Foto: Gabi Stradiotto/ Estudantes NINJA

Quando são muitas, as coincidências transformam-se em evidências. A primeira evidência é a de que o Presidente da República é um miliciano. Queiroz, ex-PM e assessor de gabinete de Flávio Bolsonaro, indicou para trabalhar no mesmo a mulher e a mãe de Adriano, ex-PM e chefe do escritório do crime da milícia. Hoje foragido, ele era “caveira”, assim como Ronnie Lessa, o exímio atirador escolhido para matar a vereadora Marielle Franco, vizinho de condomínio de Bolsonaro. Queiroz e Ronnie conheciam-se muito bem, há anos, e juntos tinham negócios em Rio das Pedras e Gardênia Azul, áreas da Zona Oeste da cidade do Rio de Janeiro dominadas pela milícia.

Amigo da família Bolsonaro há 30 anos, Queiroz foi descoberto pelo COAF – Conselho de Controle das Atividades Financeiras – que apurou a movimentação de 1 milhão e 200 mil reais na conta de Queiroz no Banco Itaú. O mesmo Conselho que Sérgio Moro tentou avocar para seu Ministério da Justiça, evidentemente, a fim de controlar esse tipo de movimentação. Além disso, Queiroz pagou, por uma cirurgia no Hospital Albert Einstein, em São Paulo, 133 mil reais em dinheiro vivo. Trata-se do mesmo hospital que fez a cirurgia em Bolsonaro, para tratá-lo de um atentado a “facada” ocorrido durante a campanha. O golpe perfuro-cortante, que não derramou uma gota de sangue sequer, foi usado como justificativa para que Bolsonaro não participasse de nenhum debate durante toda a campanha eleitoral.

Agora o Brasil entende porque Bolsonaro não queria participar de debates. Está demonstrando que é uma pessoa completamente despreparada para exercer o cargo de Presidente da República, que só diz tolices na hora e lugar errados. Um vendilhão da pátria que vai aos Estados Unidos dizer que nossas portas estão abertas para levarem o que quiserem, sem nem precisarem pagar!

É esse presidente que liberou a venda de armas às milícias e para quem quiser comprar, de preferência da marca Taurus. Ele ainda quer liberar a venda de fuzil, para dificultar a distribuição de terras desse imenso latifúndio brasileiro. Em poucos meses, legalizou 169 agrotóxicos que envenenam nossa comida. Vai sancionar uma lei de drogas (PLC 37) que visa lucrar com a internação involuntária de milhares de brasileiros a custo de 15 mil reais por paciente ao ano. Ainda quer entregar nossa aposentadoria para os bancos privados internacionais. É o governo de armas, venenos e internações, sem aposentadoria.

O corte de 30 % da educação foi o estopim para trazer a multidão novamente às ruas. Convocadas por compartilhamentos nas redes sociais, milhões de pessoas no Brasil saíram com o grito: “não vai ter corte, vai ter luta!” No dia 15 de maio, 500 mil pessoas tomaram a avenida Presidente Vargas no Rio de Janeiro. Como em junho de 2013, amanhã vai ser maior. No dia 30 de maio, voltaremos à avenida Presidente Vargas, e quantas vezes mais forem necessárias, até Bolsonaro sair da Presidência da República. Vamos cantar: “Doutor, eu não me engano, o Bolsonaro é miliciano!”

Assista o programa Fumaça do Bom Direito:

FORA BOLSONARO

Posted by André Barros on Tuesday, May 21, 2019

 

ANDRÉ BARROS, advogado da Marcha da Maconha, mestre em ciências penais, vice-presidente da Comissão de Direitos Sociais e Interlocução Sociopopular da OAB/RJ e membro do Instituto dos Advogados Brasileiros.

Rio de Janeiro, 25 de maio de 2019

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Juca Ferreira

A morte não pode governar o Brasil!

André Barros

Vetos genocidas do Bolsonaro

Boaventura de Sousa Santos

A universidade pós-pandêmica

Juan Manuel P. Domínguez

“O lugar do artista é na luta”. Diálogos de quarentena com Rael

Renata Souza

Stonewall Inn.: orgulhar-se é transgredir

Colunista NINJA

E se quisermos comer milho não transgênico? Por uma alimentação soberana

Boaventura de Sousa Santos

Os jogos da Direita: a TAP

Daniel Zen

Reaparições e coincidências

Jandira Feghali

Diga-me o que vetas...

afrolatinas

Contato com meu “Eu”

Colunista NINJA

O vírus e as trabalhadoras sexuais na Guaicurus, em Belo Horizonte

Juan Manuel P. Domínguez

"O DJ é um dos elementos pilares da cultura Hip Hop". Diálogos de quarentena com DJ Erick Jay

Randolfe Rodrigues

O Brasil que queremos no pós-pandemia

Jussara Basso

A cultura na periferia em tempos sombrios

Juan Manuel P. Domínguez

O demônio branco esteve infiltrado nos protestos pela morte de George Floyd