Por Rafael Togashi 

Quando comecei em 2013 o projeto “Ecovila Brasil – caminhando para sustentabilidade do ser” (o documentário está de fácil acesso no youtube), ainda falávamos de sustentabilidade e era um tema tão apaixonante que minha motivação de buscar Ecovilas foi querer entender o que realmente era sustentabilidade. Naquela época eu era muito inquieto com todos os desafios globais que vivíamos e incomodado vendo tanta coisa dita sustentabilidade mas que não era eficiente e servia apenas de marketing para enaltecer marcas. Isso me dava sede de viver uma sustentabilidade de verdade e na prática, de registrar tudo, de fazer um filme e mostrar para as pessoas, para que pudéssemos replicar em todos os setores da sociedade!

Hoje o nome da vez mudou, não é mais ecologia nem sustentabilidade mas sim regeneração. O cenário cheio de desafios globais piorou. Se minha versão de 2020 voltasse ao tempo e contasse tudo o que iria acontecer no futuro para minha versão de 2013 eu iria ter dificuldade para acreditar. O planeta Terra, conhecido respeitosamente como Gaia por algumas pessoas, nos entrega condições climáticas perfeitas, uma atmosfera pura e ideal para ter vida, nos entrega um lar. Nesse momento atual Gaia não está nada bem. Mas vamos cair na real, nosso tão amado planeta azul já passou por muitas coisas e sempre se regenerou, estamos falando aqui da vida humana. Estamos falando de previsões científicas catastróficas para a sobrevivência da nossa espécie. 

Vivemos não só uma crise ambiental, mas social, econômica, cultural e todas mais dimensões que podemos compreender da existência. Mas não to aqui para compartilhar crises, estou para compartilhar esperança. Fico muito feliz em ver diversos movimentos incríveis, que caminham para a regeneração de Gaia e a possibilidade da vida humana seguir em condições harmônicas. 

As Ecovilas não são a única solução, mas sem dúvidas são uma das soluções possíveis e precisamos de todas soluções juntas se queremos fazer uma Grande Virada. Ecovilas são grandes laboratórios humanos. Grandes não pelo tamanho, até porque acreditamos que a mudança vem no micro para o macro, da pessoa para a comunidade, da comunidade para o mundo. Grande pela atitude nobre que com muita humildade entende-se que pouco sabemos sobre a vida e a gerência de sociedades e assim como num laboratório lança-se em experimentos práticos de testar e redesenhar, de errar para acertar, de encontrar ferramentas e metodologias para viver uma vida boa pro indivíduo, que fortalece a comunidade e que seja um serviço para Gaia.

Cada Ecovila faz sua pesquisa, opta por qual tema aprofundar, é o que se chama de “cola” da Ecovila. Educação, ecologia, economia, espiritualidade, são diversos temas. São diversos temas que temos crenças impregnadas e que acreditamos serem verdades absolutas! Mas se pararmos para pensar são essas crenças que moldam os nossos comportamentos enquanto humanidade e são esses comportamentos que estão nos levando para o fundo de nossas crises.

Eu nasci no Rio de Janeiro, afortunado por ser classe média de uma família sana, por ter tido oportunidades na vida, estudei em colégio particular e me formei em Direito. Esse era o meu contexto quando botei as mochilas nas costas e fui filmar diversas Ecovilas e comunidades sustentáveis para o documentário. Assim entrei no que eu relato como o liquidificador da minha vida, mexeu em tudo o que eu acreditava, percebi que existiam diversas outras possibilidades, percebi tanto sofrimento fruto da ignorância pessoal e social, percebi caminhos e soluções incríveis e claro que não são respostas exatas, porque o principal é mudar a forma de olhar o mundo, é preciso mudar valores de vida.

