iNTRODUÇÃO

Quando nós da Mídia NINJA nos dispomos a cobrir as audiências da CPI da Covid não imaginávamos o que viria pela frente. Em suas 57 audiências foram dezenas de depoimentos.

Foram ao menos 1576 requerimentos aprovados, recebeu 2720 documentos. O colegiado possui uma lista de quase 70 investigados, entre eles dois ministros da saúde, o atual Marcelo Queiroga, e o ex-ministro da Saúde, Eduardo Pazuello. O relatório final também propõe o indiciamento do líder do governo Bolsonaro na Câmara, deputado Ricardo Barros (PP-PR), dos ex-ministros Ernesto Araúro e Fábio Wajngarten, além dos atuais ministros Onyx Lorenzoni Wagner Rosário e Braga Neto. O presidente Jair Bolsonaro foi enquadrado em ao menos 9 crimes.

Durante esses quase seis meses de trabalho podemos concluir que a CPI concluiu bem parte de seu papel, ao impedir a corrupção na compra de vacinas, ao forçar o governo federal a acelerar a imunização tirando a gestão Bolsonaro da inércia, além de ter publicizado os erros e omissões que fizeram parte da trágica gestão da pandemia no Brasil.

Em 27 de abril, quando a CPI da Covid iniciou seus trabalhos, o Brasil contabilizava apenas 6% dos brasileiros com a imunização completa (duas doses). Em 20 de outubro, data de apresentação do relatório, esse percentual subiu para mais de 50%, o que consequentemente teve como resultado a queda do número de internações e óbitos.

Para que a CPI não acabe em pizza é essencial a cobrança da sociedade civil brasileira pela punição daqueles que contribuíram, direta ou indiretamente, para a elevada mortalidade da pandemia no Brasil. Esperamos que as autoridades competentes não cedam um milímetro na responsabilização frente as mais de 600 mil mortes no Brasil.

LINHA DO TEMPO

'); gsap.to(allSections, { xPercent: -100 * (allSections.length - 1), ease: "none", scrollTrigger: { trigger: ".horizontal-container", pin: true, start: "top top", scrub: 1, snap: false, end: () => "+=" + document.querySelector(".horizontal-container").offsetWidth } }); });
'); gsap.to(allSections, { xPercent: -100 * (allSections.length - 1), ease: "none", scrollTrigger: { trigger: ".horizontal-container", pin: true, start: "top top", scrub: 1, snap: false, end: () => "+=" + document.querySelector(".horizontal-container").offsetWidth } }); });

CARÔMETRO

Crimes de Bolsonaro

Identificados pela #CPIdaCovid

1. Crimes contra a humanidade
2. Crimes de responsabilidade
3. Epidemia com resultado morte
4. Infração a medidas sanitárias preventivas
5. Emprego irregular de verba pública
6. Prevaricação
7. Charlatanismo
8. Incitação ao crime
9. Falsificação de documentos particulares

A CPI NAS REDES

Durante mais de 60 sessões da CPI da Covid, nós da Mídia NINJA cobrimos cada passo da comissão.Foram dezenas de depoimentos, muitos deles chocantes e a reação era imediata. Uma fala importante era instantaneamente repercutida nas redes. Acompanhada dia após dia, a CPI se tornou o novo “reality show” dos brasileiros interessados em política.A cada nova sessão, as redes sociais traziam o termômetro da incidência do debate na sociedade. Entre colaborações dos “internautas” enviadas diretamente aos senadores, à narração em tempo real com tons de meme e ironia, essa CPI marcou uma nova era da política feita a portas fechadas no Congresso e provou que é possível a sociedade acompanhar e interferir na política de forma efetiva. Transmitida ao vivo na TV Senado e reproduzida por todos os lados, essa foi, sem dúvidas, a CPI das Redes.

RELATÓRIO

6 meses de trabalho
69 indiciados
20 tipos penais
57 depoimentos
250 sigilos quebrados
9tb de documentos

Governo omisso e criminoso

relatório da CPI da Covid aponta diversos crimes do governo Bolsonaro na gestão da pandemia

Tratamento Precoce

O relatório aponta que população do Amazonas serviu de cobaia para o kit-covid, com Bolsonaro como garoto-propaganda de remédio ineficaz para a Covid-19

Notícias falsas

O governo contribuiu na produção e divulgação de informações falsas sobre a pandemia, colaborando com a desinformação na sociedade sobre a doença

Relatório da CPI da Indiciados

O relatório pede o indiciamento de 69 pessoas, entre os nomes citados está o do presidente Jair Bolsonaro, dos filhos dele, além de ministros, empresários e médicos.

Imunidade de rebanho

ações e omissões do Governo Federal visavam a imunidade de rebanho pela contaminação

Colapso em Manaus

O governo negligenciou e retardou ajuda na falta de oxigênio no Amazonas

Empresas intermediárias

Ignorou empresas mundiais de vacinas para privilegiar empresas atravessadoras sem experiência na venda de vacina

E AGORA?

A CPI da Covid vai entregar o relatório aprovado a diversos órgãos. O texto propõe o indiciamento de quase 70 pessoas.

No dia 26/10, os senadores devem apresentar o texto à Procuradoria-Geral da República no Distrito Federal, que pedirá indiciamento dos agentes públicos que tenham foro privilegiado, entre eles o Presidente da República

Caso seja apontado crime de responsabilidade por parte de alguma autoridade, senadores entregarão o relatório ao presidente da Câmara dos DeputadosArthur Lira, também no dia 26.

Entre os dias 27 e 28, o texto deve ser entregue ao Ministério Público do Estado de São Paulo, que criou uma força-tarefa para investigar a Prevent Senior, e à Procuradoria-Geral de Justiça do Estado de São Paulo.

Ministério Público dos estados também será acionado em relação aos pedidos de indiciamento de quem não tem foro privilegiado

Além disso, a CPI da Covid criou um observatório parlamentar para acompanhar e cobrar as ações que serão tomadas a partir do relatório final.

CRÉDITOS

Textos: George Marques
Edição de Vídeo: Gian Martins e Karoline Leal

Coordenação de Projeto: Raissa Galvão e Oliver Kornblihtt

Animação: Tiago Galan
Design: Yasmim Moura, Aruan Mattos,  Tiago Galan e Kelly Mariah
Desenvolvedora Web: Kelly Mariah Batista  – Re/System

desenvolvido com ❤️ pela Re/System e Mídia NINJA