(FOTO: JULIA RODRIGUES)

(FOTO: JULIA RODRIGUES)

Enquanto a ciência falava de nós, pessoas trans, e estávamos quietinhas em nosso lugar, felizes pela atenção recebida, parecia estar tudo indo muitíssimo bem. Mas à medida que esses discursos falando de nós ou, melhor, mesmo falando de nós foram se firmando um campo de estudos relevante para se pensar o gênero e a própria condição humana, acabamos nos dando conta da importância do nosso olhar, da nossa perspectiva privilegiada, e sentindo a necessidade de começar a pleitear participação nesse espaço, agora não mais como objetos de estudo apenas e, sim, como produtoras de conhecimento.

E nisso o primeiro choque: passarmos a acreditar não só que podíamos falar de nós (o que somos, o que deixamos de ser), como também que isso que tínhamos a dizer merecia atenção, ser levado em conta. À psiquiatria devemos o nome que nos permitiu existir, transexualismo, travestismo, mas assim que tomamos as rédeas de nossa existência, junto fomos nos apercebendo das limitações desse olhar patologizador e de o quanto ele nos impunha um eterno estado de subserviência em relação aos saberes médicos (laudos, cirurgias, terapia hormonal, tratamentos estéticos) e em relação às noções pré-estabelecidas de homem e mulher.

Sim, primeiro tivemos que virar doentes mentais (“pessoas que sofrem de transtorno de identidade de gênero”) para, só então, podermos começar a reivindicar um lugar ao sol.

Hoje, no entanto, quanto mais nosso lugar ao sol vai se assegurando, mais ganhamos confiança para questionar os limites estreitos do cercadinho que puseram à nossa volta, cercadinho que, no fundo, tudo o que quer é evitar que ameacemos a estrutura opressora, sexista que nos forma a todos, trans e não-trans.

“Ser mulher é ter ou querer ter vagina”, “ser homem, pênis”, “trans de verdade odeia o próprio genital”, “tem horror a se masturbar”, “precisa ser hétero” (senão é só caso de fetichismo, vê se pode!)… a psiquiatria cria essa ficção para nos dar nome, mas trata como inatos esses atributos todos, nunca os pondo em questão, nunca se perguntando o quanto a sociedade em questão (suas verdades, seus dogmas) não seria responsável por fazer com que tivéssemos uma relação complicada com nossos corpos e sexualidades.

Dez anos atrás, você só conseguiria retificar seus documentos se tivesse passado por uma cirurgia de redesignação sexual (a famosa “mudança de sexo”), mas hoje cada vez mais a justiça vai se apercebendo do quão absurdo é estabelecer cirurgia como pré-requisito para a retificação, uma vez que as filas no SUS podem levar décadas, uma vez que não é tão simples termos 40 mil reais sobrando para fazer no particular, uma vez que muitas pessoas trans só desejam fazê-la por ela permitir que o Estado reconheça oficialmente a nossa identidade, uma vez que nem todo mundo quer cirurgia.

O “trans de verdade” dos manuais médicos já não encontra respaldo nos discursos que a comunidade trans constrói sobre si.

A gente está cada vez afirmando com mais força a verdade das expressões “mulher com pênis” e “homem com vagina” (verdades que vão garantindo que as próximas gerações trans possam pensar a si mesmas para além desses discursos patologizantes). O primeiro choque foi quando se deram conta de que o que tínhamos a falar de nós merecia atenção, imagina quando descobrirem que a gente não sabe falar só de nós, mas também do não-nós, eles.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Bruno Ramos

Um ano do massacre de Paraisópolis

NINJA

Para Ver a Luz do Sol. 40 anos de reexistência cosmopolítica no Bixiga

Jorgetânia Ferreira

São Paulo merece Erundina

Bancada Feminista do PSOL

Do #EleNão ao Boulos e Erundina sim!

Fabio Py

Dez motivos para não votar no Crivella: às urnas de luvas!

História Oral

O Mitomaníaco e os efeitos eleitorais da Pós-Falsidade

Márcio Santilli

Bolsonaro-Frankenstein: cara de pau, coração de pedra e cabeça-de-bagre

Cleidiana Ramos

O furacão de tristezas que chegou neste 20 de novembro insiste em ficar

Tatiana Barros

Como nasce um hub de inovação que empodera pessoas negras

História Oral

Quando tudo for privatizado, o povo será privado de tudo e o Amapá é prova disso

Colunista NINJA

LGBTI+ de direita: precisamos de representatividade acrítica?

Juan Manuel P. Domínguez

São Paulo poderia ser uma Stalingrado eleitoral

Colunista NINJA

A histórica eleição de uma bancada negra em Porto Alegre

Bancada Feminista do PSOL

Três motivos para votar na Bancada Feminista do PSOL

Carina Vitral da Bancada Feminista

Trump derrotado nos Estados Unidos, agora é derrotar o bolsonarismo na eleição de domingo no Brasil