Sem democracia não há futuro!

Foto: Mídia NINJA

Foto: Mídia NINJA

Como esperado, a truculência policial foi a resposta dada pelo poder público aos milhares de jovens, homens e mulheres, trabalhadores de todos os cantos do país que vieram dizer a Temer que seu governo golpista chegou ao fim e que o Brasil exige eleições diretas para a Presidência da República.

Uma multidão tomou Brasília, e foi um dos maiores atos já realizados na capital do país.

Fotos: Mídia NINJA

Fotos: Mídia NINJA

Aproximadamente 200 mil pessoas de todas as regiões do país foram repudiar a tentativa de destruição da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e o fim da aposentadoria representados pelas reformas trabalhista e previdenciária, que se encontram em tramitação acelerada no Congresso Nacional.

A luta por eleições diretas para a escolha de uma nova chefia do executivo ocupou lugar central na pauta do ato, especialmente após as novas e graves denúncias envolvendo Michel Temer e aliados.

Foto: Mídia NINJA

Foto: Francisco Proner / Mídia NINJA

A concentração para a grande manifestação se iniciou bem cedo. Ainda na madrugada começaram a chegar as primeiras caravanas. Organizadas pelos múltiplos movimentos sociais que construíram o ato, os manifestantes trouxeram consigo muita disposição para barrar a retirada de direitos e para fortalecer o movimento por #DiretasJá que cresce no seio da sociedade.

Após uma breve reunião preparatória, movimentos camponeses, estudantis, de mulheres e diversos outros setores e categorias profissionais marcharam no início da tarde rumo ao Congresso Nacional, onde estava previsto um grande ato com a participação de lideranças políticas e sociais. Entretanto, o que era para ser uma grande festa da democracia, transformou-se em uma selvageria protagonizada pela Polícia Militar.

Foto: Mídia NINJA

Foto: Mídia NINJA

Fotos: Mídia NINJA

Fotos: Mídia NINJA

Durante o trajeto foram relatados casos de provocação gratuita por parte das tropas policiais. Mas foi na chegada à Avenida das Bandeiras, localizada em frente ao Congresso Nacional, que a brutalidade policial se fez perceber de maneira inequívoca: bombas de efeito moral, gás lacrimogênio, spray de pimenta, tiros de bala de borracha e mesmo de armas de fogo — com munição letal — deram a tônica da participação da Polícia Militar.

A quantidade de pessoas feridas chamou a atenção: vídeos e fotos de pessoas sendo carregadas começaram a povoar grupos de Whatsapp e postagens nas redes sociais. Do carro de som informaram que um manifestante foi atingido na cabeça por arma de fogo. Posteriormente, a Secretaria de Segurança Pública do DF informou que um manifestante baleado recebeu atendimento em uma ambulância do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU).

Foto: Mídia NINJA

Foto: Mídia NINJA

Foto: Mídia NIJA

Foto: Mídia NINJA e Melito/Mídia NINJA

A repressão seguiu ao longo de toda a tarde e início da noite. Para completar, o Ministro da Defesa, Raul Jungmann (PPS-PE), convocou coletiva de imprensa para informar que o presidente ilegítimo Michel Temer decretou que as Forças Armadas façam a segurança da Esplanada dos Ministérios pelo menos até o dia 31 de maio.

1-4c1F_BTC6Nh2wgleg21wtA (1)E a ordem já está sendo cumprida: fuzileiros navais foram vistos desembarcando de veículos de combate estacionados ao lado do Palácio do Itamaraty e existem relatos de repressão de manifestantes feitos por soldados do Exército na Rodoviária do Plano Piloto de Brasília.

O uso de munição letal contra manifestantes e a presença das Forças Armadas nas ruas inaugura uma nova fase no conturbado contexto político a que o Brasil foi submetido desde a ascensão de Temer e seu grupo ao Palácio do Planalto.

O recado não poderia ser outro: a democracia não mais existe no país e as liberdades individuais garantidas na Constituição estão suspensas. Soma-se a isso a intransigência do governo e seus aliados em discutir com a sociedade soluções para a grave crise política e institucional pela qual passamos.

Para completar, um congresso atolado em esquemas de corrupção pretende realizar eleições indiretas para a escolha de um novo presidente. Estamos diante de um futuro incerto. É hora de resistir nas redes e nas ruas. Sem democracia não há futuro!

 

Foto: Mídia NINJA

Foto: Melito / Mídia NINJA

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Andressa Pellanda

Da receita estragada de Bolsonaro ao banquete saboroso da educação libertadora

Observatório das Eleições 2022

Por que o problema da desinformação persiste, quatro anos depois da eleição de Bolsonaro

Observatório das Eleições 2022

A fragilidade do nosso apoio à democracia

Márcio Santilli

Bolsonaro poderá renunciar

Fabio Py

O céu se comoveu no domingo

Márcio Santilli

As presidenciáveis

Juan Espinoza

Defesa dos direitos das mulheres na comunidade pan-amazônica

Observatório das Eleições 2022

Votamos sozinhos, mas fazemos política em grupo: ação coletiva e eleições

FODA

Mulheres negras: potência política em defesa da vida

Márcio Santilli

Bolsonaro confessa ao mundo sua intenção golpista

Observatório das Eleições 2022

A eleição presidencial de 2022 vista pela clivagem regional: continuidade ou mudança?

Rede Justiça Criminal

Você sente segurança com mais prisões e polícia?

Campanha em Defesa do Cerrado

Júri do Tribunal Permanente dos Povos condena estados e empresas por genocídio de povos do Cerrado

Márcio Santilli

Bancada Indígena

Juan Manuel P. Domínguez

Bolsonarismo e satanismo, uma relação estreita