A prefeita Socorro Neri (PSB) cometeu um grave erro. Escondeu da população o sério problema que vinha – e ainda vem – acontecendo com as empresas concessionárias do serviço público de transporte coletivo aqui de Rio Branco. Ao contrário, durante a campanha eleitoral, deixou transparecer que tudo corria bem: colocou para circular dois veículos bi-articulados e ensaiou o funcionamento do sistema inter-modal, como símbolo da pujança, da sanidade das contas e da esperança de tempos melhores para o setor.

O fato é que, além da pandemia – que diminuiu a quantidade de passageiros e, via de consequência, o faturamento das empresas de ônibus – a prefeita viu surgir diversos outros modais de transporte que disputam passageiros com o velho busão. Dos aplicativos (cuja lei, já aprovada, não foi por ela implementada) ao táxi compartilhado, a prefeita fez vistas grossas: talvez, temendo algum “desgaste eleitoral” não os regulamentou, deixando a situação correr frouxa. O resultado? O caos.

Passadas as eleições, a prefeita “atentou” para a necessidade de sanar o problema e, apenas 15 dias após o pleito, foi ao socorro (com perdão do trocadilho) da situação. Tentou resolver o assunto encaminhando, à Câmara de Vereadores, um Projeto de Lei (PL) de auxílio financeiro de R$ 2,4 milhões às empresas de ônibus. O argumento (descabido), em tom de ameaça, é o de que, sem o auxílio, as empresas de transporte coletivo sequer conseguiriam arcar com suas folhas de pagamento, deixando os seus funcionários ao Deus dará. Empresários mobilizaram seus colaboradores e o transporte público sofreu interrupções ao longo dessa semana.

Ocorre que a relatora do PL, Líder da Prefeita na Câmara Municipal, vereadora Elzinha Mendonça (PSB) apresentou relatório desfavorável e o PL foi rejeitado por 5 x 0 votos na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), sendo arquivado sem sequer ir à votação em plenário. Não satisfeita, a prefeita resolveu insistir na causa, modificando e reapresentando o mesmo PL. Para isso (reapresentar um projeto de lei rejeitado na mesma sessão legislativa), precisava da assinatura de, no mínimo, 9 vereadores. Não conseguiu. O ano legislativo encerrou e o projeto não foi apreciado.

Isso me fez lembrar do debate na OAB, durante a campanha para as Eleições de 2020, quando a prefeita acusou, de forma leviana e sem provas, membros de meu partido de pedir a ela que pagasse “contas pessoais” deles com dinheiro público, acusando-os de querer “sugar” a prefeitura. Parece-me que são outras as pessoas (não sei quais) que estão precisando de um dinheirinho pra fazer acertos e pagar contas (seja lá quais forem tais contas que, supostamente, não são apenas os salários dos trabalhadores das empresas de ônibus). E, aqui entre nós: é muita cara de pau abanar com o chapéu alheio pra fazer gracinha com empresários falidos e ainda colocar os trabalhadores das empresas nesse rolo. A língua é mesmo o chicote da bunda.

Me solidarizo com os trabalhadores, que não mereciam estar passando por isso. No meio do fogo cruzado, tornaram-se joguetes na mão dos tubarões dos transportes coletivos. E me solidarizo, sobretudo, com a população, que sofre sem ter nenhuma responsabilidade sobre a omissão continuada – seguida de ação repentina, fora de hora, irrefletida e despropositada – da prefeitura e das empresas.

O fato é que a prefeita não entregará o que prometera aos empresários, que terão um Natal sem panetone e vão ter que se virar de outra forma para honrar seus compromissos. E, assim sendo, deixará a prefeitura como aquela que permitiu falirem o sistema de transporte público. De certo que o recebeu com problemas, com a necessidade de implementar melhorias. Mas, naquele momento, o recebeu sem dívidas, com uma das frotas mais novas do país, com o aporte para subsidiar a passagem dos estudantes garantido e os terminais de integração construídos.

O episódio sepulta, de vez, com final melancólico, a curta e imerecida carreira política da prefeita, que sequer teria começado, não fosse a generosidade de pessoas como Tião Viana, Marcus Alexandre e diversos outros membros da antiga FPA, a quem ela fez questão de virar as costas.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

William Filho

Maconha no Brasil: o que esperar de 2021?

Djeff Amadeus

Cabe desobediência civil para impedir o Enem no Domingo

Camarada Gringo

Com a invasão do Capitólio, o imperialismo chega em casa

Gabriel RG

Assange está mais longe da extradição, mas o jornalismo segue perto do fim

Dríade Aguiar

Feliz ano novo com velhos problemas (para as mulheres)

Tatiana Barros

Artista faz streaming na Twitch TV para ensinar tudo que aprendeu gratuitamente usando várias tecnologias, principalmente a impressora 3D

Márcio Santilli

A ciência e o capital contra a pandemia

Dríade Aguiar

Uma sentença, uma celebração e uma promessa

Márcio Santilli

A resistência dura e vitoriosa dos Ashaninka do Rio Amônia

Márcio Santilli

O resgate da esperança

Cleidiana Ramos

Precisamos desarmar nossas bombas de ódio

Bernardo Gonzales

Fotos 3x4, transexualidade e as violências cisheteronormativas

Jorgetânia Ferreira

Manifesto das mães contra a volta às aulas presenciais em Uberlândia

Bancada Feminista do PSOL

Por que o MBL tem medo dos mandatos coletivos?