.

No Brasil tem uma chefa de juízes que dorme, apesar de tudo o que sabe.

Tem, também, um menino de 13 anos, analfabeto, que foi achado dormindo em cela do presídio onde, com o pai, trabalhava numa carvoaria ilegal que há no presídio – trabalho análogo à escravidão… O pai foi preso.

Tem, também, policiais que, certamente, dormiram enquanto o ex marido, réu confesso de ter plantado uma câmera no banheiro da casa da ex esposa, matava a ex esposa dentro da viatura policial que os conduzia para a delegacia.

Tem, também, líderes sindicais que dormem apesar de nada terem feito enquanto os trabalhadores perdiam todos os seus direitos.

Tem, também, um povo que dorme apesar de ser governado por um grupo que o ex procurador acusou de ser uma organização criminosa.

No Brasil não dormem os sem teto, os sem terra… a realidade de exploração e de injustiça não deixa.

Ah! Também não dormem os que moram nas periferias e nas comunidades… as “balas” da polícia não deixam!

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Felipe Milanez

Assassinato de indigenista da Funai na Amazônia precisa de investigação federal

Mônica Horta

Moda democrática e o novo mundo

Estudantes NINJA

O Brasil está em chamas e a rua te chama

Benedita da Silva

Benedita da Silva: Bolsonaro imita Nero

André Barros

Não se combate o tráfico na favela

NINJA

Toninho Geraes: “Sou a favor do grito de liberdade contra essa tirania que assola o país”

NINJA

O escândalo das eleições gerais em Trinidad & Tobago

NINJA

“Precisamos ter voz para acabar com essa onda da extrema direita”, alerta Teresa Cristina

NINJA

Feminismo nas igrejas: "não queremos tomar o poder dos homens, mas destituí-lo"

Liana Cirne Lins

Brasil abaixo de fezes, cocô por cima de todos

Estudantes NINJA

Um (quase) final de ano de tantos retrocessos

NINJA

“Não colem em mim esse discurso da meritocracia”, diz Conceição Evaristo

Preta Rara

A senzala moderna é o quartinho da empregada

NINJA

A criminalização do aborto e o feminicídio de Estado

NINJA

“O samba é a coisa mais importante na cultura brasileira”, ressalta Zé Luiz do Império