.

A liberdade de expressão é um direito fundamental previsto na nossa Constituição. Direito que se inscreve dentro de certos limites, também definidos na Carta Magna, e que são importantes para impedir que, sob a salvaguarda da liberdade de expressão, se propague o ódio, o preconceito e se permita que os poderosos grupos privados de comunicação imponham sua visão de mundo para a sociedade de forma despótica.

A mídia privada, no entanto, parece ignorar que seu papel social requer responsabilidade e que ela deve responder por seus erros e, inclusive, por seus abusos.

O editorial desta quarta-feira, 18 de abril, do jornal Folha de S.Paulo é para lá de abusivo. Truculentos e pueris é o título do texto no qual a Folha expressa sua opinião sobre o Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) e sobre o Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST).

O texto extrapola a crítica. É um manifesto público que criminaliza a ação política de organizações que têm pautas legítimas de reparação social e de luta em defesa de direitos – também fundamentais – como o direito à terra e à moradia. Incita os seus leitores ao ódio e ao medo, à medida em que atribui aos movimentos a organização de “sangrentas manifestações populares”.

A aversão ao direito à livre manifestação é algo que está no DNA dos barões da mídia.

Mas o que eles ocultam – propositadamente – é que o sangue, quando jorra, não é pela manifestação dos movimentos, mas pela ação – essa sim truculenta – das polícias militares que reprimem com violência o movimento social.

O editorial da Folha é uma peça exemplar da manipulação da opinião. Afirmam que os movimentos não têm líderes, que houve amplo apoio popular ao impeachment, e tentam afirmar que é fantasiosa a ideia de que o Brasil sofreu um golpe.

Ora, a ruptura institucional que ocorreu no Brasil foi um golpe, reconhecido como tal pela grande mídia internacional, como New York Times, The Guardian, Washington Post e outros grandes jornais do mundo. E que só não é chamado por este nome por Folha e Cia. justamente porque foi o consórcio entre os meios de comunicação oligopolizados do Brasil que construíram toda a narrativa para que o golpe pudesse ser efetivado. O golpe é midiático, jurídico – porque contou com a operação deslavadamente política de setor do Poder Judiciário, que conduziu a Operação Lava Jato –, e parlamentar, porque contou com o apoio do parlamento mais conservador e venal da história recente do país.

As ocupações, principal ação política do movimento social que luta pela terra e moradia, sempre são tratadas como invasões para dar um tom de ilegalidade e, com isso, levar a população a se colocar contra o movimento.

Ao usar da força simbólica da imprensa e de um veículo que se auto-declara responsável por produzir um “jornalismo profissional”, para construir sua credibilidade baseada na ideia de que produz um jornalismo apartidário, neutro e imparcial, a Folha de S.Paulo manipula de forma vil a opinião pública e estimula o preconceito da sociedade contra essas entidades e contra os movimentos sociais.

Em suas páginas noticiosas, não abre uma linha de espaço para ouvir as lideranças destes movimentos – que ela taxa de não terem ideias – e não cumpre seu papel de oferecer à sociedade um espectro mais amplo de olhares sobre os acontecimentos, dando espaço para o contraditório.

Estão, talvez lá no fundo, a Folha esteja se sentido traída pelo fato de o MTST ter feito – com a ocupação do Triplex do Guarujá – o que nenhum veículo da mídia hegemônica fez desde o início de todo este processo – mostrado o interior do apartamento e, com isso, apresentar jornalismo de fato, divulgando imagens que reforçam ainda mais a tirania do discurso da mídia e da Lava Jato sobre o processo que levou o ex-presidente Lula à prisão.

Quando o jornal utiliza suas páginas para constranger, diminuir, estigmatizar criminalizar e esteriotipar movimentos que reúnem dezenas de milhares de brasileiros e brasileiras, abusa da liberdade de expressão. É isso que o editorial da Folha fez: um ataque gratuito ao movimento social, em particular o MTST e ao MST. O jornal deveria, no mínimo, conceder a estes movimentos o direito de resposta, para que eles possam se defender do discurso do ódio exalado a cada linha do texto publicado nesta quarta-feira.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Felipe Milanez

Assassinato de indigenista da Funai na Amazônia precisa de investigação federal

Mônica Horta

Moda democrática e o novo mundo

Estudantes NINJA

O Brasil está em chamas e a rua te chama

Benedita da Silva

Benedita da Silva: Bolsonaro imita Nero

André Barros

Não se combate o tráfico na favela

NINJA

Toninho Geraes: “Sou a favor do grito de liberdade contra essa tirania que assola o país”

NINJA

O escândalo das eleições gerais em Trinidad & Tobago

NINJA

“Precisamos ter voz para acabar com essa onda da extrema direita”, alerta Teresa Cristina

NINJA

Feminismo nas igrejas: "não queremos tomar o poder dos homens, mas destituí-lo"

Liana Cirne Lins

Brasil abaixo de fezes, cocô por cima de todos

Estudantes NINJA

Um (quase) final de ano de tantos retrocessos

NINJA

“Não colem em mim esse discurso da meritocracia”, diz Conceição Evaristo

Preta Rara

A senzala moderna é o quartinho da empregada

NINJA

A criminalização do aborto e o feminicídio de Estado

NINJA

“O samba é a coisa mais importante na cultura brasileira”, ressalta Zé Luiz do Império