Foto: Tiago Macambira

Se a senadora liberal diz que o governo está caindo de podre, e que, portanto, não tem como efetuar nenhuma reforma;

Se o mais delatado, incriminado, e citado como corrupto, entre servidores públicos, não só é liberado para voltar a seu cargo no Senado, como ganha no sorteio um aliado para analisar no supremo as denúncias que pesam contra ele, quem vai acreditar em qualquer possibilidade de justiça?

Se para alguns ministros do Judiciário a aplicação da lei não precisa levar em conta nenhum critério ético ou moral, nem mesmo o critério social, o que tal medida poderá provocar no ânimo da população e na sua crença no sistema judiciário?

Se o sujeito é pego por ter levado uma mala de dinheiro, como delatado pelo “doador”, e, mais, como comprovação, devolve parte do valor que ele havia tomado para si; mas, mesmo assim, é solto, apesar de ser peça incriminatória do mais influente dos acusados de corrupção…

É, não está fácil analisar o que se passa no país!

Isso me lembra uma fala de Jesus, que parafraseio: “Se o que deveria levar a luz para você está repleto de trevas, quão densas são as suas trevas!“

 

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Boaventura de Sousa Santos

Boaventura de Sousa Santos: A intransparente transparência: Assange, Lula e Moro

Clayton Nobre

Quem levou o BBB?

Spartakus Santiago

1 cor e 80 tiros: Por que precisamos lembrar que vidas negras importam?

Preta Rara

Enquanto a dor preta só atingir os corpos pretos, vamos continuar morrendo todos os dias

Tainá de Paula

Tainá de Paula: Impeachment? Renuncie, Crivella

Benedita da Silva

Lula Livre: A bandeira da luta pela democracia

Sâmia Bomfim

Bolsonaro: 100 dias de desgoverno

Manuela d'Ávila

Manuela d'Ávila: Nunca me senti tão bonita como me sinto aos 37

Ivana Bentes

Tortura: podia ser eu ou você

Movimento dos Pequenos Agricultores

Mulheres camponesas, resistência e as políticas do governo Bolsonaro

Bruno Ramos

Foram 80 tiros, mano! E não era gravação do Rambo

Sâmia Bomfim

Samia Bomfim: 31 de março: nada a celebrar

Daniel Zen

Comitiva brasileira se porta como uma república de bananas em terras de Tio Sam

Preta Rara

Quando a dor é preta, não viraliza

Macaé Evaristo

Macaé Evaristo: Levante por Marielle