Imagem: Divulgação

Na última semana o Instituto Afrolatinas colocou no ar uma campanha de financiamento coletivo para a criação da Casa Afrolatinas – mais um sonho gestado a partir do maior festival de mulheres negras da América Latina, o Festival Latinidades.

Há 13 anos funcionando como plataforma de formação, cultura, inovação, impacto social, encontro, encanto e resistência, agora queremos dar mais um passo e construir a Casa Afrolatinas. Como diria Sueide Kintê: “trocamos de pele pra passar de fase”. Queremos abrir a nossa casa de afetos o ano todo!

Inspiradas nos antigos modelos de lanhouse e nos novos desafios em tempos de digitalização, a Casa Afrolatinas se propõe a oferecer suporte para mulheres negras, jovens, população LGBTQIAP+ e perifériques. A casa tem o objetivo de dar suporte para as trajetórias, negócios e potencialidades da nossa comunidade. Internet, estrutura e tudo aquilo que pode ser considerado básico para alguns, ainda não é realidade para o nosso povo, mas, se depender de nós, será.

Nosso sonho vai tomar forma no Varjão, comunidade periférica do Distrito Federal com a população de 80% de pessoas negras e que escancara a dualidade existente entre a proximidade física do Plano Piloto e a distância no acesso às oportunidades. Existe vida (e muita!) pra além do cartão postal da Esplanada dos Ministérios. Aqui no Varjão o racismo ambiental nos lembra o tempo todo que a cidade planejada foi construída para excluir e não para incluir. Ao mesmo tempo as tecnologias ancestrais e o legado de mulheres negras que vieram antes de nós nos coloca, mais uma vez, em posição de criar nossos próprios espaços e oportunidades: para nós e para nossa comunidade. É nós por nós!

Quem somos?

O Instituto Afrolatinas é organização de mulheres negras sediada no Varjão, Distrito Federal. Mulheres entre 23 e 45 anos de idade, cujas trajetórias se somam à missão da entidade. Desenvolvemos ações transversais a partir do lugar das artes, da cultura e da educomunicação. Somos plataforma de formação, aceleração, inovação, tecnologia e impacto social e nos valemos de metodologias disruptivas para atuar nos temas do empreendedorismo; geração de renda; produção, gestão cultural, políticas públicas e empoderamento, especialmente, de mulheres e meninas negras.

Atuamos para articular e fortalecer diferentes saberes: nas artes, na academia, na rua, em casa, na escola, no chão de fábrica, na comunicação, nos movimentos sociais, nos legados ancestrais… na diversidade infinita das nossas potências e possibilidades de produção de conhecimento. Acreditamos no papel cidadão, político, econômico, inclusivo e inventivo das artes e da cultura, diante das transformações que o mundo necessita. Assim nos movemos.

Durante a pandemia temos nos concentrado em desenvolver projetos para gerar renda e oportunidades para empreendedoras criativas e intelectuais negras.

É possível apoiar a criação da Casa Afrolatinas doando e ou compartilhando a campanha. www.benfeitoria.com/casaafrolatinas. Cada real vale muito!

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Jorgetânia Ferreira

São Paulo merece Erundina

Bancada Feminista do PSOL

Do #EleNão ao Boulos e Erundina sim!

Fabio Py

Dez motivos para não votar no Crivella: às urnas de luvas!

Dríade Aguiar

Se matarem meu pai no mercado

transpoetas

Mês da Consciência Transnegra

Márcio Santilli

Bolsonaro-Frankenstein: cara de pau, coração de pedra e cabeça-de-bagre

Cleidiana Ramos

O furacão de tristezas que chegou neste 20 de novembro insiste em ficar

Tatiana Barros

Como nasce um hub de inovação que empodera pessoas negras

História Oral

Quando tudo for privatizado, o povo será privado de tudo e o Amapá é prova disso

Fabio Py

Derrotar Crivella para destronar o falso messias

Colunista NINJA

LGBTI+ de direita: precisamos de representatividade acrítica?

Juan Manuel P. Domínguez

São Paulo poderia ser uma Stalingrado eleitoral

Colunista NINJA

A histórica eleição de uma bancada negra em Porto Alegre

Bancada Feminista do PSOL

Três motivos para votar na Bancada Feminista do PSOL

Carina Vitral da Bancada Feminista

Trump derrotado nos Estados Unidos, agora é derrotar o bolsonarismo na eleição de domingo no Brasil