós-Falsidade

Márcio Santilli

Bolsonaro-Frankenstein: cara de pau, coração de pedra e cabeça-de-bagre

Cleidiana Ramos

O furacão de tristezas que chegou neste 20 de novembro insiste em ficar

Colunista NINJA

LGBTI+ de direita: precisamos de representatividade acrítica?

Juan Manuel P. Domínguez

São Paulo poderia ser uma Stalingrado eleitoral

Colunista NINJA

A histórica eleição de uma bancada negra em Porto Alegre

Bancada Feminista do PSOL

Três motivos para votar na Bancada Feminista do PSOL

Carina Vitral da Bancada Feminista

Trump derrotado nos Estados Unidos, agora é derrotar o bolsonarismo na eleição de domingo no Brasil