A emissora interfere no direito das pessoas receberem informações sobre a realidade da campanha eleitoral no país: uma obstrução grave à democracia e ao livre debate público.

.

A emissora dos Marinho tomou a decisão editorial — anunciada com poupa, circunstância e muito orgulho ao vivo por Willian Bonner — de não cobrir a agenda de campanha da candidatura que está em 1º lugar em todas as pesquisas de intenções de voto.

Ao tomar esse decisão, a Globo rasga completamente todas os parâmetros que definem a atividade jornalística. Do ponto de vista do que deveria ser uma cobertura jornalística objetiva e — como eles adoram bradar imparcial e neutra — o ex-presidente Lula estar preso, ter a homologação de sua candidatura aguardando decisão do Tribunal Superior Eleitoral não são motivos para ignorar deliberadamente a campanha desenvolvida por Haddad, Manuela D’Ávila e por milhares de pessoas em todo o Brasil. Ao contrário, o fato é de profundo interesse jornalístico e social.

Não é novidade que a emissora adote padrões de manipulação da informação como algo permanente na sua cobertura jornalística. Mas, ao assumirem editorialmente essa manipulação, nestas eleições, demonstram como a absurda concentração econômica na comunicação e a ausência de mecanismos de regulação para garantir diversidade e pluralidade nos meios de comunicação são perigosos para a democracia.

Perseu Abramo em seu ensaio sobre o Significado Político da Manipulação na Grande Imprensa, escrito em 1988, discorre sobre os padrões de manipulação utilizados: ocultação, fragmentação, inversão e indução. A Globo abusa desses padrões e escancara a sua tentativa desesperada de alterar o cenário da disputa eleitoral no Brasil.

Além disso, a emissora viola gravemente o direito à comunicação, conforme estabelecido no Artigo 19 da Declaração dos Direitos Humanos – “Todo ser humano tem direito à liberdade de opinião e expressão; esse direito inclui a liberdade de, sem interferência, ter opiniões e de procurar, receber e transmitir informações e idéias por quaisquer meios e independentemente de fronteiras”.

Ao se negar a cobrir a agenda de campanha de Lula-Haddad-Manuela, a Globo interfere de forma discricionária no direito das pessoas receberem informações sobre a realidade da campanha eleitoral no país, o que é uma obstrução grave à democracia e ao livre debate público. Nenhum meio de comunicação precisa concordar com o tema para divulgar e dar tratamento jornalístico a ele. Se a concordância for pressuposto para decidir a pauta dos veículos, passaremos de um padrão de manipulação para um cenário de censura prévia.

A decisão da Globo também viola o artigo 37 da Resolução 23.551 do TSE: “é vedado às emissoras de rádio e de televisão, em sua programação normal e noticiário (Lei no 9.504/1997, art. 45, incisos I, III, IV, V e VI): inciso III)  dar tratamento privilegiado a candidato, partido político ou coligação”.

Ao decidir de forma unilateral ignorar a campanha de uma coligação, a Rede Globo está dando tratamento privilegiado às demais coligações e partidos, uma vez que está eliminando da sua cobertura a campanha que está em 1º lugar nas pesquisas.

O Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação lançou na primeira semana de agosto a campanha “Eleições Democráticas só com Liberdade de Expressão” . Certamente, essa postura da Globo é censura privada e como tal precisa ser denunciada.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Copa FemiNINJA

Histórias de quem trabalha nos bastidores do futebol

Daniel Zen

As mensagens secretas da Lava-jato: crime e castigo

Tainá de Paula

Execução por no mínimo 15 tiros não pode ser tipificada como crime banal

André Barros

Moro contra Lula

Laio Rocha

Taça das Favelas coloca futebol de várzea no centro

Colunista NINJA

'A única coisa que salva um país é a cultura', afirma Moacyr Luz

Mônica Horta

Moda autoral brasileira presente!

Daniel Zen

É a economia, estúpido!

André Barros

Marchas da Maconha foram maiores que atos de Bolsonaro

Colunista NINJA

Mosquito e Inácio Rios: “A gente respeita o samba autêntico”

André Barros

Aperta a pauta, Toffoli

Colunista NINJA

“Fazer samba é uma resistência e está totalmente ligado à política”, afirma Júlio Macabu da nova geração

Cleidiana Ramos

#15M: Uma lição para esperança e vigilância

Margarida Salomão

Balas e Chocolates: o ataque de Bolsonaro à Universidade brasileira

Fatine Oliveira

Sinto muito, Damares. Meu lugar é na universidade federal