Foto: Mídia NINJA

Olha que coisa.

Fui na padaria de manhã. Encontrei uma atendente super simpática. Estava pessoalmente mal-humorada por conta do trabalho e demandas domésticas, então não sorri como de costume. Ela estranhou.

Perguntou automaticamente:

“-Tudo bem dona Tainá?”

Eu: tudo @, eu estou preocupada com a vida, só isso, rs.

“Queria te agradecer, viu? Meu filho entrou naquele grupo lá. Eles estão lendo uma peça de meninos de rua. Nem sabia que ele gostava de ler”.

Eu: Ahhh, ele voltou pra casa? E o problema dele lá com o movimento?

“Ele tá morando com minha mãe em outro morro. Parou de andar com os “meninos”. Obrigada de verdade a senhora, viu? A senhora não teve preconceito quando eu falei e me ajudou.

O filho dela era vapor numa favela e falei pra ela tirar o filho de lá e ocupar a cabeça dele com atividades e assistência piscossocial. Dei o dinheiro das primeiras semanas de passagem.

Imagina se o Estado estivesse presente na vida desse menino? Ao invés disso o Estado prefere mirar uma arma na cabeça dele porque ele é um vapor.

Eu acho que nossa sociedade está com os esforços errados e valores invertidos.

Menos fuzis, mais livros.

Menos barbárie, mais Estado.

Continuo meio deprimida pela conjuntura, mas definitivamente meu dia melhorou e muito. Espero melhorar o seu depois dessa história.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Juan Manuel P. Domínguez

“Não é apenas a religião que nos manipula”. Entrevista com a filósofa Viviane Mosé.

Daniel Zen

12 perguntas - sobre verdades inconvenientes - ao ministro e ex-juiz federal Sérgio Moro

Gabriel RG

Mitocracia: o cinismo como método de controle

Daniel Zen

Jair Bolsonaro e Gladson Cameli: o tiozão do churrasco e seu sobrinho dileto

Felipe Milanez

Assassinato de indigenista da Funai na Amazônia precisa de investigação federal

Daniel Zen

O que há em comum entre a Lava-jato e as milícias digitais de Bolsonaro

Eduardo Sá

Gabrielzinho do Irajá: talento da nova geração do samba no partido alto

Daniel Zen

Os 340 [que não são] de Esparta

NINJA

Projeto de lei torna o licenciamento ambiental exceção em vez de regra

Eduardo Sá

Toninho Geraes: “Sou a favor do grito de liberdade contra essa tirania que assola o país”

Estudantes NINJA

Um (quase) final de ano de tantos retrocessos

Eduardo Sá

“Não colem em mim esse discurso da meritocracia”, diz Conceição Evaristo

Preta Rara

A senzala moderna é o quartinho da empregada

NINJA

A criminalização do aborto e o feminicídio de Estado

Eduardo Sá

“O samba é a coisa mais importante na cultura brasileira”, ressalta Zé Luiz do Império