“Alguém, creio, um dia se lembrará de nós no futuro”

Safo de Lesbos- 640 antes de Cristo

29 de Agosto é o Dia Nacional da Visibilidade Lésbica, a data surgiu em 29/08/1996 quando ativistas lésbicas se reuniram no Rio de Janeiro, para debaterem pautas relacionadas às vivências lésbicas e trouxeram as demandas de todo território nacional, como: trabalho, segurança, educação e outros temas. 

Quantas sapatonas vocês conhecem? Quantas vocês viram na televisão? Quantas estão trabalhando na sua empresa? Quantas famílias compostas por duas sapatonas fazem parte do seu círculo de amizade? Qual foi a última vez que vocês leram alguma sapatona? Quantas sapatonas na política vocês conhecem?

Nós sapatonas existimos, estamos vivendo por ai como vocês. Somos corpos políticos de resistência. Mas a sociedade construída com base em normas sociais heteronormativas, o tempo todo tenta nos esconder ou aniquilar a nossa existência. Ser visível é ser visto! O que não é visto não é considerado humano e acaba não sendo digno de direitos como os outros grupos sociais.

O desemprego, a desigualdade salarial e a falta de direitos trabalhistas nos afetam bruscamente. Só neste primeiro semestre de 2021, a taxa de desemprego de mulheres já estava em 17,9%, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), iniciada em 2012. Muitas de nós estamos inseridas em circuitos informais de trabalho, e em cargos que foram ainda mais atacados pela última reforma trabalhista do governo federal.

A nossa visibilidade é constantemente negociada quando assumem a heterossexulidade em todos espaços. Esse apagamento faz com que nossas especificidades sejam apagadas, que passemos desde falta de respeito a violências médicas, agressões físicas, assédio moral, abuso e morte. Se não conseguem nos ver, nos conhecer, acabamos sendo cada vez mais vítimas de todo conservadorismo lesbofóbico. 

A visibilidade lésbica é um direito humano! Por cada vez mais sapatonas visíveis. Seguimos na luta. Até a próxima.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

NINJA Esporte Clube

Brazilian Storm: Brasileiros chegam às finais da WSL, têm título inédito consagrado e estão entre os melhores do mundo

Movimento dos Pequenos Agricultores

O povo quer feijão e não fuzil: o Rio de Janeiro também produz feijão agroecológico

NINJA Esporte Clube

Corinthians supera Palmeiras e sai com vantagem pelo título do Brasileirão Feminino

Fred Maia

Correio deselegante de um flerte golpista

Renata Frade

Brasileiras combatem preconceito e racismo no sistema de saúde dos Estados Unidos 

Márcio Santilli

A peça que falta

Renata Lima

Aumento da pornografia infantil nas redes sociais e jogos online durante a pandemia

Juca Ferreira

O golpe virou tiro no pé

Márcio Santilli

Terras Indígenas: dá para resolver

Ana Claudino

Visibilidade lésbica é um direito humano!

Jorgetânia Ferreira

Assistam Valentina: a força do interior de Minas trans

William Filho

Por que tantas pessoas estão cultivando maconha?

Juca Ferreira

O tigrão golpista virou um gatinho democrático?

Luana Alves

Vacinação, segunda dose e defesa da vida nas periferias!