Tema da redação do ENEm de 2015 foi a violência contra a mulher.

ENEM às vésperas de ocorrer e surge uma decisão judicial determinando a inconstitucionalidade da norma que estabelecia nota zero, sem direito a correção, às redações que atentassem contra os direitos humanos. O enunciado (invalidar a norma que zera redações que atentem contra os direitos humanos) é por si só assustador e me faz pensar em como ainda é possível dizer esse tipo de frase em voz alta.Foram zeradas no último ENEM redações, por exemplo, que defenderam a supressão da liberdade de expressão como forma de combater a intolerância religiosa ou, então, que propuseram a implantação de uma doutrina única para todo o país, para além de casos mais radicais como o da proposta de proibição de todas as religiões e também o do retorno do olho por olho, dente por dente: “que a cada agressão cometida o agressor receba na mesma medida, tanto agressões físicas quanto mentais”.

O que levaria o critério que anulou essas redações a ser considerado por demais subjetivo (motivo que orientou a decisão do magistrado sobre a inconstitucionalidade da norma do ENEM), mas não o que recentemente levou às diversas proibições da peça teatral em que Jesus é vivido por uma travesti, “O Evangelho Segundo Jesus, Rainha do Céu”?

É como se a liberdade de expressão de alguns (e sabemos bem quais “alguns” seriam esses) devesse ser resguardada, assim como o direito à liberdade religiosa de algumas religiões específicas, não todas. É como, também, se disséssemos que os estabelecimentos de ensino (orientados que estão pelos conteúdos que caem no ENEM e nos vestibulares) não devessem se pautar por construir uma sociedade onde grupos os mais diversos conseguissem conviver respeitosamente.

A retirada do debate de gênero dos Planos de Educação, o avanço do Escola Sem Partido Brasil afora, a autorização do ensino religioso em escolas públicas (e, novamente, sabemos quais as religiões que serão “ensinadas”), aí agora o ataque ao ENEM, instituição que vem se notabilizando por querer peitar tanto o fundamentalismo religioso (não à toa o tema da redação passada, “intolerância religiosa”), quanto o machismo que permeia nossa cultura (redação sobre violência contra a mulher dois anos atrás, exercício discutindo Simone de Beauvoir, etc).

Tudo isso se trata de retaliações ao que mulheres, pessoas negras e LGBTs têm conquistado nos últimos tempos.

Nunca se falou tanto de gênero, sexualidade e da questão racial, nunca esses movimentos tiveram tanta voz quanto hoje, tanto alcance, seja em escolas, redes sociais ou mídia, e a resposta a isso é uma tentativa de nos calar por decreto, de cima para baixo, inviabilizando as brechas que construímos para também poder chamar de nossa a sociedade.

O conservadorismo vem sentindo a necessidade de se organizar para frear nossas conquistas, para nos varrer de volta pra debaixo do tapete, e isso é sinal evidente da nossa força, sinal de que incomodamos e de que já não nos bastam os guetos.

Prova disso é a importância que a literatura de autoria feminina vem assumindo, o debate feminista e negro impactando os vestibulares, a aprovação de cotas étnico-raciais em cada vez mais universidades públicas. Quatro anos atrás, no ápice das discussões sobre racismo na obra de Monteiro Lobato, a Unicamp (que possui o acervo desse escritor) decidiu colocá-lo na sua lista de livros obrigatórios, mas, agora, a mesmíssima universidade julgou por bem tirar esse autor da lista e colocar no lugar “Quarto de despejo — Diário de uma favelada”, de Maria Carolina de Jesus, para o desespero de racistas e machistas que sequer consideram literatura a obra dessa mulher incrível.

Acham que foi por acaso, por serem bonzinhos?

Sinal da nossa força, não nos esqueçamos disso.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Roger Cipó

Carta a Raull Santiago

Renata Souza

A festa é nossa, o corpo é meu!

Boaventura de Sousa Santos

O desenvelhecimento do mundo

Preta Rara

Ministro Paulo Guedes, fui empregada doméstica e preciso te dizer uma coisa

Roger Cipó

A racialização do homem branco que se faz de régua e regra

Daniel Zen

Jaguncismo de novo tipo como método de intimidação política

Jonas Maria

Trans nos esportes: o projeto, a incoerência e a transfobia

André Barros

Politizar é carnavalizar

Ana Claudino

Feminismo, Big Brother, bolhas e classes sociais

Ana Júlia

Continuaremos a apoiar meninas e mulheres na ciência?

Victoria Henrique

Trabalhadores do RJ que vendem água mineral na rua para você, sequer têm água mineral em casa para beber

Jorgetânia Ferreira

Somos todas domésticas?

Tatiana Barros

Madá, o ciberespaço e a história da internet

Daniel Zen

Um Posto Ypiranga sem combustível

Randolfe Rodrigues

A demagogia governamental contra o Bolsa Família