Escolha uma Página

Vai ser o primeiro Brasil X Argentina que não será transmitido pela Rede Globo. TV Brasil e Facebook exibirão os dois amistosos da seleção que acontecerão nos dias 09 e 13 de junho, na Austrália.

.

.

O casamento entre a emissora de televisão e a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) – que resultou num dos maiores monopólios midiático-esportivo do mundo – esteve inabalável por 4 décadas. Agora, a política, as novas tecnologias, e a busca por mais lucratividade são fatores que estremecem a relação entre ambas e podem abrir um novo capítulo na discussão sobre direito de transmissão de eventos esportivos no Brasil.

O poder econômico da Rede Globo nunca abriu brechas para que outras emissoras de televisão pleiteassem a compra dos direitos de transmissão de campeonatos de futebol. A Globo, para não perder a sua força, comprava tudo – o que ia transmitir e o que não ia transmitir. Ou seja, eliminava qualquer possibilidade de concorrência e criava uma situação na qual a sociedade ficava completamente refém da emissora. A Globo impunha o jogo de futebol que a sociedade iria assistir na televisão. Isso teve impactos culturais, como o fato de ser o Flamengo o time de maior torcida nacional.

Já em 2016 o monopólio da Globo nas transmissões de partidas de futebol começou a ruir com a entrada em campo do Esporte Interativo, que começou a fechar os direitos para transmitir jogos de campeonatos brasileiros da séria A, B e C a partir de 2019. Mas até então isso não resvalava na Seleção.

O primeiro atrito entre CBF e Globo aconteceu no início de 2017, no amistoso entre Brasil e Colômbia para homenagear as vítimas da Chapecoense. A Globo não quis comprar o direito de transmissão do jogo pela bagatela de 2 milhões de reais. A CBF não gostou da “rebeldia” da parceira e decidiu abrir o sinal da partida.

Depois disso, a Globo aguardava o leilão (bid) que a CBF faz para vender o “pacote” de jogos amistosos da seleção. Mas eis que a Confederação decidiu comercializar as partidas da Austrália de forma avulsa.

Novos jogadores mudam as regras do jogo

A blindagem da Globo para impedir que novos modelos de negócio envolvendo a transmissão de jogos chegassem no Brasil foi furada. Em outros países, a compra dos direitos e a divisão das cotas já envolve de forma mais direta os canais de TV por assinatura e, mais recentemente, serviços da internet entram na arena: Facebook, Twitter e Youtube.

De um lado, clubes e confederações buscam diversificar a oferta e obter mais lucro com a comercialização das partidas. A CBF, inclusive, começa a investir mais na geração direta das imagens. Assim, pretendem arrecadar mais dinheiro com patrocínio e a venda do sinal para as emissoras que adquirirem o direito de transmissão.

Para a Globo, se este modelo se consolidar será um desastre. Além de perder a hegemonia mantida até hoje, a emissora vai perder milhões de reais com a venda de publicidade de forma exclusiva para veiculação nos intervalos e durante os jogos.

Tanto é que a direção da emissora já começa a fazer mudanças na equipe para tentar impedir que a Globo fique em desvantagem: deve entrar com tudo para garantir a compra dos próximos amistosos e das Eliminátórias no lote a ser colocado à venda pela CBF para o período de 2018 a 2022.

Facebook está de olho nos cifrões do futebol

A transmissão de jogos pela internet já começa a crescer. As parcerias que o Facebook tem firmado envolvem inclusive negociações com as emissoras detentoras dos direitos de transmissão.

Mas há negociação feita diretamente com clubes e ligas. Em março, o Facebook fechou um acordo com a MLS, principal liga de futebol norte-americano, para a transmissão de 22 jogos. Twitter também já tem parcerias com a NBA (basquete) e a NFL (futebol americano).

A transmissão de eventos esportivos é um filão bilionário e é claro que Mark Zuckerberg está de olho nisso. Nós também temos que ficar de olho, porque a sociedade tem que aproveitar o novo ambiente digital como uma oportunidade para enfrentar o monopólio das transmissões.

Não podemos deixar que apenas se troque um monopólio por outro.

_____

Colaborou Felipe Bianchi, jornalista, integrante do Coletivo Futebol, Mídia e Democracia do Centro de Estudos da Mídia Alternativa Barão de Itararé.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Marta Dillon

Não há um mundo possível sem as lésbicas
Ver agora

Leandrinha Du Art

Leandrinha Du Art: Ser travesti é ser uma sobrevivente
Ver agora

Renata Mielli

Distritão e Reforma Política: Pior do que tá, fica!
Ver agora

Ivana Bentes

Rio 360 graus! Michael Jackson de fuzil, braços abertos sobre o Santa Marta
Ver agora

João Brant

João Brant: Vou na contramão, reforma política pode ser avanço, apesar do distritão
Ver agora

Isa Penna

Isa Penna: O Fascismo é um perigo!
Ver agora

Jandira Feghali

O que está acontecendo com o Rio de Janeiro?
Ver agora

Pastor Ariovaldo

Pastor Ariovaldo: Nós, os Bananas
Ver agora

Daniel Zen

Regulamentar as drogas não é um 'libera geral'
Ver agora

Jandira Feghali

Jandira Feghali: É pela vida das mulheres
Ver agora

Antonia Pellegrino

Atenção mulheres, com o distritão a coisa só piora
Ver agora

Marcelo Freixo

Marcelo Freixo: O que é o Distritão
Ver agora

Guilherme Boulos

Guilherme Boulos: 3 Pontos para uma Reforma Política
Ver agora

Sâmia Bomfim

11 anos de Lei Maria da Penha: Doria e Temer inimigos das mulheres
Ver agora

Margarida Salomão

O fim do mundo chegou para as universidades brasileiras
Ver agora