Papai foi um torcedor bairrista da zona leste de SP, coração alvinegro corinthiano! Quis o destino que antes que eu pudesse aprender mais com ele sobre seu amor pelo futebol, um acidente de moto tenha tornado a partilha mais difícil de se materializar. O acidente e os acontecimentos seguintes fizeram da nossa relação mais destroços do que sólidos sentimentos, embora eu tenha escolhido torcer para o Corinthians até os 20 anos.

Nascer, ser obrigada a ser “menina” e gostar de futebol nos anos 90 foi desafiador, mas nas minhas empreitadas de criança tudo sempre foi possível, ainda que com o mundo dizendo, sem dizer, ser impossível. Eu jogava, torcia, sofria, empreendia outras possibilidades de ser, sonhava e acreditava no futebol e no mundo. Até hoje acredito. A primeira vez que pisei no Pacaembú, e não poderia mesmo ser outro, foi através do meu pai e das ruínas da relação que aos 16 anos eu tentei reconstruir. Não esperava muito daquele momento, era só um estádio com um familiar desconhecido, as dores falavam mais alto que o coração. Por ironia do destino e uma surpresa pessoal sem fim, foi marcante não só na memória, mas na alma. Mesmo que eu tenha me dado conta disso mais de 10 anos depois. Não tinha muito o que trocar com meu pai, mas ali de frente pro gol assisti Carlitos Tevez empatando o jogo contra o Internacional em 1X1 e se tornar em 2005 campeão do Brasileiro. Na época eu ainda me identificava como Bianca, ainda sentia que minha presença incomodava tudo e a todos, que meu torcer não era bem-vindo, embora meu pai emanasse uma alegria sem fim de me ter ali a seu lado, do jeito dele, é claro. Talvez minha meninice tenha superado minha vontade de reconstruir essa relação familiar a partir do futebol.

Voltei imensamente feliz pra casa com a primeira camisa do Corinthians, presente do meu pai, mas foi só. Lembro como se fosse hoje da sensação de gritar gol e ver desaparecer todas as diferenças, incômodos e destroços. Por alguns segundos o mundo parou por completo. Felizmente antes de meu pai partir dessa vida tive a honra de me apresentar como Bernardo e a honra também que ele pudesse me ver jogar, não de forma profissional, mas como alguém que agora não só joga e torce por amor, como um perseguidor do propósito de ver todas as pessoas que tenham vontade de jogar e torcer, jogando e torcendo sem violência ou opressão.

Papai em 2019 com a fala debilitada pelos traumatismos cranianos que sofreu, superando todas as expectativas, conseguiu gritar um “Vai filhão!” entalado a vida toda.

Não o ouvi gritando, mas senti e soube pelo banco de reservas inteiro do time a emoção e a preciosidade que é ter um pai torcedor! O tempo é senhor de todas as possibilidades. Naquele momento e no agora já não existiam nem existem destroços ou amarguras da vida que não foi, só um pai apaixonado pelo filho que escolheu ser chamado de filho, que joga, torce e ama um time de futebol amador exclusivo para pessoas transmasculinas e que escolhe sonhar outras possibilidades de futebol para si e para o mundo. De onde quer que esteja, o coração alvinegro e generoso do papai, torce pelas minhas vitórias dentro e fora das quatro linhas e me ama como filho e eu a ele como pai. Obrigado pelo privilégio de partilhar a vida contigo, papai.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Estudantes NINJA

Paulo Freire e o encontro com bell hooks: Um diálogo transformador de celebração do amor e da liberdade crítica

Tatiana Barros

Artistas digitais criam NFTs criticando atos antidemocráticos

Márcio Santilli

Amazônia sem lei

Márcio Santilli

Ato bolsonarista no 7 de setembro é comício

Observatório das Eleições 2022

Cada plataforma, um universo: a pluralidade de temas do bolsonarismo e do lulismo no Twitter e no YouTube

Observatório das Eleições 2022

Por que o Auxílio Brasil turbinado não ajudou Bolsonaro entre os mais pobres?

Renata Frade

Lançamentos em Tecnologia por incríveis autoras brasileiras

Márcio Santilli

Estertores do bolsonarismo

Observatório das Eleições 2022

Globalização das eleições? Protestos de brasileiros no exterior

Observatório das Eleições 2022

Os Presidenciáveis e as Cidades

Renata Souza

O crescimento do PSOL é negro, feminista e popular

Observatório das Eleições 2022

Bolsonaro: o presidente-candidato ou o candidato-presidente?

Márcio Santilli

A abstenção pode influir no resultado da eleição?

Marielle Ramires

Um ecocídio em curso

Observatório das Eleições 2022

Ciro e Tebet somam 14% no Datafolha. E agora?