Imagem aérea do Parque Serra do Divisor. Foto: Divulgação

Sob o falso pretexto de regularizar a situação de posseiros que já habitavam as terras da Reserva Extrativista (Resex) Chico Mendes antes de sua demarcação, a deputada federal Mara Rocha (PSDB-AC) apresenta projeto de lei com o objetivo de promover uma revisão dos limites desta Unidade de Conservação.

Segundo reportagem, assinada pelo jornalista Edmilson Ferreira, “o objetivo [do Projeto de Lei n° 6.024/2019] é preservar o modo de vida de produtores rurais que, mesmo antes da criação da reserva, em março de 1990 (Decreto n° 99.144/1990), já cultivavam pequenas plantações e rebanhos na região.”

Ainda segundo a reportagem, a deputada destaca que “a criação da reserva, sem preservar as pequenas propriedades que existiam na área, transformou a região em um ponto de conflito entre fiscais ambientais e famílias de agricultores que insistem em retirar o sustento das suas pequenas propriedades. ‘A realidade é que essas famílias não conseguem encontrar sustento nos produtos extrativistas da região e encontram barreiras para permanecer nas atividades em que sempre laboraram. Estamos propondo a flexibilização dos limites da reserva Chico Mendes, a fim de devolver a esses produtores a possibilidade de continuar encontrando sustento no plantio de roças e na criação de suas poucas cabeças de gado’.”

É falsa a premissa de que posseiros que habitam o interior da Resex ou seu entorno não possam desenvolver atividades econômicas ligadas ao plantio de roçados ou a pecuária. Aliás, é exatamente isso o que ocorre: o cultivo de culturas temporárias diversas e os rebanhos de animais convivem em harmonia com as atividades típicas do extrativismo, que exigem a manutenção da floresta em pé. Isso ocorre graças às técnicas de manejo e dos chamados Sistemas Agroflorestais (SAFs) também chamados de agroflorestas.

Sendo assim, se desvelam as reais intenções da deputada: se aprovada, a medida vai permitir que grandes latifundiários, que há anos reclamam a propriedade de terras limítrofes, com áreas mistas que tanto margeiam, quanto ingressam no interior da Resex – e que nunca habitaram lá, diga-se – possam reivindicar judicialmente suas terras e retomá-las das mãos dos verdadeiros posseiros. A deputada se utiliza de uma retórica bonita, de ajuda aos mais pobres e necessitados, mas que só vai favorecer aos grandes proprietários de terra, permitindo a reconcentração de pequenas glebas em grandes latifúndios. O que ela propõe, em síntese, permitirá a legalização da grilagem.

Nesse mesmo PL, a deputada propõe a “transformação” do Parque Nacional (Parna) da Serra do Divisor em uma Área de Proteção Ambiental (APA), onde se permite a existência de propriedades privadas e o respectivo desenvolvimento de atividades econômicas.

Segundo opinião da deputada, tornada pública em reportagem da Folha de São Paulo (25/01), se o Parna da Serra do Divisor for “convertido” em APA, será possível obter o licenciamento ambiental para a construção da rodovia entre Cruzeiro do Sul, no Brasil; e Pucallpa, no Peru, alavancando o desenvolvimento da região.

Mais uma vez a parlamentar se utiliza de uma retórica burlesca. É perfeitamente possível construir uma rodovia que passe pelo interior de um Parque Nacional sem que, para isso, seja necessário alterar a sua categorização no Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza (Snuc).

A alteração proposta por Mara Rocha não visa, portanto, facilitar a construção da estrada mas sim permitir a privatização das terras públicas que integram o parque. Mais uma vez, a parlamentar age em defesa do interesse do latifúndio e dos que desejam fazer fortuna com especulação imobiliária e não com o justo e necessário trabalho agrícola e florestal. Quem não conhece a deputada – e nem aqueles cujos interesses ela defende – que a compre.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Roger Cipó

Carta a Raull Santiago

Renata Souza

A festa é nossa, o corpo é meu!

Boaventura de Sousa Santos

O desenvelhecimento do mundo

Preta Rara

Ministro Paulo Guedes, fui empregada doméstica e preciso te dizer uma coisa

Roger Cipó

A racialização do homem branco que se faz de régua e regra

Daniel Zen

Jaguncismo de novo tipo como método de intimidação política

Jonas Maria

Trans nos esportes: o projeto, a incoerência e a transfobia

André Barros

Politizar é carnavalizar

Ana Claudino

Feminismo, Big Brother, bolhas e classes sociais

Ana Júlia

Continuaremos a apoiar meninas e mulheres na ciência?

Victoria Henrique

Trabalhadores do RJ que vendem água mineral na rua para você, sequer têm água mineral em casa para beber

Jorgetânia Ferreira

Somos todas domésticas?

Tatiana Barros

Madá, o ciberespaço e a história da internet

Daniel Zen

Um Posto Ypiranga sem combustível

Randolfe Rodrigues

A demagogia governamental contra o Bolsa Família