Fotos: Reprodução

O cearense Baez, um famoso dj, sacudia em meio a sorrisos uma toalha de praia vermelha de estampa bem conhecida. O sol nascia no Ceará naquela hora, mas era ao mesmo tempo a despedida do show em que ele se apresentava. No tecido da toalha o rosto do bom velhinho presidenciável Luís Inácio Lula da Silva. O público dele foi à loucura.

Igual em João Pessoa (PB), quando Luísa Sonza se enrolou no mesmo tipo de toalha durante uma apresentação. Ninguém esperava que a musa do nosso pop lacrasse repentinamente com a cara do presidenciável. O público dela foi à loucura.

Pabllo Vittar fez o mesmo no Lollapalooza. Gloria Groove provocou igual. E Ludmilla, quando tuitou um meme dançando “Vai dar PT” com a logo “O Brasil Feliz De Novo”. Tudo improvisado e de impacto gigantesco na corrida pré-eleitoral.

Como num passe de mágica, a campanha de Lula virou algo incontrolável no país.

Como se sabe dentro dos comitês eleitorais, campanha boa é campanha descentralizada. Ou seja, quando as manifestações de apoio surgem de forma espontânea, sem controle partidário ou de organizações oficiais do candidato. Pipocam na velocidade da luz e viralizam no mundo físico. É, por exemplo, o que levou Bolsonaro ao poder em 2018.

E, cara, foi um inferno.

Você se deparava com Bolsonaro em diversos espaços, até nos que você jamais poderia imaginar. Desde de canecas no Mercado Livre com a cara do sujeito, até as famosas camisas de arminha com as mãos sendo vendidas em bancas de jornal. Bolsonaro tinha virado uma marca, um símbolo, uma ideia de mudança. Risos.

Há profissionais que pecam tentando controlar essas manifestações, evitando que as pessoas usem fotos não-oficiais ou divulguem vídeos com imagens mais amadoras do candidato. Balela e um baita equívoco. Campanha boa é campanha “solta”, com estudante levantando toalha de estampa questionável durante transmissão de TV ou artista postando meme feito no paintbrush.

Se Lula tem um caminho a percorrer para chegar novamente à presidência ele cruza com a difícil avenida da batalha da Comunicação. E isso a gente sabe que está sendo enfrentado.

Ao mesmo tempo, de forma empírica é perceptível que existe, sim, uma onda em movimento para afogar o bolsonarismo nas latrinas da História. Uma onda a favor de Lula, em que o símbolo, a marca e o ideal é seu retorno. Isso ajudará muito para que mais toalhas se ergam espontaneamente pela frente. Que assim seja, viu?

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Andressa Pellanda

Da receita estragada de Bolsonaro ao banquete saboroso da educação libertadora

Observatório das Eleições 2022

Por que o problema da desinformação persiste, quatro anos depois da eleição de Bolsonaro

Observatório das Eleições 2022

A fragilidade do nosso apoio à democracia

Márcio Santilli

Bolsonaro poderá renunciar

Fabio Py

O céu se comoveu no domingo

Márcio Santilli

As presidenciáveis

Juan Espinoza

Defesa dos direitos das mulheres na comunidade pan-amazônica

Observatório das Eleições 2022

Votamos sozinhos, mas fazemos política em grupo: ação coletiva e eleições

FODA

Mulheres negras: potência política em defesa da vida

Márcio Santilli

Bolsonaro confessa ao mundo sua intenção golpista

Observatório das Eleições 2022

A eleição presidencial de 2022 vista pela clivagem regional: continuidade ou mudança?

Rede Justiça Criminal

Você sente segurança com mais prisões e polícia?

Campanha em Defesa do Cerrado

Júri do Tribunal Permanente dos Povos condena estados e empresas por genocídio de povos do Cerrado

Márcio Santilli

Bancada Indígena

Juan Manuel P. Domínguez

Bolsonarismo e satanismo, uma relação estreita