Aviso de gatilho: depressão e suicídio

Hoje não vim falar de corpos dissidentes, enquanto processo de socialização e inserção na sociedade. Mas do quanto nós, pessoas trans e travestis, temos que lidar com certas guerras internas que nos perpassam em nossa trajetória, nossa vivência, potências e até mesmo descrença.

Atualmente, o número de casos de suicídio por pessoas trans tem aumentado drasticamente. E a grande maioria ocorre por não suportar tanta transfobia, seja por parte da família ou sociedade – não que a família não pertença ao meio social, mas sim, deixar claro que a família, a rede que mais deveria nos apoiar e amar, são os primeiros a nos apontar e nos matar. Isso acarreta vários problemas psicológicos, tornando a nossa vontade de existir ainda mais difícil.

Já pensou ser expulsa de casa aos 14 anos, só por ser uma pessoa trans? Ser vista e entendida como uma abominação, como algo errado dentro do seio familiar? É aí que a grande avalanche começa. Primeiro vem o sentimento de abandono, nenhuma rede de apoio, ter que amadurecer drasticamente. Ser forçada a abandonar todos os sonhos, objetivos e desejos, pois a necessidade de sobrevivência é maior.

Depois de um tempo, essa luta diária vai cansando, de ter sempre que bater na mesma tecla, ouvir a cada dia uma agressão, uma deslegitimação de quem somos: “Você é homem, olhe para o que você tem entre suas pernas”; “Mas como assim você é um homem se nasceu com uma vagina? Isso não tá certo”; e essa grande avalanche de palavras, nos atravessam como balas de diamante, nos perfurando a carne, se alojando em nosso psíquico, até um ponto em que acreditamos de fato nessas palavras.

Quando menos esperamos, estamos jogados dentro de um mar de solidão, incompreensão e questionamento sobre quem somos. É todo santo dia, deitar a cabeça no travesseiro e não saber o que é de fato relaxar, uma onda de pensamentos invade nossa cabeça, como uma tempestade em meio ao oceano. Um grande buraco se abre no peito, dar lugar a uma névoa, densa, pesada. O próprio corpo se torna pesado. E por não aguentar mais, acabamos sucumbindo ao suicídio crendo piamente que isso irá tirar todo o peso e sofrimento que temos que aguentar caladas. Pois embora gritemos alto, no fim do dia, seremos sozinhas.

Nota da editoria:

Está passando por um momento difícil e precisa de ajuda? Você não está sozinha/o. Em parceria com o SUS, o CVV – Centro de Valorização da Vida realiza apoio emocional, prevenção do suicídio e atende voluntária e gratuitamente todas as pessoas que querem e precisam conversar, sob total sigilo, por telefone, e-mail e chat 24h todos os dias. Ligue 188 ou acesse: www.cvv.org.br

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Pedro Borges

Babu, obrigado por ser um homem preto

Fred Maia

A paciente 31 e o Decreto sobre a mesa

Márcio Santilli

Ganância ou solidariedade: qual será o nosso destino?

NINJA

Negro ou Preto? Eis a questão

Juca Ferreira

Tempos pretéritos

Márcio Santilli

Pandemia, apocalipse e superação

Sâmia Bomfim

Quem deve temer o impeachment de Bolsonaro?

Liana Cirne Lins

Dia da Mentira: entenda a farsa da PEC do orçamento de guerra

Márcio Santilli

Direto do confinamento: Heleno ordena a remoção de 30 quilombos em Alcântara (MA) em meio à pandemia

Juliana Cardoso

O impacto do coronavírus na vida das mulheres

Márcio Santilli

Direto do confinamento: Bolsonaro só acumulou derrotas desde que entrou na crise pela contramão

Jorgetânia Ferreira

Enfrentar o Covid-19 como uma mulher

André Barros

Notícia-Crime contra Bolsonaro III

Juan Manuel P. Domínguez

Um amargo batismo para a aldeia global

Márcio Santilli

Um observatório da sociedade para acompanhar o Congresso na crise