Estar num lugar onde eu tinha obrigações mas também podia respeitar meu tempo interno? Uma comunidade onde existe uma figura empresarial mas não existe salário pessoal e sim um caixa único aberto para todos? Não tem propriedade, você usa a roupa que você quiser. Cada um é livre para optar por sua sexualidade, quem quiser ser casal tradicional que seja, quem quiser outra configuração que seja. Trabalhar sua infância e ver que carregas todos os traumas dessa época. Olhar pra dentro e entender que as relações são apenas espelhos de nós mesmo. Viver uma colaboração tão profunda e amorosa que gera um pertencimento que preenche sua alma. Perceber que a natureza é abundante e que existe outra formas profundas de relação com ela. Não existe hierarquia e todas decisões são tomadas de forma colaborativa e consensual! Existe um líder e ele tem grande influência! Vamos praticar o naturalismo? Somos fisicamente repreendidos, vamos nos libertar? Que tal a utilização de energia verde? Reciclagem de 100% dos dejetos? Ser respeitado por quem é, sem julgamentos, ter a possibilidade de genuinamente uma vez na vida de ser quem realmente é!

Liquidificador né? Talvez para muitas pessoas nada disso seja novidade, mas para a maioria isso gera estranhamento, porque é muito diferente do que aprendemos, do que sempre nos contaram que era assim! A vida muda, nossas necessidades mudam e hoje vivemos uma incrível necessidade humana de mudança! 

Ecovila é um grupo de pessoas que resolveram fazer diferente e com a intenção de formar uma comunidade se unem em busca de um propósito, com uma cola poderosa e através de decisões colaborativas trabalham por uma vida melhor. Ecovila é um organismo vivo, não existe um formato específico, mas existe a valorização da diversidade! E essa diversidade com uma causa em comum tem o poder de mover montanhas! Que possamos cada vez mais utilizar nossos grupos de amizades para um propósito que faça sentido à vida! Afinal nossas cidades são estruturas de ecovilas ou de comunidades, apenas nos distanciamos tanto disso que não sentimos mais o pertencimento e a colaboração coletiva. Se queremos que as próximas gerações tenham a benção de viver numa Gaia habitável e extraordinária como vivemos, precisamos entrar no liquidificador interno e ressignificar nossos comportamentos.

Agradeço muito por todas ecovilas e pessoas que conheci, honro toda coragem praticada, reconheço todos resultados e práticas que nos levam a uma vida mais feliz e harmoniosa, não existe perfeição nem utopia, existe uma realidade sendo vivida, opções de vida que buscam uma vida valiosa, harmônica, com sentido e com verdade !

Rafael Furstenau Kamtorio Togashi é mentor de desenvolvimento humano e tem como missão apoiar as pessoas à viverem desde a sua essência. Idealizador do “Ecovilas Brasil” e do treinamento “Amo o que Faço o que Amo”.

 

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

André Barros

Vetos genocidas do Bolsonaro

Boaventura de Sousa Santos

A universidade pós-pandêmica

Juan Manuel P. Domínguez

“O lugar do artista é na luta”. Diálogos de quarentena com Rael

Renata Souza

Stonewall Inn.: orgulhar-se é transgredir

Cleidiana Ramos

O dia em que meu nariz me definiu como negra - notas sobre o racismo à brasileira

Jandira Feghali

Diga-me o que vetas...

afrolatinas

Contato com meu “Eu”

SOM.VC

RAP BR: Murica canta com sede de dignidade em novo álbum produzido por MK

Márcio Santilli

Sociedade civil se levanta contra Bolsonaro mesmo sob isolamento e penúria

André Barros

Operações racistas nas favelas

Colunista NINJA

O vírus e as trabalhadoras sexuais na Guaicurus, em Belo Horizonte

Juan Manuel P. Domínguez

"O DJ é um dos elementos pilares da cultura Hip Hop". Diálogos de quarentena com DJ Erick Jay

Randolfe Rodrigues

O Brasil que queremos no pós-pandemia

Jussara Basso

A cultura na periferia em tempos sombrios

Juan Manuel P. Domínguez

O demônio branco esteve infiltrado nos protestos pela morte de George Floyd