OFICINA 60 RODA VIVA: SONHA E INVESTE QUE DÁ!

 

.

.

#QueroRodaVivaNoTeatroOficina
#SonhaQueDáRodaVivaNoTeatroOficina

16 de agosto de 2018, lua crescendo em sagitário, começam as campanhas políticas para as eleições no Brasil. O Teatro Oficina Uzyna Uzona celebra os 57 anos de seu espaço, na rua jaceguai, 520, Bixiga, São Pã. Nesta quinta-feira se inicia uma grande campanha de financiamento coletivo, um gesto cosmopolítico, de alegria y de luta, para que a celebração do 60º aniversário da companhia, em outubro, aconteça em plena potência e abra os caminhos para uma longa continuidade desse núcleo de trabalho.

O lançamento dessa campanha sincrônica com a campanha eleitoral não é coincidência. Ela põe em cena a CULTURA, que esteve ausente dos temas do primeiro debate dos candidatos à presidência, no centro das discussões políticas, porque CULTURA é INFRA–ESTRUTURA da VIDA.

Nesse dia, também celebramos nossa estreia como colunistas da Mídia Ninja.

Uma coluna que é a cara do Teatro Oficina – um coro de colunistas, multi–artistas.

Neste momento de grande efervescência no país de lutas antropofágicas em contracenação com forças de asfixia sobre a arte y a cultura, clamamos a todxs os povos, movimentos, desejos, pensamentos, pessoas, plantas, potências, pássaros, poetas, cientistas dos saberes da vida e dos corpos, para que celebrem conosco esse momento de reexistência investindo na potência do OFICINA 60 chamando Roda Viva. É preciso restaurar o prédio, obra de arte de Lina Bo bardi e Edson Elito, onde vive e cria a Companhia de teatro mais longeva em atividade no país;  é preciso cuidar do corpo técnico e artístico dessa Uzyna; é preciso equipar as áreas de criação neste teatro: vídeo, luz, som, arquitetura cênica; é preciso recuperar o fôlego para, em plena potência, receber RODA VIVA.

Mais que um grupo, o TEAT(R)O OFICINA é um movimento, uma eletricidade, que coloca em cena a arte e a cultura como infraestruturas da vida. Criamos incessantemente, tendo a antropofagia como linha estética da Companhia e uma perspectiva cosmopolítica como seiva que nos desperta para a cidade e afia as encenações com o aqui agora da pulsão da vida.

Faça parte dessa histórica mobilização em direção à vida! O crowdfunding que dará vida às comemorações dos 60 anos do Teat(r)o Oficina permitirá a continuidade do trabalho de criação e pesquisa da mais longeva companhia de teatro do Brasil e a manutenção de seu edifício obra de arte. Esse trabalho tem um valor incomensurável para a arte e cultura.

PRECISAMOS ATINGIR A META-TESÃO-DESSA-FESTA!
ESTE FINANCIAMENTO COLETIVO É UMA APOSTA NA CULTURA!
É TUDO OU NADA!
A CULTURA É INFRA-ESTRUTURA DA VIDA!

Somos um patrimônio vivo do teatro, da arquitetura, da liberdade e estamos em festa pelos 60 anos de reexistência dessa obra de arte! Estamos vivos! e precisamos do fogo de vida de cada uma e de cada um de vocês, criando um cordão dourado de co-produtores dessa existência cosmopolítica!

Criado coletivamente há 6 décadas por quase 2000 artistas, o Oficina tem como diretor o maior encenador brasileiro, José Celso Martinez Corrêa. Um dos expoentes dessa criação é a sede da companhia, o prédio, obra de arte de Lina Bo Bardi e Edson Elito, tombada como patrimônio nacional, localizado no bairro do Bixiga, um mangue fértil da cidade, que luta para não ter toda forma de vida, diversa e potente, esmagada pela especulação imobiliária. No Teat(r)o Oficina arquitetura e encenação são indissociáveis y por essa alquimia, em 2015, foi reconhecido pelo jornal britânico The Guardian como o teatro mais bonito e intenso do mundo, seguido por Epidaurus, na Grécia!

Arte, cultura y imaginação são infra–estruturas da vida, fundamentais para viver y enfrentar momentos de crise y instabilidade como os que atravessamos agora. Há 60 anos a companhia Teat(r)o Oficina Uzyna Uzona produz, ininterruptamente arte, ciência y cultura. Somos um movimento, uma potência.

Essa campanha é um movimento coletivo de amantes da arte e da vida! Um movimento que deseja o Teat(r)o Oficina forte! Calibrado técnica e artisticamente em sua plena potência para receber o fogo histórico e sempre presente de RODA VIVA. A valoração econômica, através dessa campanha de crowdfunding, é fundamental para a manutenção do edifício, obra de arte tombada pelo CONPRESP, CONDEPHAAT e IPHAN e premiada na Quadrienal de Praga.

