O artigo 33 da lei ordinária nº 11343, de 23 de agosto de 2006, a lei de drogas, representa a maior causa de encarceramento em presídios femininos e masculinos do país. O citado artigo possui 18 verbos:  importar, exportar, remeter, preparar, produzir, fabricar, adquirir, vender, expor, oferecer, ter, transportar, trazer, guardar, prescrever, ministrar, entregar e fornecer, ainda que gratuitamente Trata-se de uma espécie de coringa utilizado por delegados, promotores e juízes a fim de condenar qualquer usuário, plantador ou intermediário de drogas ilícitas como traficante a penas de 5 a 15 anos de reclusão em regime fechado.

A doutrina chama o verbo de núcleo do tipo. O tipo do artigo 33 caracteriza-se por um cerco verbal. Dele,  nas mãos de um punitivista conservador, ninguém consegue escapar, pois ele não quer saber que a lei criminal existe para proteger a liberdade de todos, principalmente das garras dos abusos de autoridade.

Normalmente, um tipo penal tem um verbo, como matar, subtrair, ofender, caluniar, ameaçar, sequestrar, se apropriar, obter etc. A conduta criminalizada precisa estar bem definida, pois consiste numa garantia de nossa liberdade para ninguém perder a sua se não praticar uma dessas ações verbais.

Trata-se da garantia mais importante da Revolução Francesa, que veio substituir o Império do Rei pelo Império da Lei. No absolutismo, tudo era crime de lesa-majestade, conduta indefinida que levava pessoas à fogueira e ao cadafalso. Esta conquista de 1789 na França está hoje no artigo 1º do Código Penal brasileiro e no inciso XXXIX do artigo 5º da Constituição Federal: “Não há crime sem lei anterior que o defina, nem pena sem prévia cominação legal”.

Portanto, o artigo 33 da Lei de Drogas é uma aberração jurídica por conta de sua indefinição e, como o crime de lesa-majestade no absolutismo, condena milhares de pessoas pobres e negras como traficantes em qualquer um de seus 18 verbos.

A droga que deve ser revogada é essa lei inconstitucional.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Márcio Santilli

Bancada da devastação

Marielle Ramires

Temos a responsabilidade de eleger a Bancada do Cocar

Observatório das Eleições 2022

#TragoVerdades: Aras também é o procurador-geral eleitoral

Andressa Pellanda

Da receita estragada de Bolsonaro ao banquete saboroso da educação libertadora

Observatório das Eleições 2022

Por que o problema da desinformação persiste, quatro anos depois da eleição de Bolsonaro

Bernardo Gonzales

“Vai filhão!”

Tatiana Barros

Maior prêmio de diversidade e inclusão empresarial do Brasil abre inscrições

Kelly Batista

Da ausência paterna ao vício em redes sociais; conheça Stromae, o artista que faz críticas sociais em suas letras e traz influência do funk carioca em seu novo álbum

Márcio Santilli

As presidenciáveis

Juan Espinoza

Defesa dos direitos das mulheres na comunidade pan-amazônica

Observatório das Eleições 2022

Financiamento público para mulheres e negros nas eleições 2022

Tatiana Barros

Projeto ‘Brasil com S’ promete levar cultura brasileira ao metaverso

Observatório das Eleições 2022

A eleição presidencial de 2022 vista pela clivagem regional: continuidade ou mudança?

Rede Justiça Criminal

Você sente segurança com mais prisões e polícia?

Campanha em Defesa do Cerrado

Júri do Tribunal Permanente dos Povos condena estados e empresas por genocídio de povos do Cerrado