Foto: André Mantelli

Nós, Teatro Oficina Uzyna Uzona
nos solidarizamos ao Museu Nacional,
Y nos inflamamos, em coro de reexistência, para uma longa luta COSMOPOLÍTICA contra as políticas de destruição das ciências, dos saberes, da memória, da arte y da cultura em curso neste país.

Hoje, transfigurados em cinzas, 200 anos de história arrancados de nós.

É urgente encarnar a força da INSURREIÇÃO nos corpos diante da sucessão de tragédias nesta terra, brasil.

A queda vertiginosa no orçamento – e do pensamento ligado à ciência, arte, cultura e transe – neste país, é diretamente proporcional à altura e ao calor das chamas que comem nossa memória em carne viva.

Aqui agora: museu nacional e tantos outros de nós, humanos e não-humanos: símbolos atômicos em perigo! aparecemos e desaparecemos, acendemos e apagamos, cardioeletricamente plugados, em contracenação com as políticas de morte do Estado contras os povos, aliadas à tabela periódica das políticas de emburrecimento geral da nação.

Até abril deste ano, foram aplicados somente 54 mil reais na instituição
info via Tarcísio Motta

VEM
JUSTIÇA JUSTA DE XANGÔ
VISÍVEL
RAIA JÁ!
DE MACHADO LUMINADO!
– canto pra xangô em Bacantes, no Teatro Oficina Uzyna Uzona.

SEJAMOS FÔLEGO Y FORÇA
UNS AOS OUTRXS
A LUTA É COSMOPOLÍTICA

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Felipe Milanez

Assassinato de indigenista da Funai na Amazônia precisa de investigação federal

Mônica Horta

Moda democrática e o novo mundo

Estudantes NINJA

O Brasil está em chamas e a rua te chama

Benedita da Silva

Benedita da Silva: Bolsonaro imita Nero

André Barros

Não se combate o tráfico na favela

NINJA

Toninho Geraes: “Sou a favor do grito de liberdade contra essa tirania que assola o país”

NINJA

O escândalo das eleições gerais em Trinidad & Tobago

NINJA

“Precisamos ter voz para acabar com essa onda da extrema direita”, alerta Teresa Cristina

NINJA

Feminismo nas igrejas: "não queremos tomar o poder dos homens, mas destituí-lo"

Liana Cirne Lins

Brasil abaixo de fezes, cocô por cima de todos

Estudantes NINJA

Um (quase) final de ano de tantos retrocessos

NINJA

“Não colem em mim esse discurso da meritocracia”, diz Conceição Evaristo

Preta Rara

A senzala moderna é o quartinho da empregada

NINJA

A criminalização do aborto e o feminicídio de Estado

NINJA

“O samba é a coisa mais importante na cultura brasileira”, ressalta Zé Luiz do Império