A crise política que vivemos se revela na grave e sintomática falta de políticas públicas de incentivo à cultura. Em 2016, perdemos o patrocínio da Petrobras, que por 11 anos nos fomentou o trabalho, a pesquisa y a criação. O resultado dessa interrupção ameaça a continuidade, em plena potência, deste trabalho tão valioso. Sem o patrocínio está comprometida a manutenção do espaço, dos equipamentos e principalmente a montagem de novos espetáculos. Vivemos neste momento uma ascensão moralista no Brasil (e no mundo) que criminaliza a arte e a cultura. O investimento público nessas áreas nos últimos dois anos teve uma drástica redução e pode deixar uma cicatriz irreversível na formação cultural brasileira. Caminhamos a passos largos para um emburrecimento geral da nação. Artistas estão sendo perseguidos, censurados y proibidos de trabalhar por governos y por parte da sociedade civil. Com o Teat(r)o Oficina não é diferente. Somos hoje a Companhia de Teatro mais longeva em atividade no país y, no entanto, pela nossa linguagem, pela nossa dimensão, pela nossa maneira de existir, vivemos uma real ameaça de extinção: como as Baleias Azuis, os Recifes de Coral, ESTAMOS VIVOS, lutando para continuar.

Fernanda Montenegro, xamã do Teatro, em entrevista recente nos alerta: quando o teatro vai mal, o país vai mal. Neste 2018, RODA VIVA, peça de CHICO BUARQUE encenada pelo TEATRO OFICINA, completa 50 anos. A primeira montagem foi atacada y interrompida brutalmente pelo Comando de Caça aos Comunistas (CCC) na Ditadura Civil Militar. RODA VIVA é acontecimento. Nesse momento de censura, perseguição y criminalização de artistas, de linguagens, de liberdades, desejamos RODA VIVA no Teat(r)o Oficina, no AQUI AGORA de 2018. Somos labaredas em tempos de insurreição! Para receber RODA VIVA na nossa terra, o Teat(r)o Oficina, será preciso restaurar, preservar y dar fôlego à manutenção do espaço, como um ato cosmopolítico de reexistência.

O TEATRO É A ARTE DO ENCONTRO AO VIVO. Somos um teatro de coro que atua com a multidão, ligado à vida, às cidades, à terra. Em abril deste ano, um coro de artistas unido à uma pequena multidão ávida de viva, financiou a temporada de O REI DA VELA, espetáculo icônico da companhia, no Rio de Janeiro, em um crowdfunding bem sucedido na Benfeitoria. Essa empreitada foi coroada com um enorme sucesso de crítica e público, que lotou todas as sessões da magnífica Grande Sala da Cidade das Artes. Essa experiência nos dá fôlego para mais uma vez CHAMAR O CORO DA MULTIDÃO para esta CAMPANHA COLETIVA, ainda mais ousada. Queremos criar, juntxs, um cordão dourado de amantes que financie coletivamente essa arte praticada desde 1958 e seu espaço, patrimônios artísticos brasileiros.

FAÇA PARTE DESSA HISTÓRIA DE 60 ANOS! Participe dessa CAMPANHA COLETIVA DE FINANCIAMENTO: OFICINA 60 #QueroRodaVivaNoTeatroOficina

 

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Monique Prada

Monique Prada: Pode a puta de luxo falar?

Renata Mielli

Fake News: A apologia da verdade como instrumento de censura

Ivana Bentes

Museu Nacional: Não é acidente, é barbárie!

Lindbergh Farias

Lindbergh Farias: Globo não me representa

Israel do Vale

Israel Do Vale: O que será da Folha nas mãos do irmão que sempre cuidou da área comercial?

Laio Rocha

Como frear o encarceramento em massa no Brasil e nos EUA?

Pastor Ariovaldo

Pastor Ariovaldo: Trabalho como estímulo para o progresso da comunidade

Ericka Gavinho

Ericka Gavinho: Em que sociedade nos transformamos?

Renata Mielli

Caso Bolsonaro: vamos conversar sobre fascismo e ódio?

Gabinetona

Plano diretor e a luta pela gestão democrática das cidades

Tulio Ribeiro

Mattis e o roubo do século

Tulio Ribeiro

A dolarização e o neocolonialismo

André Barros

Paes é Cabral. Cabral é Paes

André Barros

Criminalização racista da maconha

Jean Wyllys

Jean Wyllys: 6 perguntas para Jair Bolsonaro