Texto: Tainá de Paula

Monumento da Renascença Africana

Narrar a história de um lugar e de uma determinada cidade é um privilégio. Digo isso a partir da ótica de uma arquiteta e urbanista que há algum tempo percebeu como a história das cidades é contada, a partir do olhar eurocêntrico, ocidental e em sua maioria esmagadora branco, narrada a partir de episódios e períodos que privilegiam essa perspectiva.

Contamos o tempo pelo calendário romano (judeus e indígenas possuem outros marcos e outra temporalidade por exemplo). Toda a Idade Moderna (do final do Feudalismo à Queda da Bastilha) é estudada a partir de guerras e acontecimentos do mundo ocidental, quando sabe-se que toda uma sociedade oriental, extremamente avançada e cheia de especificidades acontecia. Os povos ditos primitivos guardam até hoje história pouquíssimo estudada nos livros e nos registros oficiais. Cidades como Ollantaytambo e Cusco guardam artefatos que comprovam os avanços de toda uma civilização. Os indígenas americanos como os Cheyenne e os Cherokee, assim como os  indígenas chilenos mapuche, desenvolveram altíssima capacidade de sobrevivência, criando avançadas tecnologias de cultivo e de irrigação, desconhecidas até hoje por conta do extermínio e apagamento sociocultural. Da mesma forma isto ocorreu com sociedades africanas.

Nesse sentido, a História deve ser entendida como uma síntese contada pelo colonizador,  que é branco e europeu. A partir da análise do pós-guerra, Pierre Norat fará uma análise sobre a seletividade da memória e como a narrativa do lado “ganhador” da(s) Guerra(s) constrói toda o registro histórico posterior. Como seria a História ocidental se o Japão tivesse saído vencedor da Segunda Guerra Mundial, temos que nos perguntar.

Bem, o texto de Emerson Caetano (o grande gatilho pra esse texto), publicado recentemente pela Mídia Ninja, falava em parte isso. Afinal, onde está a contra-narrativa, ou a real narrativa da arquitetura, se o que temos até aqui é o constante exercício do poder e do apagamento?

Por isso, que para além de identificarmos o apagamentos e os seus ícones, seus Coliseus e Parternons, temos a tarefa de ressignificar os valores que constroem os símbolos e imagens da cidade, mas também dão protagonismo aos construtores de narrativa. Afinal, o valor, entendido aqui como uma categoria de análise, varia de acordo com seu promotor e o que temos são valores referenciais criados por um seleto grupo etnico e/ou social.

Isto dito, é preciso construir uma memória citadina equitativa, com a cara de seus múltiplos cidadãos. É urgente criar cidades onde um Museu Nacional de Belas Artes eclético seja tão preservado e conhecido como seus quilombos, uma vez que ambos representam simbolicamente o extrato cultural de uma sociedade. Afinal, a quem interessa o apagamento o histórico? Seria a supremacia de uma narrativa em detrimento de outra o cerne a da questão? A quem interessa uma cidade com uma memória tão desigual?

Para além dessa análise, lanço uma provocação não para os apagadores, mas para os apagados da história (onde me incluo): quem além de nós (negrxs, indígenas, mulheres, ou seja, a maioria avassaladora) pode emergir a importância e os símbolos que são caros à nós e às nossas cidades? Quem contará a história da diáspora africana na cidade? Quem escreverá sobre a revolta dos Malês ou as marchas de mulheres?

Cares, abaixo os Coliseus. A cidade é feita de Pedras do Sal, invisíveis ainda à grande maioria. É preciso criar um desapego retórico ao que vemos e criar uma cidade nova, definitivamente nova. Deixem de nos apagar e nos deixem ressignificar nossas cidades.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Bruno Ramos

Um ano do massacre de Paraisópolis

NINJA

Para Ver a Luz do Sol. 40 anos de reexistência cosmopolítica no Bixiga

Jorgetânia Ferreira

São Paulo merece Erundina

Bancada Feminista do PSOL

Do #EleNão ao Boulos e Erundina sim!

Fabio Py

Dez motivos para não votar no Crivella: às urnas de luvas!

Márcio Santilli

O que esperar de um próximo mandato presidencial

História Oral

O Mitomaníaco e os efeitos eleitorais da Pós-Falsidade

Márcio Santilli

Bolsonaro-Frankenstein: cara de pau, coração de pedra e cabeça-de-bagre

Cleidiana Ramos

O furacão de tristezas que chegou neste 20 de novembro insiste em ficar

Tatiana Barros

Como nasce um hub de inovação que empodera pessoas negras

Colunista NINJA

LGBTI+ de direita: precisamos de representatividade acrítica?

Juan Manuel P. Domínguez

São Paulo poderia ser uma Stalingrado eleitoral

Colunista NINJA

A histórica eleição de uma bancada negra em Porto Alegre

Bancada Feminista do PSOL

Três motivos para votar na Bancada Feminista do PSOL

Carina Vitral da Bancada Feminista

Trump derrotado nos Estados Unidos, agora é derrotar o bolsonarismo na eleição de domingo no Brasil