.

O Governo Temer não para de nos dar provas de seu menosprezo pelas culturas indígenas. O episódio da vez é no dia do índio e às vésperas do Acampamento Terra Livre – ATL, o maior encontro indígena do Brasil, a Fundação Nacional Indígena (FUNAI) teve seu então presidente pressionado – o que o levou ao pedido de demissão ontem – por quem o havia indicado: a bancada ruralista. Detalhe: a FUNAI é o mais importante órgão indigenista do país, criado para proteger e promover os direitos dos povos indígenas no Brasil e hoje se transformou em um quintal dos interesses ruralistas.

Esse é o terceiro presidente em apenas 2 anos de gestão. Cabe lembrar que o primeiro nomeado, o ex-presidente Antônio Fernandes Toninho Costa, indicado e depois demitido por esse grupo parlamentar no começo da gestão, em sua saída, denunciou que o tiraram por “não fazer malfeitos”.

A FUNAI está vivendo um processo de desmonte. Loteada pelos diferentes grupos políticos ligados às bancadas ruralistas e evangélica e esvaziada de suas funções institucionais, vem experimentando uma redução drástica do orçamento e do quadro de servidores. Além disso, vivemos uma paralisação das demarcações das terras indígenas por meio de iniciativas legislativas ou medidas administrativas do procedimento de demarcação, permitindo a crescente criminalização de lideranças indígenas.

Os povos indígenas já viveram muitos capítulos genocidas em sua história, e com muita luta se mantiveram sempre na resistência contra todas as tentativas de ataques. Desde a ditadura militar, não havíamos experimentado um período tão duro e hostil. Por isso denunciamos e seguimos em luta por nossos territórios, nossa cultura e nossa existência.

#DireitosIndígenas #VamosComBoulosESOnia

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Araquém Alcântara

Araquém Alcântara: 'A Ferro e Fogo'

Tainá de Paula

Tainá de Paula: Wilson Witzel e o chicote da barbárie

André Barros

É o coco do Figueiredo ou o cocô do Bolsonaro?!

Dríade Aguiar

Uma sessão solene para minha tia, uma marcha para minha vó

NINJA

General defende legalização da maconha medicinal?

NINJA

Feminismo nas igrejas: "não queremos tomar o poder dos homens, mas destituí-lo"

Liana Cirne Lins

Brasil abaixo de fezes, cocô por cima de todos

Tainá de Paula

Tainá de Paula: A (não) política habitacional de Witzel e Crivella

André Barros

Bolsonaro é pior que Creonte

Pedro Henrique França

Djanira: clipe de Illy aborda a descriminalização da maconha e empreendedorismo da cannabis

NINJA

“Não colem em mim esse discurso da meritocracia”, diz Conceição Evaristo

Preta Rara

A senzala moderna é o quartinho da empregada

NINJA

A criminalização do aborto e o feminicídio de Estado

NINJA

“O samba é a coisa mais importante na cultura brasileira”, ressalta Zé Luiz do Império

Mônica Horta




Criadores autorais do Brasil... cadê vocês?