.

Em tempo até de participação do Faustão na criação da narrativa que enterrou o Brasil e aniquilou duas de suas maiores fontes de riqueza (construção civil e petróleo, tendo em vista a venda do pré-sal, desmonte do setor da construção civil, etc), eu quero falar da regulação da mídia.

Agora que atolaram o País na lama miliciana, os conglomerados querem acenar pra uma isenção no quadro. Não há mídia isenta, meus caros.

É impossível para nós mensurarmos como e aonde o acordão nacional começou, mas obviamente passa pela Editora Abril.

A capa da Revista Veja é obviamente a primeira da série de verdades que se seguirão, graças à uma mídia independente e internacional chamada The Intercept Brasil, que mexeu na lama dos interesses econômicos dos conglomerados de comunicação.

Mas o crime está feito. A impressão de Dilma pegando fogo na capa e a simbólica mensagem está dada. Todo mundo nesse País, inclusive do campo da esquerda acha que o “PT é corrupto”, “Lula é ladrão”, “Dilma é raivosa” e que “não foi golpe”.

Como refazer o sentido ético da comunicação? Como fazer entender que o mensalão e o PMDB são problemas de estrutura do Estado e não de um partido? Como contar com o discernimento de um povo que tem grandes limitações em seu aprender e passa por uma profunda crise de identidade?

O brasileiro foi ensinado ao auto-ódio e foi ensinado a submeter o outro. Somos uma nação de submetidos.

Nesse contexto, a propaganda neofascista de grupos de direita e da mídia hegemônica criaram um novo ovo da serpente, só que curiosamente desse ovo saiu uma cobra indecifrável, dissimulada e que sequer ouve seus próprios pais.

Dá pra matá-la com seu próprio veneno? Acredito que não, pois tanto tempo de pós-verdade gera a ausência de confiança na informação.

Daí fica a minha dúvida: No que o brasileiro será capaz de acreditar?

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Felipe Milanez

Assassinato de indigenista da Funai na Amazônia precisa de investigação federal

Mônica Horta

Moda democrática e o novo mundo

Estudantes NINJA

O Brasil está em chamas e a rua te chama

Benedita da Silva

Benedita da Silva: Bolsonaro imita Nero

André Barros

Não se combate o tráfico na favela

NINJA

Toninho Geraes: “Sou a favor do grito de liberdade contra essa tirania que assola o país”

NINJA

O escândalo das eleições gerais em Trinidad & Tobago

NINJA

“Precisamos ter voz para acabar com essa onda da extrema direita”, alerta Teresa Cristina

NINJA

Feminismo nas igrejas: "não queremos tomar o poder dos homens, mas destituí-lo"

Liana Cirne Lins

Brasil abaixo de fezes, cocô por cima de todos

Estudantes NINJA

Um (quase) final de ano de tantos retrocessos

NINJA

“Não colem em mim esse discurso da meritocracia”, diz Conceição Evaristo

Preta Rara

A senzala moderna é o quartinho da empregada

NINJA

A criminalização do aborto e o feminicídio de Estado

NINJA

“O samba é a coisa mais importante na cultura brasileira”, ressalta Zé Luiz do Império