.

Mudanças radicais foram realizadas pelo governo no Conselho Superior de Cinema. Produtores e cineastas brasileiros foram excluídos da nova composição do órgão, responsável por formular políticas públicas para o setor audiovisual. Representantes de gigantes das telecomunicações e de conglomerados internacionais, como a Netflix e os estúdios de Hollywood ocuparam os lugares.

Dos 10 conselheiros, apenas 3 foram reconduzidos. Todos os 5 que se manifestaram pelas cotas do produto nacional no mercado de VOD foram afastados. Basta olhar a nova composição para vislumbrar o massacre a que o cinema e a produção independentes serão submetidos.

Não era Brasil acima de tudo? No mercado audiovisual, é Hollywood first!

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Boaventura de Sousa Santos

Boaventura de Sousa Santos: A inauguração do passado

Daniel Zen

Daniel Zen: Temer, o pior Presidente da História do Brasil

Leandrinha Du Art

Um cara pediu pra transar no escuro

Colunista NINJA

O Bolsonarismo e a tática da cortina de fumaça

Jean Wyllys

Jean Wyllys: O racismo de sempre no carnaval do Rio

Clayton Nobre

De homem para homem: o que a Gillette provoca sobre mercado e masculinidades

Daniel Zen

Daniel Zen: O que esperar do governo Gladson Cameli?

Jorgetânia Ferreira

Não somos cortina de fumaça!

Vinícius Lima

SP Invisível - Gilberto Maivei

Leandrinha Du Art

Pra quem você é luz extraordinária?

Daniel Zen

Daniel Zen: O que esperar do Governo Bolsonaro?

Gabinetona

Tem um rio no meio do caminho

Ricardo Targino

Começou a Recolonização do Cinema Brasileiro!

NINJA

Opinião: Cai de vez a máscara de Moro

Sonia Guajajara

Sonia Guajajara: Democracia pela mãe terra