Foto: Tiago Macambira

Se a senadora liberal diz que o governo está caindo de podre, e que, portanto, não tem como efetuar nenhuma reforma;

Se o mais delatado, incriminado, e citado como corrupto, entre servidores públicos, não só é liberado para voltar a seu cargo no Senado, como ganha no sorteio um aliado para analisar no supremo as denúncias que pesam contra ele, quem vai acreditar em qualquer possibilidade de justiça?

Se para alguns ministros do Judiciário a aplicação da lei não precisa levar em conta nenhum critério ético ou moral, nem mesmo o critério social, o que tal medida poderá provocar no ânimo da população e na sua crença no sistema judiciário?

Se o sujeito é pego por ter levado uma mala de dinheiro, como delatado pelo “doador”, e, mais, como comprovação, devolve parte do valor que ele havia tomado para si; mas, mesmo assim, é solto, apesar de ser peça incriminatória do mais influente dos acusados de corrupção…

É, não está fácil analisar o que se passa no país!

Isso me lembra uma fala de Jesus, que parafraseio: “Se o que deveria levar a luz para você está repleto de trevas, quão densas são as suas trevas!“

 

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Monique Prada

Monique Prada: Pode a puta de luxo falar?

Renata Mielli

Fake News: A apologia da verdade como instrumento de censura

Ivana Bentes

Museu Nacional: Não é acidente, é barbárie!

Lindbergh Farias

Lindbergh Farias: Globo não me representa

Israel do Vale

Israel Do Vale: O que será da Folha nas mãos do irmão que sempre cuidou da área comercial?

Laio Rocha

Como frear o encarceramento em massa no Brasil e nos EUA?

Pastor Ariovaldo

Pastor Ariovaldo: Trabalho como estímulo para o progresso da comunidade

Ericka Gavinho

Ericka Gavinho: Em que sociedade nos transformamos?

Renata Mielli

Caso Bolsonaro: vamos conversar sobre fascismo e ódio?

Gabinetona

Plano diretor e a luta pela gestão democrática das cidades

Tulio Ribeiro

Mattis e o roubo do século

Tulio Ribeiro

A dolarização e o neocolonialismo

André Barros

Paes é Cabral. Cabral é Paes

André Barros

Criminalização racista da maconha

Jean Wyllys

Jean Wyllys: 6 perguntas para Jair Bolsonaro