É o que sinto recebendo a Medalha da Inconfidência e é o que toda mulher negra de periferia que supera cotidianamente desafios deveria sentir

Tenho muito orgulho dos lugares que ocupo hoje, ser uma professora da educação infantil, advogada popular, deputada estadual – uma das poucas mulheres negras da história da ALMG – e presidenta da Comissão de Direitos Humanos. É nesse lugar, que hoje posso contribuir efetivamente para as causas que acredito, e dar voz, aos que assim como eu, um dia se sentiram invisíveis para o Estado.

A notícia (convite), para receber a mais alta honraria do estado de Minas Gerais me traz a esse lugar de nostalgia, de reviver os caminhos que percorri até chegar aqui. Desde menina pobre, empregada doméstica, primeira da família a ter um diploma, até o reconhecimento pelo trabalho de defesa dos direitos humanos.

Foto via Mandato Andreia de Jesus

A Medalha da Inconfidência carrega consigo um legado importante da história de Minas e do Brasil: a luta por liberdade e justiça – valores pelos quais eu também luto todos os dias. E passados mais de 200 anos desde a revolta que dá nome a medalha, é inegável a influência que Tiradentes e seus companheiros tiveram para a criação do sentimento republicano, que mais tarde nos livraria das amarras coloniais.

É reconhecendo tudo isso, que eu também sei o peso que é, uma mulher negra e periférica, ser condecorada com um título que decorre de um período onde pessoas como eu nem sequer eram vistas com humanidade. É preciso, e é importante, lembrar que a Inconfidência não foi um movimento que pregava a abolição da escravatura. Na verdade, alguns dos homens que integravam o movimento eram “donos” de escravos. Faço isso, não para renegar a honraria que me é dada, pelo contrário, invoco o passado para demarcar a importância desse presente e para continuar a construir um futuro.

E mesmo nesses 70 anos, desde que a Medalha foi criada no Governo de Juscelino Kubitschek, tenho certeza que centenas de homens negros, e principalmente, mulheres negras, que se destacaram “pela notoriedade de seu saber, cultura e relevantes serviços à coletividade” não receberam justas homenagens. Mas a cada ano mais mulheres negras entram para esta seleta lista que já foi dominada por homens brancos.

Foto via Mandato Andreia de Jesus

Agradeço o reconhecimento do meu trabalho, da minha luta e da minha trajetória de vida, mas mais do que uma honraria individual, recebo esta medalha como uma mulher negra de periferia que como tantas outras supera cotidianamente desafios. Penso na minha mãe, irmãs, amigas, vizinhas que me inspiraram e inspiram para seguir avançando na defesa da vida, dos direitos humanos e do bem viver ancorado no coletivo. E dedico a elas esta conquista.

Receber o título de honra me leva a pensar também nos meus ancestrais, nos muitos heróis e heroínas negras que foram apagadas da história sem que isso, de forma alguma, diminuíssem suas contribuições para que eu e outras pessoas negras possamos ser livres hoje. Então agradeço também aos líderes da Revolta dos Malês, em especial Luiza Mahin, pela luta incansável pela liberdade.E agradeço a todos, e principalmente todAs que vieram antes de mim e me guiaram pela luta que tem valores de justiça, liberdade, união e república, assim como queriam os inconfidentes, mas que agora isso se estenda à todas e todos, e essencialmente aos que mais precisam.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Juan Espinoza

Você sabe se Lula já é presidente?

Colunista NINJA

De mais uma COP de ‘blá blá blá’ para um acordo global pela infância

Juan Manuel P. Domínguez

O sinistro do golpismo

Juca Ferreira

Vencer ou vencer!

Observatório das Eleições 2022

Em SP, Lula amplia votação do PT em todas as cidades. Bolsonaro perde votos em 3 a cada 4 municípios

Márcio Santilli

Intervenção extraterrestre

Márcio Santilli

A arca do Lula

Juan Manuel P. Domínguez

Haiti, a revolução da consciência negra

Márcio Santilli

Valdemar manobra para segurar Bolsonaro

Jorgetânia Ferreira

Mataram João do Teatro em Araguari, Minas Gerais

Rede Justiça Criminal

Como o bolsonarismo resiste no Congresso e a mobilização da sociedade civil também

Colunista NINJA

80 anos de Paulinho da Viola e seu feitiço maduro

Observatório das Eleições 2022

Um Ministério dos Povos Originários: algumas reflexões sobre a proposta de Lula

Observatório das Eleições 2022

Eleitores do exterior dão a Lula sete pontos de vantagem sobre Bolsonaro, mas são esquecidos pelos analistas