Foto: Daniel Marenco

Um país está batendo continência pra milícia. O mundo inteiro já sabe que o ex-juiz Sérgio Moro tramou com seus acusadores a condenação de Lula, a fim de prendê-lo, tirar o ex-presidente da disputa eleitoral e eleger Bolsonaro. Num primeiro momento, a elite brasileira havia pensado que elegeria o PSDB. Entretanto, quando viu que para tirar o Lula e seus sucessores do poder era necessário apoiar o chefe da milícia, não vacilou nem por um instante.

Não sei se a elite brasileira imaginava que Bolsonaro era na verdade “capitão” da milícia. Porém, diante de todas as evidências, a responsabilidade histórica por tudo que vem acontecendo é da elite de milionários e bilionários que dominam o Brasil. Ela que não venha depois dizer que não sabia de toda a sujeira, hipocrisia e gravíssimas violações dos Direitos Humanos desse governo, pois será a grande responsável pela tragédia que passamos hoje no Brasil e por todo o retrocesso que herdaremos.

Depois do vazamento das mensagens pela internet e dos áudios que ainda virão, ninguém com alguma consciência pode alegar que tudo isso era “normal”. Primeiro, Sérgio Moro e Bolsonaro se esconderam e preferiram o silêncio sobre os vazamentos do The Intercept Brasil. Depois, pensando que somos otários, confirmaram as tratativas do caso e tentaram dizer que essa troca de mensagens acerca das peculiaridades e especificidades do processo entre o juiz e o Ministério Público é “normal”.

Depois do fracasso das duas teses defensivas, surgem com a única defesa possível, excluindo-se a confissão e a delação premiada: a alteração das mensagens. Negam o que já tinham confirmado antes! As mensagens são provas diretas de associação criminosa para condenar um ex-presidente da República e tirá-lo da disputa eleitoral. E, pior, de forma totalmente irresponsável, colocando na Presidência da República um verdadeiro bedel, que beija a bandeira dos Estados Unidos da América e bajula o Trump, envergonhando todo um país. Algo completamente desconexo, como se ainda vivêssemos na época da Guerra Fria, numa atitude de sabujismo totalmente descontextualizada em relação ao atual poder das transnacionais.

O julgamento do Lula foi uma total decepção. O STF não vai entrar nem no rodapé da História. Apesar da certeza das provas diretas apresentadas, no mínimo, por evidente dúvida, o Supremo deveria ter colocado Lula em liberdade. Ao menos, até ser totalmente esclarecido a evidente suspeição de Sérgio Moro, ex-juiz do caso e atual Ministro da Justiça e de Segurança Pública do governo Bolsonaro, e a nulidade de todo o processo.

Havia uma esperança de que o STF fosse forte, que não tremeria diante de um governo de milícia. Até o fraquíssimo Congresso Nacional, repleto de parlamentares eleitos na “onda Bolsonaro”, já demonstrou algum descontentamento com o atual governo. Mas a luta continua e muitos áudios ainda estão por vir. Por conta da pressão nacional, do escândalo internacional decorrente da prisão de Lula e da série de trapalhadas desse desgoverno, esse julgamento será marcado. O Supremo terá ainda mais uma chance.
A garantia de que todas as pessoas têm de ser julgadas por um juiz imparcial é universal, está na Declaração Universal dos Direitos Humanos. A liberdade de Lula neste momento é muito importante para a democracia no Brasil.

Confira o programa Fumaça do Bom Direito, de André Barros.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Bruno Ramos

Um ano do massacre de Paraisópolis

NINJA

Para Ver a Luz do Sol. 40 anos de reexistência cosmopolítica no Bixiga

Jorgetânia Ferreira

São Paulo merece Erundina

Bancada Feminista do PSOL

Do #EleNão ao Boulos e Erundina sim!

Fabio Py

Dez motivos para não votar no Crivella: às urnas de luvas!

Filipe Saboia

Recapitulando

Márcio Santilli

O que esperar de um próximo mandato presidencial

História Oral

O Mitomaníaco e os efeitos eleitorais da Pós-Falsidade

Márcio Santilli

Bolsonaro-Frankenstein: cara de pau, coração de pedra e cabeça-de-bagre

Cleidiana Ramos

O furacão de tristezas que chegou neste 20 de novembro insiste em ficar

Colunista NINJA

LGBTI+ de direita: precisamos de representatividade acrítica?

Juan Manuel P. Domínguez

São Paulo poderia ser uma Stalingrado eleitoral

Colunista NINJA

A histórica eleição de uma bancada negra em Porto Alegre

Bancada Feminista do PSOL

Três motivos para votar na Bancada Feminista do PSOL

Carina Vitral da Bancada Feminista

Trump derrotado nos Estados Unidos, agora é derrotar o bolsonarismo na eleição de domingo no Brasil