.

Mudanças radicais foram realizadas pelo governo no Conselho Superior de Cinema. Produtores e cineastas brasileiros foram excluídos da nova composição do órgão, responsável por formular políticas públicas para o setor audiovisual. Representantes de gigantes das telecomunicações e de conglomerados internacionais, como a Netflix e os estúdios de Hollywood ocuparam os lugares.

Dos 10 conselheiros, apenas 3 foram reconduzidos. Todos os 5 que se manifestaram pelas cotas do produto nacional no mercado de VOD foram afastados. Basta olhar a nova composição para vislumbrar o massacre a que o cinema e a produção independentes serão submetidos.

Não era Brasil acima de tudo? No mercado audiovisual, é Hollywood first!

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Colunista NINJA

Deus, serpentes aladas e o profeta: o que a vocação de Isaias pode contribuir contra as violências nos terreiros?

Luiz Henrique Eloy

Carta de Ipegue: Não devemos temer os Puxarará!

Spartakus Santiago

Porque a Princesa Isabel não é a Elsa de Frozen

Anielle Franco

Mulheres que cuidam, criam, e muitas vezes sozinhas, vencem!

Leandrinha Du Art

O ser sexy nunca foi uma dificuldade

Estudantes NINJA

30 de Maio: A teoria de Paulo Freire vai às ruas

Colunista NINJA

Mosquito e Inácio Rios: “A gente respeita o samba autêntico”

Anielle Franco

Respeitem a nossa história e nossa luta!!!!

Daniel Zen

A reforma da Previdência prejudica a todos os trabalhadores

Vinícius Lima

O SP Invisível agora tem um podcast: SP Cast

Margarida Salomão

Balas e Chocolates: o ataque de Bolsonaro à Universidade brasileira

Fatine Oliveira

Sinto muito, Damares. Meu lugar é na universidade federal

Jorgetânia Ferreira

Para um feliz dia das mães

Tainá de Paula

Uma catástrofe no estado do Rio de Janeiro

NINJA

Cannabis Medicinal: A história do menino que voltou a andar