Pesquisa aponta que 47% dos homens não deixam seus filhos brincarem de boneca de jeito nenhum

Foto: Thomas Nortcut / Photo Images by Canva

Por Giovani Falcão

Segundo uma pesquisa pré-pandemia; 47% dos homens e 32% das mulheres afirmam que não deixariam seus filhos meninos brincarem de boneca de jeito nenhum, porque boneca é brinquedo de menina. Os números apresentados pelo Instituto Avon/Locomotiva em 2016 são base de análise e compõem a recente pesquisa nacional “Pais em casa” realizada pela plataforma 4daddy, em parceria com as pesquisadoras de gênero Camila Pires (mestranda em Paternidades pela Universidade de Paris) e Tayná Leite (Mestranda em Sociologia na Universidade Federal do Paraná). Foi realizado durante o período de pandemia (maio – agosto de 2020) com casais heterossexuais, de classes A e B, em que apresenta no seu resultado uma possível mudança no comportamento social em família, e a conscientização da responsabilidade paterna.

“Via de regra, em nossa sociedade imersa numa cultura machista e lgbtfóbica, o maior medo dos pais que vêem seus garotos brincando de casinha ou de boneca é de que eles se tornem homossexuais” comenta Leandro Ziotto, fundador da plataforma 4Daddy. “São os adultos que esperam de meninos e meninas comportamentos específicos. Os pequenos não estão nem um pouco preocupados com as regras que definem papéis diferentes para eles ou elas. O que querem é se divertir!”, afirma.

Recentemente nas redes sociais a publicação de Laís Fernanda (33), mãe do Pietro (7) viralizou compartilhando sua alegria em finalmente: “ter a oportunidade de deixar seu filho entrar na loja e escolher um jogo, uma boneca e a tão sonhada fantasia de sereia”. Seu relato no Facebook já ultrapassa 193 mil curtidas com mais de 61 mil compartilhamentos. “Talvez você que está vendo essa publicação não concorde com a nossa decisão, mas sua opinião não me importa. O importante pra mim é o sorriso dele”, disse Laís no seu desabafo, encorajado de respostas positivas, e relatos emocionantes de pessoas que a respondem.

Voltando à pesquisa “Pais em casa”, a falta da referência paterna (seja por falecimento ou separação associada à ausência física) é apontada como um dos principais fatores percebidos para esse desenvolvimento social, que em sua maioria relata dessa experiência: “referências do que não fazer”. “A convivência com meu pai sempre foi praia, futebol e almoço. Na minha criação nunca falamos sobre orientação sexual ou liberdade de expressão, aprendi com a vida; mas quando ainda criança eu brincava de boneca com minha prima. E hoje, prestes a me tornar pai, meu filho não terá problema nenhum com isso”, diz Marlon Peixoto (25) que espera seu primeiro filho com Barbara Dias (24), agendado para daqui a dois dias (14/10).

O report ressalta que 71 % das famílias avaliam a pandemia e o isolamento como um momento de descobertas e conexões em família, nos quais 47% dos pais têm dividido mais as atividades educacionais dos filhos e 52% o cuidado e higiene das crianças, com suas parceiras. “Os principais obstáculos para o envolvimento dos homens nesse papel são: a forte cultura machista, a falta de referência de homens nesse lugar de aprender apenas a serem cuidados, sobrecarregando as mulheres fisicamente, mentalmente e emocionalmente desde a infância”, orienta Ziotto. “Então papai, mamãe ou qualquer adulto que tenha sob a sua responsabilidade o cuidado de uma criança, saiba que meninos que brincam de boneca podem virar: pais, médico, tio, professor, afetuoso, responsável. Brincar de boneca é exercitar o cuidado, que culturalmente atribuiu-se à mulher – não sendo um fator genético. E por fim podem virar uma pessoa heterossexual, homossexual, bissexual e até assexual. E está tudo bem!”, conclui.

A pesquisa completa está disponível gratuitamente no site: https://www.paisemcasa.4daddy.com.br/

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

William Filho

Maconha no Brasil: o que esperar de 2021?

Djeff Amadeus

Cabe desobediência civil para impedir o Enem no Domingo

Camarada Gringo

Com a invasão do Capitólio, o imperialismo chega em casa

Gabriel RG

Assange está mais longe da extradição, mas o jornalismo segue perto do fim

Dríade Aguiar

Feliz ano novo com velhos problemas (para as mulheres)

Tatiana Barros

Artista faz streaming na Twitch TV para ensinar tudo que aprendeu gratuitamente usando várias tecnologias, principalmente a impressora 3D

Márcio Santilli

A ciência e o capital contra a pandemia

Dríade Aguiar

Uma sentença, uma celebração e uma promessa

Márcio Santilli

A resistência dura e vitoriosa dos Ashaninka do Rio Amônia

Márcio Santilli

O resgate da esperança

Cleidiana Ramos

Precisamos desarmar nossas bombas de ódio

Bernardo Gonzales

Fotos 3x4, transexualidade e as violências cisheteronormativas

Jorgetânia Ferreira

Manifesto das mães contra a volta às aulas presenciais em Uberlândia

Bancada Feminista do PSOL

Por que o MBL tem medo dos mandatos coletivos?