A emissora interfere no direito das pessoas receberem informações sobre a realidade da campanha eleitoral no país: uma obstrução grave à democracia e ao livre debate público.

.

A emissora dos Marinho tomou a decisão editorial — anunciada com poupa, circunstância e muito orgulho ao vivo por Willian Bonner — de não cobrir a agenda de campanha da candidatura que está em 1º lugar em todas as pesquisas de intenções de voto.

Ao tomar esse decisão, a Globo rasga completamente todas os parâmetros que definem a atividade jornalística. Do ponto de vista do que deveria ser uma cobertura jornalística objetiva e — como eles adoram bradar imparcial e neutra — o ex-presidente Lula estar preso, ter a homologação de sua candidatura aguardando decisão do Tribunal Superior Eleitoral não são motivos para ignorar deliberadamente a campanha desenvolvida por Haddad, Manuela D’Ávila e por milhares de pessoas em todo o Brasil. Ao contrário, o fato é de profundo interesse jornalístico e social.

Não é novidade que a emissora adote padrões de manipulação da informação como algo permanente na sua cobertura jornalística. Mas, ao assumirem editorialmente essa manipulação, nestas eleições, demonstram como a absurda concentração econômica na comunicação e a ausência de mecanismos de regulação para garantir diversidade e pluralidade nos meios de comunicação são perigosos para a democracia.

Perseu Abramo em seu ensaio sobre o Significado Político da Manipulação na Grande Imprensa, escrito em 1988, discorre sobre os padrões de manipulação utilizados: ocultação, fragmentação, inversão e indução. A Globo abusa desses padrões e escancara a sua tentativa desesperada de alterar o cenário da disputa eleitoral no Brasil.

Além disso, a emissora viola gravemente o direito à comunicação, conforme estabelecido no Artigo 19 da Declaração dos Direitos Humanos – “Todo ser humano tem direito à liberdade de opinião e expressão; esse direito inclui a liberdade de, sem interferência, ter opiniões e de procurar, receber e transmitir informações e idéias por quaisquer meios e independentemente de fronteiras”.

Ao se negar a cobrir a agenda de campanha de Lula-Haddad-Manuela, a Globo interfere de forma discricionária no direito das pessoas receberem informações sobre a realidade da campanha eleitoral no país, o que é uma obstrução grave à democracia e ao livre debate público. Nenhum meio de comunicação precisa concordar com o tema para divulgar e dar tratamento jornalístico a ele. Se a concordância for pressuposto para decidir a pauta dos veículos, passaremos de um padrão de manipulação para um cenário de censura prévia.

A decisão da Globo também viola o artigo 37 da Resolução 23.551 do TSE: “é vedado às emissoras de rádio e de televisão, em sua programação normal e noticiário (Lei no 9.504/1997, art. 45, incisos I, III, IV, V e VI): inciso III)  dar tratamento privilegiado a candidato, partido político ou coligação”.

Ao decidir de forma unilateral ignorar a campanha de uma coligação, a Rede Globo está dando tratamento privilegiado às demais coligações e partidos, uma vez que está eliminando da sua cobertura a campanha que está em 1º lugar nas pesquisas.

O Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação lançou na primeira semana de agosto a campanha “Eleições Democráticas só com Liberdade de Expressão” . Certamente, essa postura da Globo é censura privada e como tal precisa ser denunciada.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Juan Manuel P. Domínguez

“Não é apenas a religião que nos manipula”. Entrevista com a filósofa Viviane Mosé.

Daniel Zen

12 perguntas - sobre verdades inconvenientes - ao ministro e ex-juiz federal Sérgio Moro

Gabriel RG

Mitocracia: o cinismo como método de controle

Daniel Zen

Jair Bolsonaro e Gladson Cameli: o tiozão do churrasco e seu sobrinho dileto

Felipe Milanez

Assassinato de indigenista da Funai na Amazônia precisa de investigação federal

Daniel Zen

O que há em comum entre a Lava-jato e as milícias digitais de Bolsonaro

Eduardo Sá

Gabrielzinho do Irajá: talento da nova geração do samba no partido alto

Daniel Zen

Os 340 [que não são] de Esparta

NINJA

Projeto de lei torna o licenciamento ambiental exceção em vez de regra

Eduardo Sá

Toninho Geraes: “Sou a favor do grito de liberdade contra essa tirania que assola o país”

Estudantes NINJA

Um (quase) final de ano de tantos retrocessos

Eduardo Sá

“Não colem em mim esse discurso da meritocracia”, diz Conceição Evaristo

Preta Rara

A senzala moderna é o quartinho da empregada

NINJA

A criminalização do aborto e o feminicídio de Estado

Eduardo Sá

“O samba é a coisa mais importante na cultura brasileira”, ressalta Zé Luiz do Império