“E nesse mundo criaremos nossas crianças livres para escolher a melhor maneira de se sentir realizadas. Pois somos coletivamente responsáveis pelo cuidado e pela criação dos jovens, uma vez que criá-los é, enfim, uma função da espécie.” O filho homem: reflexões de uma lésbica negra e feminista, Audre Lorde.

Fui criada por três mulheres héteros, tenho o privilégio de ter três mães: a minha avó Dona Vera, minha mãe Ana Cristina e a minha tia Ana Lúcia. Na minha família, nunca teve essa questão de apenas uma mulher ser responsável pelas crianças, todas tinham um pouco de responsabilidade com a nossa criação e cuidados. 

No dia das mães da escola, sempre era uma questão para mim o fato de só poder homenagear uma mãe por vez, realmente nunca entendi aquilo. A minha família está longe de ser essa do comercial de margarina: branca, classe média alta e residente de alguma área nobre da cidade. 

A minha família não é a tradicional brasileira (ainda bem), como aquela nuclear dos comerciais de margarina. Fui criada pelos meus avós maternos com a presença da minha mãe, da minha tia e de várias outras primas/tias por perto, somos uma família do subúrbio do Rio de Janeiro. 

Por causa de tudo isso, nunca tive problemas para entender que família é algo plural e existem diversas formas de se constituir uma família. O afeto e o respeito são elementos fundamentais para existência de uma família, por isso também podemos escolher a nossa própria família, podemos ter mais de uma inclusive. Família é onde existe o amor!

Por causa da heteronormatividade estrutural, aquela ideologia onde apenas o homem heterossexual e a mulher heterossexual podem constituir uma família, vale uma observação aqui para dizer que essa “autorização de construção de família’’ é permitida basicamente para pessoas brancas, a gente acaba acreditando que não existem outros tipos de família. Existe um apagamento ideológico com direcionamento político-social legitimado não apenas pela heteronormatividade mas também pelo Estado. 

Existe toda uma estrutura social para dizer que lésbicas não podem ser mães e constituir família. Trazendo novamente a heteronormatividade para o debate, por causa dela existe esse pensamento mentiroso de que: lésbicas não são mulheres e lésbicas querem tentar ser homem, logo não podem ser mães. Esse argumento é completamente lesbofóbico e mentiroso. 

Como já afirmei em outros textos aqui da minha coluna, lésbicas são plurais e possuem diversas vivências diferentes. Nós podemos ser o que quisermos ser, inclusive ser mães e construir uma família com nossas companheiras.

A maternidade lésbica existe! Lésbicas também são mães, nossas famílias existem e precisam ser respeitadas. Por isso hoje desejo um feliz dia das mães para todas as lésbicas que são mães e para todas as famílias em suas mais diversas formas.
Inclusive, fiquei muito feliz esse ano quando soube do nascimento do filho da jogadora da seleção de futebol Cris Rozeira e sua esposa, a advogada Ana Paula Garcia. Bento nasceu no dia internacional da visibilidade lésbica. Coincidência mais linda, não?

 

View this post on Instagram

 

A post shared by Cristiane Rozeira (@crisrozeira)

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Juca Ferreira

Democracia e Genocídio

XEPA

O Veganismo Popular não comemora o aumento do preço da carne

Ivana Bentes

De novo a barbárie

Renata Souza

Um mês da chacina do Jacarezinho — Pelo fim do regime de exceção nas favelas

Ivana Bentes

"Nem de esquerda, nem de direita". Se isentar é delirante!

Juliana Cardoso

Não podemos mais esperar por programas sérios contra a gravidez na adolescência

Tatiana Barros

Live coding e o mundo do DevRel

Juan Manuel P. Domínguez

As bombas que não mataram. O que fazer sob regime fascista?

Amanda Pellini

E @ palhaç@ o que é... uma figura que se posiciona! A posição do riso na rede, um manifesto!

Daniel Zen

O golpe tava aí. Caiu quem quis...

Colunista NINJA

Ancestralidade de jovens da Chapada Diamantina juntam do-in antropológico de Gil à Lei Aldir Blanc

Daniel Zen

A mentira como método de (des)construção política

Bancada Feminista do PSOL

Mês do meio ambiente: é hora de garantir nosso futuro

Márcio Santilli

A crise institucional do Exército 

Moara Saboia

Contagem no clima: é urgente e necessária a transição ecológica da cidade