Sinto tantas dores
Dores do corpo, dores da alma
Que nem correndo a mente se acalma
Nem fingindo a gente enxerga as flores

Entre as epistemologias do Norte e do Sul
Na sociologia das emergências
E na ecologia dos saberes
A linha abissal que nos separa, aos seres
É sempre maior, não nos dignifica

Do corpo que sofre
Ao que se jubila
Há o moribundo, que se martiriza
E há quem “corazone”, sua suficiência íntima

São tantos tons incolores
Tantos insípidos sabores
Que contra a opressão que grita
E o sofrimento que não se aplaca
Só nos resta a luta

Nov/Dez de 2020

*Uma homenagem a Boaventura de Sousa Santos

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

William Filho

Maconha no Brasil: o que esperar de 2021?

Djeff Amadeus

Cabe desobediência civil para impedir o Enem no Domingo

Camarada Gringo

Com a invasão do Capitólio, o imperialismo chega em casa

Gabriel RG

Assange está mais longe da extradição, mas o jornalismo segue perto do fim

Dríade Aguiar

Feliz ano novo com velhos problemas (para as mulheres)

Márcio Santilli

A resistência dura e vitoriosa dos Ashaninka do Rio Amônia

Márcio Santilli

O resgate da esperança

NINJA

La Veneno - a representação e as memórias visuais de Cristina Ortiz em série da HBO

História Oral

A Fome é um projeto, a campanha Natal Sem Fome confirma isso

História Oral

A vacinação precisa ser politizada SIM!

Jorgetânia Ferreira

Manifesto das mães contra a volta às aulas presenciais em Uberlândia

Bancada Feminista do PSOL

Por que o MBL tem medo dos mandatos coletivos?

Ivana Bentes

Vovô viu a Vulva! Por que uma vagina ainda é capaz de causar tanto escândalo?

Bernardo Gonzales

Um minuto de silêncio para tanto silenciamento: trajetórias esportivas transmasculinas