Foto: Arquivo Carlos Marighella

Por Maria Marighella

Na madrugada do dia 31 de março para 1 de abril, Marighella não precisou ver os tanques de guerra invadindo a cidade do Rio de Janeiro para saber que o Golpe era iminente. Dirigente comunista desde os anos 30, era um dos poucos a ter nitidez do cerco que chegava ao Brasil. Meu pai, Carlinhos, desde o início daquele 1964, já estava matriculado num semi internato, pelo pai, como prova daquela certeza. Ele dizia: se algo me acontecer, você volta para o Colégio.

E foi assim. Estava certo. Com as tensões crescentes que marcaram aquele dia, Marighella, ao lado de sua companheira Clara Charf, arrumou rapidamente uma sacola e desceu às pressas as escadas do seu apartamento enquanto a polícia subia pelo elevador e entrou pela última vez na clandestinidade que durou até o seu brutal assassinato em 1969.

Eu não era nascida e nem precisava para ser atravessada irremediavelmente por este episódio. Não é preciso estar na cena para ser parte dela. Assim, em alguma parte mais ou menos viva da memória coletiva, está o Brasil, marcado irremediavelmente pelo golpe civil-militar de 1964. Militar porque seriam eles a instaurar o regime político autoritário, com perseguição política e moral, cassação de direitos, censura, suspensão de direitos civis e políticos , institucionalização da tortura, execução e ocultação de cadáveres de opositores. Civil, porque teve ampla participação de setores tanto das elites quanto conservadores da sociedade brasileira, como empresários, banqueiros, imprensa empresarial, políticos e setores das igrejas. Um regime autoritário não se sustentaria por 21 anos sem este tipo de apoio.

Esta descrição evidencia que o passado da ditadura não passou, é uma radiografia do presente travestida nos discursos de ódio e negacionistas, na censura, na tentativa de criminalizar e sufocar os movimentos sociais, na recusa de dialogar com a sociedade civil, na inação criminosa frente à tragédia da pandemia. Está impressa em práticas de execução de ativistas de direitos humanos e ambientais, está na prática de extermínio da população negra e periférica.

Quando não há uma revisão radical do passado da ditadura, quando não completamos a nossa justiça de transição, o entulho autoritário permanece nas leis, nas instituições, na naturalização da cultura da violência. Quando as violações de direitos humanos do passado, e do presente, não são reveladas em sua inteireza e seus perpetradores não são denunciados e julgados, a sombra do autoritarismo e da impunidade nos açoita cotidianamente. Somos obrigados a ver o bombardeio de informações indistintas confundindo e entorpecendo a população, a glorificação de torturadores e de datas que deveriam nos envergonhar, o ataque à Constituição, a violência armada naturalizada, os direitos humanos desmontados, a ciência e a liberdade de expressão atacadas.

É através da Memória, Verdade e Justiça que podemos refazer o pacto social. Os novos tempos nos convocam a fazer a defesa radical da democracia e de nossa Constituição Cidadã, construída num amplo debate social, com participação. Hoje, as constantes aspirações golpistas do governo Bolsonaro, que incita o caos e a instabilidade social, não são mais que essa sombra a nos perseguir. Liguemos a luz da democracia.

Maria Marighella é atriz, diretora, gestora cultural, vereadora em Salvador e neta do guerrilheiro e político Carlos Marighella.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Mariane Santana

A volta do ABBA e o futuro (presente) dos shows

Agatha Íris

Quem defende as crianças que são vítimas de abuso e estupro de vulnerável?

NINJA Esporte Clube

Pretos na Biblioteca: projeto idealizado por Gabizona do vôlei busca combater o racismo através da educação

NINJA Esporte Clube

A’ja Wilson: uma voz potente e necessária

NINJA Esporte Clube

Ginasta Luis Porto foca na preparação para próximas competições, após corte inesperado do Mundial 2021

Flávio Renegado

Vinte e Três Minutos… 

Márcio Santilli

Direita rachada

Talles Lopes

Morro do Fogo: fé e luta quilombola

Bancada Feminista do PSOL

Sampaprev 2: um ataque a quem esteve na linha de frente contra a Covid

Lais Gomes

Me deixa reclamar!

Andréia de Jesus

Indígenas latinos são transformados sistematicamente em imigrantes por mais de 500 anos!

Laryssa Sampaio

O Peso do Pássaro Morto: perdas, reencontros, encontros e fim

Andréia de Jesus

Zema expressa todo seu preconceito social

Laryssa Sampaio

Pelo direito de pensar e decidir se queremos ou não ser mães

Márcio Santilli

Nem autogolpe e nem impeachment