O projeto ‘Alimento para todos’ cumpre mais um papel de costura política, alinhando os interesses do agronegócio, igrejas e empresariado, do que a função de ‘erradicação da fome’.

.

As últimas semanas não foram de muitas alegrias para a gestão de João Doria. Mesmo apostando em suas peças de marketing para promover as decisões do Executivo, a aprovação de sua gestão na prefeitura de São Paulo declinou novamente, de acordo com a Folha de São Paulo em matéria publicada no Domingo (08).

Apoiando-se no slogan “AceleraSP”, João Trabalhador prometeu ao paulistano comprometimento com a cidade, principalmente com as regiões mais carentes, jamais aplicado por qualquer outro prefeito.

Contudo, segundo a Folha, os picos de aprovação da nova administração se encontram entre os bairros mais ricos, enquanto que as reprovações se concentram em regiões mais periféricas de São Paulo. Nada de novo sob o Sol, afinal, o que esperar de um prefeito que se reuniu mais com seus amigos empresários do que com os movimentos sociais nesses nove meses?

Doria que tanto tenta se distanciar da figura do “político tradicional”, utilizando-se do personagem “João Trabalhador”, porém, está na mesma vala comum dos prefeitos anteriores tanto nas pesquisas, quanto nas questões mais tangíveis para a população.

As reclamações seguem sendo as mesmas: os semáforos inoperantes, as vias todas esburacadas e remendadas, a falta de zeladoria na cidade, a falta de transparência (principalmente no que tange às “doações”), entre outros.

Aparentemente, a estratégia de se utilizar das redes sociais para mostrar seus feitos à frente da prefeitura, consolidar o personagem de trabalhador, e se destacar na disputa à presidenciável pelo PSDB, talvez, esteja se revertendo contra João Doria.

Para a população, os vídeos disponibilizados nas redes de Doria servem mais para a promoção da figura do prefeito, do que pautar, de fato, a cidade. Bem como suas viagens pelo Brasil e pelo mundo, a expressão disso é que a maioria das pessoas entrevistadas pela Folha acham que as viagens do prefeito trazem prejuízos para a cidade, e benefícios pessoais ao prefeito. 58% quer que Doria permaneça na prefeitura e se preocupe mais com São Paulo.

A última jogada de mestre por parte da sua equipe de comunicação foi a publicidade da chamada ‘Ração Humana’. É absurdo que um prefeito se utilize da pobreza e vulnerabilidade dos cidadãos como uma peça de marketing.

O projeto ‘Alimento para todos’ cumpre mais um papel de costura política, alinhando os interesses do agronegócio, igrejas e empresariado, do que a função de ‘erradicação da fome’.

Esta questão, amplamente debatida com os especialistas da área, se relaciona com a falta de distribuição dos alimentos, portanto, a política pública mais efetiva se baseia na expansão dos restaurantes populares e incentivo à agricultura familiar.

Pelo visto, para João Doria, vale tudo na disputa eleitoral.

Doria é mais um político: governando para si e seus pares da elite paulistana. Mais preocupado com sua carreira no cenário de 2018, do que com os diversos problemas que enfrentamos cotidianamente nas escolas, hospitais, transportes, etc.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Monique Prada

Monique Prada: Pode a puta de luxo falar?

Renata Mielli

Fake News: A apologia da verdade como instrumento de censura

Ivana Bentes

Museu Nacional: Não é acidente, é barbárie!

Lindbergh Farias

Lindbergh Farias: Globo não me representa

Israel do Vale

Israel Do Vale: O que será da Folha nas mãos do irmão que sempre cuidou da área comercial?

Laio Rocha

Como frear o encarceramento em massa no Brasil e nos EUA?

Pastor Ariovaldo

Pastor Ariovaldo: Trabalho como estímulo para o progresso da comunidade

Ericka Gavinho

Ericka Gavinho: Em que sociedade nos transformamos?

Renata Mielli

Caso Bolsonaro: vamos conversar sobre fascismo e ódio?

Gabinetona

Plano diretor e a luta pela gestão democrática das cidades

Tulio Ribeiro

Mattis e o roubo do século

Tulio Ribeiro

A dolarização e o neocolonialismo

André Barros

Paes é Cabral. Cabral é Paes

André Barros

Criminalização racista da maconha

Jean Wyllys

Jean Wyllys: 6 perguntas para Jair Bolsonaro