.

Fabrício José Carlos de Queiroz, o famoso Queiroz, administrava o misto de laranjal com lavanderia do gabinete do então deputado estadual e hoje Senador da República, Flávio Bolsonaro (PSL), na Alerj.

Em apenas três anos, ele teria movimentado a quantia de R$ 7 milhões em uma conta em seu nome.

Saques e depósitos frequentes, de assessores parlamentares de Flávio, para Queiroz – incluindo sua esposa, duas filhas, a ex-mulher, o esposo da ex-mulher e mais 3 outros colegas – que coincidiam com as datas de pagamento na Alerj, sugerem a prática de “mensalinho” ou “raxadinha”, que é a coleta de parte do salário dos assessores para o parlamentar, por intermédio de uma “conta de passagem”, no caso, em nome do próprio Queiroz.

O esquema envolve, diretamente, o Presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL) e a Primeira-Dama, Michelle Bolsonaro, pois ambos teriam recebido cheques de Queiroz, além de ter havido nomeações cruzadas entre os Gabinetes de Jair e Flávio – justo uma das filhas do Queiroz. O Presidente alega tratar-se de pagamento de empréstimos, feitos por ele a Queiroz, seu amigo pessoal.

Queiroz tem comprovado envolvimento com milicianos de Rio das Pedras-RJ, berço das milícias cariocas, a ponto de Flávio Bolsonaro empregar a mãe (Raimunda Veras Magalhães) e a esposa (Danielle da Nóbrega) de Adriano da Nóbrega, chefe do “Escritório do Crime” em seu gabinete parlamentar, a pedido de Queiroz.

Milicianos do tal “Escritório do Crime”, de Rio das Pedras-RJ, figuram entre os principais suspeitos do assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL) e seu motorista Anderson. Esses mesmos milicianos foram homenageados, reiteradas vezes, por Flávio Bolsonaro.

Em meio a tais suspeitas, vem à tona a notícia de que Marcelo Álvaro Antonio (PSL), Ministro do Turismo do Governo Bolsonaro, criou candidatas laranjas, em Minas Gerais, para desviar recursos do Fundo Eleitoral nas Eleições 2018. Segundo revelou a imprensa, teriam sido desviados, nesse esquema, mais de R$ 250 mil.

Dias depois, outra candidata laranja surge em Pernambuco: Maria de Lourdes Paixão, Secretária Executiva do PSL no estado, teria recebido R$ 400 mil e apenas 273 votos. As verbas foram liberadas por Gustavo Bebianno, então Presidente do PSL e atual Secretário-Geral da Presidência da República.

Tentando se desvencilhar do escândalo do laranjal do PSL, o filho do Presidente, vereador Carlos Bolsonaro (PSL), chama Bebianno de mentiroso. O Presidente, em pessoa, teria reiterado tal posição, tanto pelas redes sociais quanto pela televisão.

A postura de “fritura” da Famiglia perante um aliado de dentro da própria cozinha amedrontou os demais aliados e gerou uma mobilização pró-Bebianno.

Em reunião tensa, recheada de bate-boca, foi oferecido um cala-a-boca ao Ministro: a diretoria da estatal de Itaipu e a garantia de que Moro não mexeria com ele. Bebianno negou e, nas redes sociais, ameaça o Presidente: a se confirmar sua exoneração, na segunda-feira, 18/02, o “Brasil vai tremer”. Tremei, Brasil! Tremei…

P.S.: Isso tudo acontecendo e a gente tendo que se preocupar com a profusão diária de asneiras da Damares Alves, Ernesto Araújo, Vélez Rodríguez e Ricardo Salles… O buraco da corrupção é bem mais embaixo. Ou melhor: mais acima. E nem falamos do Caixa 2 do Onyx porque, esse, o Moro já perdoou…

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Roger Cipó

Carta a Raull Santiago

Renata Souza

A festa é nossa, o corpo é meu!

Boaventura de Sousa Santos

O desenvelhecimento do mundo

Preta Rara

Ministro Paulo Guedes, fui empregada doméstica e preciso te dizer uma coisa

Roger Cipó

A racialização do homem branco que se faz de régua e regra

Jonas Maria

Trans nos esportes: o projeto, a incoerência e a transfobia

André Barros

Politizar é carnavalizar

Ana Claudino

Feminismo, Big Brother, bolhas e classes sociais

Ana Júlia

Continuaremos a apoiar meninas e mulheres na ciência?

Daniel Zen

Acessibilidade e portabilidade à prova da ignorância

Victoria Henrique

Trabalhadores do RJ que vendem água mineral na rua para você, sequer têm água mineral em casa para beber

Jorgetânia Ferreira

Somos todas domésticas?

Tatiana Barros

Madá, o ciberespaço e a história da internet

Daniel Zen

Um Posto Ypiranga sem combustível

Randolfe Rodrigues

A demagogia governamental contra o Bolsa Família